21 de março de 2013

Elfos

۞ ADM Sleipnir e ADM Dama Gótica


Os Elfos são um tipo de criaturas sobrenaturais, que tem suas primeiras descrições provenientes da mitologia germânica/nórdica. Também são encontrados em outros folclores, como o europeu e o escandinavo. Originalmente acreditava-se que eram criaturas possuidoras de habilidades mágicas, capazes de ajudar ou prejudicar os seres humanos, mas em tradições posteriores tornaram-se cada vez mais sinistros e acreditava-se que afligiam os seres humanos e os animais de várias maneiras. Foi no início da idade moderna que o seu folclore foi associado com as fadas da cultura do romantismo europeu.

Mitologia Nórdica


Em nórdico antigo, eles são chamados álfar. Eram originalmente uma raça de deuses menores da natureza e da fertilidade. São muitas vezes retratados com aparência de homens e mulheres jovens, de grande beleza, vivendo em florestas e outros lugares naturais, subterrâneas ou em poços e nascentes. 
Na mitologia nórdica, acredita-se que os Elfos de luz viviam no lugar no seu chamado cidade dos Elfos (Alfheim). Sobrando como única alternativa aos "elfos negros" habitarem abaixo na terra, em cavernas e as florestas escuras no subterrâneo. 

Os Elfos de luz são mais brilhantes do que o sol na aparência, e os Elfos Negros são mais negros do que betume... (Snorri, Gylfaginning 17, Edda em Prosa).
Alfheim era governada pelo Rei elfo Van Frey, e todos os seus descendentes estão relacionados com os elfos. Eram mais justo do que quaisquer outras pessoas... 
Outra evidência de elfos na mitologia nórdica vem da poesia skaldic, a Edda Poética e sagas lendárias. Nelas os elfos são ligados à Æsir (ou Ases, casta de deuses), particularmente pela frase comum "Æsir e os elfos". No Alvíssmál ("Os provérbios de todos os sábios"), os elfos são considerados distintos de ambos os Æsir e os Vanir (casta de deuses). 
Lokasenna ("O sarcasmo de Loki" é um poema do Edda poética) relata que um grande grupo de Æsir e elfos se reuniram na Ægir Tribunal de Justiça para um banquete.


Os homens podiam ser elevados à categoria de elfos após a morte, como o pequeno rei Olaf Geirstad-Elf . O ferreiro herói Völundr é identificado como o "Soberano dos Elfos" ( Visi Alfa ) e "Um entre o povo élfico" ( Alfa ljóði ), no poema Völundarkviða , cuja prosa mais tarde introdução também o identifica como o filho de um rei de 'Finnar ', um povo do Ártico respeitado por sua magia xamânica (muito provavelmente, a sami). Na Saga Thidrek de uma rainha humana é surpreendida ao saber que o amante que a engravidou é um elfo e não um homem. Na saga de Hrolf Kraki um rei chamado Helgi estuprou e engravidou uma elfa vestida em seda que era a mulher mais bonita que ele já tinha visto. A saga de Hrolf Kraki acrescenta que desde que Skuld era meio-elfo, ela era muito hábil em bruxaria (seiðr), e isso a tal ponto que ela era quase invencível em batalha. Quando seus guerreiros caíam, ela os fazia levantar novamente para continuar a luta. A única maneira de derrotá-la era capturá-la antes que ela pudesse convocar seus exércitos, que incluíam guerreiros elfos. 

Além desses aspectos humanos, eles são comumente descritos como seres semi-divinos associados com a fertilidade e o culto dos antepassados oculto ancestral . A noção de elfos, assim, aparece semelhante à animista crença em espíritos da natureza e do falecido, comum a quase todas as religiões humanas, o que também é válido para a crença em nórdico antigo dísir , fylgjur e vörðar ("seguidor" e "diretor" espíritos, respectivamente). Como espíritos, os elfos não estavam ligados por limitações físicas e podem atravessar paredes e portas na forma de fantasmas, o que acontece em Norna-Gests þáttr. 

Eles também são encontrados no Heimskringla e na Saga de Thorstein, onde filhos de vikings contam sobre uma linhagem de reis locais que governaram Alfheim, e uma vez que eles tinham sangue élfico, diziam ser mais belos do que a maioria dos homens. 

Assim como fantasmas, os elfos não estavam ligados por todas as leis físicas e podem atravessar paredes e portas. Além desta, conta a saga Kormáks de como um sacrifício para elfos foi aparentemente era capaz de curar uma ferida grave batalha.


Mitologia Germânica


Como na mitologia germânica Jacob Grimm discute "Wights e Elfos" agrupa os elfos como uma classe divina ou sobrenatural de seres. Ele afirma que existem três tipos; Aesir, o Alfar e os Vanir. 

Há também um estreito parentesco com os anões, não apenas por causa da aparência semelhante, mas existem muitos anões com nomes élficos. De acordo com vários escritos nórdicos antigos, anões são elfos também, mas eles são os "elfos negros", enquanto os "elfos da luz" são os elfos verdadeiros.

Folclore Escandinavo


No folclore escandinavo, que é uma mistura de mitologia nórdica e elementos da mitologia cristã, um elfo é chamado elver em Dinamarquês, alv em norueguês, e alv ou Alva em Sueco (o primeiro é masculino, o feminino segundo). As expressões norueguesas raramente aparecem no folclore genuíno, e quando o fazem, eles são sempre usados ​​sinônimo de huldrefolk ou vetter, uma categoria de seres geralmente aparecem mais relacionados com anões nórdicos do que os elfos que é comparável ao islandês huldufólk (pessoas escondidas). 

Na Dinamarca e na Suécia, os elfos aparecem como seres distintos, embora a fronteira entre eles seja difusa. Os insetos alados (fadas no folclore britânico) são freqüentemente chamados de "Alvor" em sueco moderno ou "alfer" em dinamarquês, embora a tradução correta seja "feer". O alf encontrado no conto de fadas “O Elfo da Rosa” pelo autor dinamarquês HC Andersen, é tão pequeno que ele pode ter uma flor rosa como casa, e tem "asas que vão de a partir de seus ombros ate seus pés". No entanto, Andersen também escreveu sobre elvere em The Hill Elfin, e os elfos nesta história, são mais parecidos aos do folclore tradicional dinamarquesa, que eram belas mulheres, que vivem em colinas e penhascos, capazes de lançar um homem à morte. 

Enquanto a tradição escandinava preserva algumas provas do álfar como hábeis seres sobrenaturais com conotações positivas, bem como os "deuses", os elfos de origem anglo-saxônica e tradição continental são quase exclusivamente apresentados como seres travessos ou malévolos responsáveis ​​por desgraças ou doenças. Ao longo da tradição germânica, nomes que contêm elfo como um elemento são freqüentemente apresentados, com uma imagem maléfica, na tradição germânica foi um desenvolvimento secundário, reforçado pelo cristianianismo. Alfred é o único nome com este elemento que permanece em uso relativamente disseminada. 

Nomes históricos dados com o elemento “elfo” incluem: Ælfwine “elfo amigo"; Ælfric "elfo-governante"; Ælfweard, Ælfwaru "elf-guardião"; Ælfsige "elfo-vitória"; Ælfflæd "elfo-beleza"; Ælfwynn "elfo-aventurança", entre outros.

Folclore Cristão


No folclore cristão, o elfos começou a ser descrito como brincalhões, travessos e que poderiam causar doenças ao gado e pessoas, e trazer sonhos ruins para pessoas travessas. A palavra alemã para pesadelo, Alptraum significa "sonho elf". A forma arcaica Alpdruck significa "pressão elfo"; acreditava-se que os pesadelos são o resultado de um elfo sentado no tórax do sonhador (íncubos). Este aspecto da crença Alemã elfica corresponde em grande parte à crença escandinava.




Folclore Moderno


No Estados Unidos, Canadá , Reino Unido e Irlanda o folclore moderno de Papai Noel inclui tipicamente elfos vestidos de verde, com orelhas pontudas, narizes longos e chapéus pontudos como ajudantes do Papai Noel ou trabalhadores contratados. Eles fazem os brinquedos em uma oficina localizada no Pólo Norte. Nesta representação, os elfos se assemelham ligeiramente versões ágeis e delicadas dos elfos em ingleses no período vitoriano da qual derivam. O papel dos elfos como ajudantes do Papai Noel se popularizou. 

Na Fantasia Moderna

O gênero fantasia do século 20 nasce do romantismo do século 19. O movimento Romancista reavivou o interesse literário em crenças populares e cultura, e elfos este gênero esta presente na esteira de trabalhos publicados por autores como JRR Tolkien . 

Estudiosos do século 19, como Andrew Lang e os irmãos Grimm recolheram "contos de histórias" do folclore popular e em alguns casos recontada-los livremente. 

Eles são retratados como seres de longa vida ou imortais e têm poderes mágicos atribuídos a eles. Um trabalho pioneiro do gênero foi "O Rei da Filha de Elfland", um romance 1924 por Lord Dunsany. 

Após o sucesso da épica obra de J.R.R. Tolkien, “O Senhor dos Anéis”, onde junto a um sábio, angelicais seres chamados elfos desempenham um papel significativo, eles se tornaram personagens importantes da fantasia moderna. 

"O Hobbit", de J.R.R. Tolkien (1937) é seminal, antecedendo a palestra sobre Contos de Histórias, do mesmo autor por alguns anos. Na palestra de 1939, Tolkien introduziu o termo "fantasia" em um sentido de "forma superior de arte, na verdade a forma quase pura, e assim (quando alcançada) a mais potente" escrita. Tolkien atinge tal popularidade que em 1960 e depois, os elfos que falam uma língua élfica semelhantes aos romances de Tolkien se tornaram personagens básicos não-humanos em obras de fantasia e role-playing games. 

Uma marca típica dos elfos de fantasia é sua orelha pontuda. Os elfos de fantasia pós-Tolkien (popularizado por Dungeons & Dragons) tendem a ser mais bonitos e mais sábios do que os seres humanos, com os sentidos e percepções mais nítidos . Dizem ser dotados de poderes arcanos, e são mentalmente afiados e amantes da natureza, arte e música. Eles são muitas vezes arqueiros qualificados. A marca de elfos fantasia é muitas de suas orelhas pontudas. Assim, em todos os sentidos melhores do que nós,provavelmente os levará a uma guerra sangrenta por ciúmes entre nós (e um par de outras raças imperfeitas) e eles, o que ainda está para ser contado.




Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, fique a vontade e deixe seu comentário nas postagens, pois ele é o nosso maior incentivo!

8 comentários:

  1. Muito esclarecedor! Adorei o texto!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o blog. Peguei um pouco sobre os elfos para complementar minha pagina no Facebook e te peço a devida licença para publicar em Deusas Celtas e Outras Mitologias. Valeu, volto logo a este blog que está de parabéns. Correção devida: onde se lê "capazes de dançar um homem a morte", deve ser corrigido para "lançar" em lugar de "dançar". Obrigado, Vicente Filgueira, do blog filgueiranews.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sleipnir: Obrigado amigo. Pode publicar o texto sem problemas. Só peço que indique a fonte. E os textos do blog estão sendo revistos, obrigado por colaborar.

      Excluir
  3. Muito bom o texto e o blog. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Por favor, tenho encontrado na internet o sobrenome Alves relacionado aos elfos. Teria alguma informação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alves: Significa "filho de Álvaro" e por consequência "filho do guerreiro elfo". Alves é um sobrenome da língua portuguesa, variante do nome Álvares (é um diminutivo). Álvares é um sobrenome patronímico, significando "filho de Álvaro", e assim Alves tem o mesmo significado.O nome Álvaro é de origem nórdica, e significa "exército de elfos" ou "guerreiro elfo".

      Espero ter ajudado.

      Excluir



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.