11 de maio de 2013

O Misterioso Kaspar Hauser

۞ ADM Dama Gótica e ADM Sleipnir



A cidade de Nuremberg, Alemanha, tem muitas reivindicações para a história, mas talvez não tão misteriosas como a aparição de Kaspar Hauser. No dia 26 de maio, em 1828, o menino então adolescente apareceu nas ruas com nada além de um nome e duas cartas na mão. A primeira carta informa que o escritor ganhou a custódia de uma criança em 7 de outubro de 1812, e desde então ensinou o menino a ler e escrever, e que agora eu queria ser um cavaleiro como seu pai. Ela também afirmou que o menino não tinha sido autorizado a sair de casa, no período de 16 anos. A segunda carta foi dito ser de sua mãe, dizendo que o seu nome era Kaspar  e sua data de nascimento era 30 de abril de 1812. Ambas as cartas tinham a mesma caligrafia, o que fez estudiosos acreditarem que foi o próprio quem as escreveu.


Uma investigação começou, e logo ficou claro que o vocabulário do menino era limitado. Ele gostava de repetir constantemente: "Eu quero ser um cavaleiro como meu pai era" e "cavalo! Cavalo! "E qualquer outra coisa foi recebido por" não sei. "Ele escreveu o nome " Kaspar Hauser ", para a polícia, e mostrou que sabia sobre dinheiro, algumas orações, e de certa forma ele podia ler. Além disse ele permaneceu um enigma. Kaspar passou os dois meses seguintes na prisão, sendo visitado por muitas pessoas. Ele era um garoto de dezesseis anos de idade saudável, intelectualmente prejudicado, mas aprendia rapidamente. Estranhamente, ele recusava todos os alimentos, menos pão e água.

Originalmente, pensava-se que Hauser foi criado como um selvagem na floresta, mas depois de certo tempo ele foi capaz de contar uma história de si próprio. Ele disse que passou a vida em uma pequena cela com uma cama de palha para dormir  e um cavalo de madeira para brincar. Disse também que ele encontrava pão e água ao lado da cama todas as manhãs. Periodicamente, a água teria um sabor amargo e bebê-la o levaria a dormir mais profundamente do que o habitual. Em tais ocasiões, quando ele acordava, sua palha estava substituída e seu cabelo e unhas cortados. Hauser alegou que o primeiro ser humano com quem ele já teve contato  era um homem misterioso, que o visitou pouco antes de sua libertação, sempre tomando muito cuidado para não revelar sua face a ele. Este homem ensinou-o a escrever o seu nome, guiando sua mão. Depois de aprender a ficar de pé e andar, foi levado a Nuremberg. Além disso, o estranho supostamente o ensinou a dizer a frase "eu quero ser um cavaleiro, como meu pai era" (em dialeto bávaro), mas Hauser afirma que não entendia o que essas palavras significavam. Este relato despertou grande curiosidade e fez de Hauser objeto de atenção internacional. Rumores surgiram de que ele era de ascendência real, possivelmente de origem Baden, mas havia também quem afirmasse que ele era um impostor.


Paul Johann Anselm Ritter von Feuerbach, presidente do tribunal de recursos da Baviera, começou a investigar o caso. Hauser foi deixado aos cuidados de Friedrich Daumer, um professor e filósofo especulativo, que lhe ensinou vários assuntos e que, assim, descobriu seu talento para o desenho. Ele pareceu prosperar neste ambiente. Daumer também o sujeitou a tratamentos homeopáticos e experiências magnéticas.





Em seguida, os ataques e injurias começaram. O primeiro foi um corte na testa, feito pelo ataque de um homem que Hauser identificou como aquele que o tinha levado a Nuremberg. Ele afirmou que, enquanto sentado na privada, ele foi atacado e ferido por um homem encapuzado, que também ameaçou-o com as palavras: ". Você ainda tem que morrer antes de você deixar a cidade de Nuremberg" O suposto ataque à Hauser também alimentou rumores sobre sua possível descendência da casa de Baden. Os críticos de Hauser são da opinião de que ele infligiu a ferida em si mesmo com uma lâmina de barbear, que depois levou de volta para o seu quarto antes de ir para o porão. Ele pode ter feito isso para despertar a piedade e, assim, escapar da repreensão por uma briga recente com Daumer, que tinha chegado a acreditar que o menino tinha uma tendência a mentir.

Alarmados com a situação, alguns funcionários pediram uma escolta policial e o transferiram aos cuidados de Johann Biberbach, uma das autoridades municipais. Após essa mudança, houve um incidente com uma pistola. Em 3 de abril de 1830, um tiro de pistola disparou no quarto de Hauser na casa dos Biberbachs. Sua escolta apressadamente entrou no quarto e encontrou-o sangrando com um ferimento no lado direito de sua cabeça. Hauser rapidamente foi reanimado e afirmou que ele subiu em uma cadeira para pegar alguns livros, a cadeira caiu e ao tentar se agarrar a algo, ele acidentalmente derrubou a pistola pendurada na parede, fazendo-a disparar. Há dúvidas se a ferida foi realmente causada pelo tiro e alguns autores associam o incidente a uma disputa anterior, em que, novamente, Hauser foi repreendido por ter mentido. Seja qual for o caso, a ocorrência levou as autoridades municipais a chegar a outra decisão sobre Hauser, cujo relacionamento inicialmente bom com a família Biberbach tinha azedado. Em maio de 1830, ele foi transferido para a casa do Barão von Tucher, que mais tarde também se queixou sobre a vaidade e a mentira exorbitante de Hauser. Talvez o julgamento mais nítido repassado sobre ​​Hauser foi o da Sra. Biberbach, que comentou sobre as suas "mentiras horrendas", "arte da dissimulação" e chamou-o "cheio de vaidade e rancor".


Lord Stanhope 

O nobre britânico, Lord Stanhope, se interessou por Hauser e ganhou a custódia dele no final de 1831. Ele gastou uma grande quantidade de dinheiro para tentar esclarecer a origem do Hauser. Em particular, ele pagou por duas visitas à Hungria, como Hauser pareceu se lembrar de algumas palavras húngaras. Stanhope mais tarde declarou que o fracasso total dessas investigações levaram a duvidar da credibilidade Hauser. Em dezembro de 1831, ele se transferiu Hauser para Ansbach, aos cuidados de um professor chamado Johann Georg Meyer, e em janeiro 1832 Stanhope deixou Hauser para o bem. Stanhope continuou a pagar o custo de vida de Hauser, mas nunca cumpriu sua promessa de que ele iria levá-lo para a Inglaterra. Após a morte de Hauser, Stanhope publicou um livro no qual ele apresentou todas as provas conhecidas contra Hauser, tomando-o como seu "dever abertamente confessar que eu tinha sido enganado". Os seguidores de Hauser suspeitavam que Stanhope tivesse motivos e conexões posteriores para a Casa de Baden, mas as historiografias acadêmicas defende-lo como um filantropo, um homem piedoso e um buscador da verdade

No dia 14 de dezembro de 1833, Hauser chegou em casa com um ferimento profundo em seu peito esquerdo. Ele disse que foi atraído para o jardim do palácio de Ansbach e que lá um estranho esfaqueou-o, dando-lhe uma bolsa em seguida. Quando o policial Herrlein procurou o guarda do jardim, ele encontrou uma pequena bolsa violeta contendo uma nota de lápis em "Spiegelschrift" (escrita espelho). A mensagem dizia, em alemão:

"“Hauser saberá, sem dúvida, descrever como sou, e de onde venho. Para que ele não faça isso, vou lhes dizer de onde venho, e qual o meu nome...”

Hauser morreu devido ao seu ferimento em 17 de dezembro 1833. As circunstâncias e motivações ou autoria do crime jamais foram esclarecidas, apesar da recompensa de 10.000 Gulden (c. 180.000,00 Euros) oferecida pelo rei Luís I da Baviera.


A sua história foi representada no filme de Werner Herzog, "Jeder für sich und Gott gegen alle" (em português, "Cada um por si e Deus contra todos"), de 1974, lançado em português com o título "O Enigma de Kaspar Hauser".



Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

2 comentários:



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby