30 de abril de 2013

Wyvern

۞ ADM Sleipnir


O Wyvern  (ou Serpe) é uma criatura alada lendária com uma cabeça de dragão, corpo reptiliano, duas pernas (às vezes nenhuma), e uma cauda farpada, que pode ser dito cuspir fogo ou possuir uma mordida venenosa. Freqüentemente aparece como um mascote de escolas e equipes esportivas (principalmente nos Estados Unidos e Reino Unido) e, ocasionalmente, aparece na literatura européia e inglesa medieval e moderna, bem como em jogos de vídeo-games.


O nome wyvern foi derivado da palavra anglo-saxônica wivere,  que significa "serpente" ou "verme". Acredita-se que as histórias anglo-saxãs sobre monstros de fogo/serpentes caindo do céu para enterrar-se profundamente no solo para nunca mais sair novamente como eles guardavam o seu tesouro,  possam ser na verdade relatos de quedas de meteoritos.




Os Wyverns, enquanto parentes próximos dos dragões, tem sido alegados não serem da mesma ordem. Na Inglaterra, eles têm sido referidos como "dragonetes" 'porque são geralmente de pequena estatura e, basicamente, parecem ser dragões jovens, quando na verdade partes de seus corpos são fundamentalmente diferentes. O Wyvern tem uma postura distinta, duas patas e as asas são verdadeiras asas (derivado dos membros anteriores), como as de morcegos ou pássaros. Às vezes, essas asas são retratadas como "mãos", de tal forma que os Wyverns podem agarrar uns aos outros quando as asas são dobradas na frente deles.

O Wyvern tem garras semelhante a águias, uma mandíbula como um bico que é essencial para o transporte de alimentos, bem como um ferrão farpado mortal na ponta de sua cauda. Eles vivem em cavernas ou tocas protegidas semelhantes comumente encontrados em florestas e bosques. As tocas podem ser identificadas pelos detritos de ossos e valores. Estes se reúnem, porque, como dragões, eles são atraídos por objetos brilhantes e enfeites. "Dragonetes" são muito menos exigente e seus "amontoados" conterão tanto lixo como o ouro.


Eles são agressivos por natureza, e atacam qualquer coisa em vista da qual eles possam fazer um lanche saboroso. Fêmeas chocas nunca devem ser abordadas quando elas estão olhando os seus filhotes.

Wyverns são de longe menos tímidos que a maioria dos dragões e eram conhecidos na Europa, especialmente na Inglaterra, antes da tecnologia de armas e ao crescimento das populações humanas, reduzindo seus números. Leonardo da Vinci registrou um encontro, ele observou entre um leão e um wyvern, embora pareça improvável que ele observou em primeira mão.

Nos bestiários da Idade Média, o Wyvern  era usado como uma alegoria de Satanás, e foi associado a guerra, a peste e o pecado. Foi especialmente dito espalhar a peste, uma carga hedionda numa Europa medieval recuperando-se dos horrores da Peste Negra.


Ao Wyvern foram dados outros significados também. Os alquimistas medievais vestiram seu conhecimento em códigos obscuros e alegorias, e o wyvern foi usado para representar a matéria em seu estado básico . O próprio alquimista foi descrito como o cavaleiro digno que supera a  besta - ou seja, transforma em ouro.

Wyverns sobrevivem hoje principalmente como um emblema heráldico. Wyverns tendem a representar a guerra, inveja, poder e conquista - e são um sinal de força para aqueles que tenham nascido através dos tempos em flâmulas, escudos, brasão de armas e afins. Enquanto eles devem ser considerados praticamente inexistentes, as montanhas relativamente intocadas e florestas da Europa Oriental e Rússia podem esconder alguns Wyverns sobreviventes.

Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

29 de abril de 2013

Zmey Gorynych

۞ ADM Sleipnir



Os Zmey, Zmaj ou Zmiy (Serpentes) são dragões da mitologia eslava/russa, que são geralmente malignos e cospem fogo, como os seus homólogos ocidentais. O mais conhecido destes foi Zmey Gorynych, o dragão de três cabeças.Gorynych, como a maioria dos zmey, assemelha-se a hidra grega com três cabeças, que cresciam de volta sempre que eram cortadas, ao menos que todas as três fossem cortadas simultaneamente.. Alguns pesquisadores consideram-lhes personificações  de invasores estrangeiros, principalmente, a Horda Dourada

Ele é o principal antagonista em um famoso conto popular russo, em que ele captura uma nobre donzela e é, consequentemente, morto pelo herói popular Dobrynya Nikitich

O Bylina (poema épico) começa com a mãe de Dobrynya dizendo para o herói não ir às montanhas Saracen (região onde habitavam os de fé muçulmana), para não matar os bebês dos dragões, para não resgatar prisioneiros russos, e para não para tomar banho no rio Puchai. Dobrynya desobedece sua mãe e faz todas essas coisas. Enquanto ele se banhava no rio Puchai, aparece Gorynych. Dobrynya não tem nada para se defender, e pensa que vai morrer. Dobrynya então encontra o chapéu de um sacerdote grego (que era um tabu para o dragão), item esse que poderia usar como um perfeito escudo e arma. Então Dobrynya o usa e  derrota o dragão. 

O dragão implora para que Dobrynya não o mate e os dois fazem um pacto de não-agressão. Uma vez que o pacto é feito, o dragão voa e captura a sobrinha do príncipe Volodymir, Zabava Putyatishna.


Quando Dobrynya chega a Kiev, o príncipe Vladimir diz para Dobrynya resgatar sua sobrinha. Dobrynya retorna às montanhas Saracen com a ajuda de um chicote mágico dado a ele por sua mãe, e começa a lutar contra o dragão.

Dobrynya lutou contra o dragão, durante três dias. No terceiro dia da batalha sangrenta, Dobrynya sente vontade de desistir e cavalgar para longe, mas uma voz do céu diz-lhe para ficar e lutar por mais três horas. Após as três horas Dobrynya mata o dragão.

Após ele matar o dragão, o sangue não penetrou o chão, e Dobrynya e seu cavalo ficaram presos no sangue durante três dias. A voz do céu disse ao herói para enfiar a lança no chão e dizer um encantamento. O sangue foi então engolido pela terra e Dobrynya resgatou Zabava.


Gorynych é bastante semelhante aos dragões da Europa Ocidental, mas nem todos os zmey são vistos como maus. Embora lascivos e gananciosos, os dragões eslavos também são inteligentes e bem respeitados. De fato, acredita-se que muitos heróis eslavos possuem  conexões com dragões, talvez o mais notável seja Vlad III, a inspiração para o vampiro de Bram Stoker, cujo sobrenome significa "filho do dragão".




Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

28 de abril de 2013

Incidente de Tunguska

۞ ADM Sleipnir


Às 7:14 do dia 30 de junho de 1908, uma explosão gigante balançou a Sibéria central. Testemunhas próximas ao evento disseram ter visto uma bola de fogo no céu, tão brilhante e quente como um outro sol. Milhões de árvores cairam e o chão tremeu. Embora um número de cientistas terem investigado o fenômeno, ainda é um mistério como e o que causou a explosão.


A explosão

Embora a escala Richter ainda não tivesse sido inventada, é estimado que a explosão  criou os efeitos de um terremoto de magnitude 5.0 . A explosão, centrada em uma área desolada e arborizada perto do rio Podkamennaya em Tunguska, na Rússia, é estimada para ter sido mil vezes mais poderosa do que a bomba lançada sobre Hiroshima. A explosão derrubou cerca de 80 milhões de árvores ao longo de uma área de 830 quilômetros quadrados em um padrão radial da zona de explosão. A poeira da explosão pairou sobre a Europa, refletindo uma luz que foi brilhante o suficiente para os londrinos pudessem ler à noite por ela.



O que causou a explosão?

Devido à remota localização da zona da explosão e a intrusão de assuntos mundanos (I Guerra Mundial e a Revolução Russa), a região não foi verificada até a década de 1920 ,onde a primeira expedição científica foi enviada para examinar a área. Supondo-se que a explosão havia sido causada por um meteoro caindo, a expedição esperava encontrar uma enorme cratera, bem como pedaços do meteorito. Eles não encontraram nenhum vestígio. Expedições posteriores também não foram capazes de encontrar provas credíveis para provar que a explosão foi causada por um meteoro caindo.

Nas décadas seguintes a esta enorme explosão, cientistas e outros têm tentado explicar a causa deste acontecimento misterioso. A explicação científica mais aceita é que seja um meteoro ou um cometa que entrou na atmosfera da Terra e explodiu um par de quilômetros acima do solo (isto explica a falta de cratera de impacto).

Outras explicações vão desde o possível ao ridículo, incluindo um vazamento de gás que escapou do chão e explodiu, um OVNI que teria caído, os efeitos de um meteoro destruído pelo laser de um OVNI em uma tentativa de salvar a Terra, um buraco negro que atingiu a Terra, e uma explosão causada por testes científicos realizados por Nikola Tesla.

Mais de cem anos depois, o incidente de Tunguska permanece sendo um mistério. No entanto, se a explosão foi causada por um cometa ou meteoro ao entrar na atmosfera da Terra, isso representa uma possibilidade séria de que, no futuro, um meteoro semelhante poderia mais uma vez entrar na atmosfera da Terra, mas desta vez, caindo em uma área povoada. O resultado seria catastrófico. Os investigadores continuam a estudar a área para encontrar respostas às suas muitas perguntas.


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

27 de abril de 2013

Tsukuyomi

۞ ADM Sleipnir




Tsukuyomi (jap: 月読, também chamado de Tsukiyomi ou mais formalmente Tsukuyomi-no-Mikoto) é o kami (deus) xintoísta da lua, e irmão dos deuses Amaterasu e SusanooDe acordo com o Nihongi, Tsukuyomi é filho dos deuses Izanagi e Izanami. Já de acordo com o Kojiki, ele e seus irmãos nasceram do corpo de Izanagi enquanto este se limpava após ter retornado do submundo. Tsukuyomi, em particular, nasceu do olho direito de Izanagi. Uma terceira história conta que Tsukuyomi nasceu de um espelho de cobre branco que Izanagi usava em sua mão direita.

Tsukuyomi e Amaterasu eram casados e viviam juntos em Takama no Hara ("Alto Plano Celestial"). Ao contrário de Susanoo, Tsukuyomi tinha um ótimo relacionamento com Amaterasu, porém este acabou sendo arruinado após Tsukuyomi fazer uma visita a Ukemochi, a deusa dos alimentos, a pedido de sua irmã. 


Ukemochi havia preparado um banquete para Amaterasu, e a deusa enviou Tsukuyomi para representá-la. Já no banquete, Tsukuyomi consumiu uma grande quantidade de alimentos, pelo menos até ele perceber como eles eram preparados. Ele notou que, em vez de cozinhar os alimentos, Ukemochi os produzia a partir de si mesma, e de uma variedade de formas, como tossir arroz, vomitar animais, e até mesmo expelir alimentos de vários lugares desagradáveis, incluindo as axilas, ânus e genitália.

Tsukuyomi ficou indignado com as estranhas habilidades culinárias de Ukemochi, e tomado por uma extrema raiva, ele acabou matando a deusa de forma bastante violenta. Seus restos mortais foram espalhados pela Terra e, a partir deles, colheitas e gado começaram a fluir. 

Embora este ato tenha sido muito benéfico para os humanos, Amaterasu ficou muito chateada com Tsukuyomi. Em resposta ao comportamento violento de seu irmão e consorte, Amaterasu se afastou dele, e ordenou que ele se retirasse da sua presença. Esta seria a explicação xintoísta para o fato do dia e a noite nunca estarem juntos.


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

26 de abril de 2013

Piasa

۞ ADM Sleipnir


Era agosto de 1675. Uma expedição com sete membros remou oeste pelo Estreito de Mackinac, procurando na região do rio Mississippi por uma passagem para o Pacífico. A primeira exploração européia da área, eles foram conduzidos pelo padre Jacques Marquette, um missionário francês, e Louis Jolliet, um comerciante de pele e cartógrafo.

Os exploradores partiram apesar de advertências de índios locais - de que havia um monstro alado na área que devorava todos que se aproximam dele.

Cerca de 15 milhas de onde os rios Mississippi e Illinois juntam-se, no alto do penhasco rochoso na margem leste do Mississippi, os aventureiros viram dois monstros horríveis pintados em amarelo, verde, vermelho e preto. Padre Marquette descreveu o pictograma:

"Enquanto contornavamos algumas pedras que, pela sua altura e comprimento inspiravam temor a nós, vimos em cima delas dois monstros pintados que no início nos fez medo, e sobre a qual os selvagens mais ousados ​​não se atrevem descansar seus olhos. Eles são tão grandes como uma bezerro, pois eles têm chifres em suas cabeças, como os de um cervo, um olhar horrível, olhos vermelhos, a barba como um tigre, um rosto um pouco como um homem, um corpo coberto de escamas, e uma cauda que tão grande que ela enrola todo o corpo, passando por cima da cabeça e voltando entre as pernas, terminando em uma cauda de peixe. "


Ele estava descrevendo o pássaro Piasa, lendário entre os índios Illini da área. Piasa  (pronúncia pie-a-saw) significa "o pássaro que come os homens." Era uma criatura híbrida peixe-mamífero-ave-réptil. Os mitos indígenas descrevem-no como um grande, alado, comedor de carne animal que vivia em uma caverna acima do rio, milhares de luas antes de o homem branco chegar, quando o magolonyn e mastodonte ainda estavam vivos. Foi muito temido e voaria para baixo e levaria consigo qualquer um que chegasse muito perto dele . Seu reinado de terror terminou quando um chefe índio chamado Quatonga e vinte de seus guerreiros conseguiram trazê-lo para fora de sua caverna e mataram-no com flechas envenenadas.

O Professor John Russell de Bluffdale, Illinois, publicou um relato sobre o Piasa em 1836. Depois de ouvir as lendas, contada pelos índios, ele decidiu verificar a caverna por si mesmo:

"Perto do final de Março do presente ano, foi induzido a visitar os penhascos abaixo da foz do Illinois e acima do Piasa [Angra]. Minha curiosidade foi guiando-me principalmente à análise de uma caverna conectada com as tradições acima , como um daqueles em que a ave tinha levado suas vítimas humanas precedido por um guia inteligente, que carregava uma pá, eu parti em minha excursão. A caverna foi extremamente difícil de acessar, e em um ponto do nosso progresso, situamos-nos em uma elevação de mais de 150 pés na face do  penhasco, com pouco espaço para manter um pé. A massa inteira se elevou acima de mim, enquanto estava abaixo do rio. Após um Trepar longa e perigosa, chegamos à caverna que foi de cerca de 50 pés acima da superfície do rio. Com a ajuda de uma vara comprida colocada sobre uma rocha projetando ea extremidade superior tocar a boca da caverna, conseguimos entrar nela. 

O teto da caverna era abobadado, no topo da qual não era menos de vinte e cinco metros de altura. A forma da caverna era irregular, mas tanto quanto eu podia julgar, o fundo seria em média de vinte por 30 pés. O andar desta caverna em toda a sua extensão era uma massa de ossos humanos. crânios e outros ossos foram misturados juntos na maior confusão. Até que profundidade eles estenderam eu era incapaz de definir, mas nós cavamos até a profundidade de três ou quatro pés,a cada trimestre da caverna e ainda encontramos apenas ossos Os restos mortais de milhares de pessoas devem ter sido depositados aqui: Como e por quem, e com que propósito, é impossível conjecturar ".

Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

25 de abril de 2013

Caso Roswell

۞ ADM Dama Gótica


Roswell é uma cidade do estado do Novo México, Estados Unidos, no Condado de Chaves. Em julho de 1947, supostamente um OVNI caído teria sido encontrado, dando origem ao que ficou conhecido como Caso Roswell. O caso Roswell gerou muita polêmica nos EUA e em todo o mundo, não tendo sido explicado até hoje exatamente o que se passou. A versão oficial dos EUA é a de que o fenômeno foi causado por um balão meteorológico. Muitos ufologistas consideram que "o caso Roswell" foi um marco histórico que deu origem à era moderna dos OVNIs. Anos depois do acontecimento, surgiram séries de TV, filmes e documentários sobre o que se tornaria o incidente mais famoso e controverso da ufologia. 

Os destroços haviam sido encontrados originalmente por um fazendeiro chamado William "Mac" Brazel, que deu uma entrevista ao Roswell Daily Record contando como foi o achado, publicada no dia 9 de julho. Ele disse que no dia 14 de junho, enquanto andava a cavalo com o seu filho Vernon de 8 anos, a cerca de 12 quilômetros do rancho em que vivia com a familia deparou-se com uma série de destroços de algo que ele não conseguiu identificar. 

Acostumado a encontrar restos de balões meteorológicos, não lhes deu importância de início, só vindo a recolher o material após o feriado de 4 de Julho, juntamente com a sua mulher e a sua filha Bessie de 14 anos. Ao contar sua história aos vizinhos Floyd e Loretta Proctor, Brazel foi aconselhado a relatar o episódio à base aérea de Roswell. 

Em 7 de julho de 1947 Brazel dirigiu-se até delegacia do xerife George Wilcox, no condado de Chavez, informando-o de que teria talvez encontrado os restos de um disco voador. O xerife telefonou para a base aérea de Roswell, que enviou o Major Billyard Ray Cyrus, do 509º Grupo de Bombardeiros, juntamente com o Capitão Sheridan Cavitt, para analisarem os destroços. 

Major Marcel recolheu o material e o conduziu para a base de Fort Worth, no Texas. A ordem era não deixar vestígios do acidente e barrar os civis que se aproximassem. 


Enquanto isso a história se espalhou, dando origem à manchete do Roswell Daily Record do dia 8. Pessoas informaram que alguns jornais ofereciam até 3.000 dólares por uma prova dos chamados “discos voadores”, assunto que estava causando furor na imprensa devido às declarações do piloto Kenneth Arnold feitas um mês antes. 

Arnold relatou que, ao sobrevoar o Oregon, avistou objetos de não-identificados como meias-luas que se moviam em círculos voando em formação, e descreveu o seu movimento como o de pedras ou discos deslizando na superfície de um lago. A imprensa logo atribuiu o termo “disco voador”, excitando as imaginações, o que estimulou quase mil relatos de avistamentos de ufos nas semanas seguintes (hoje acredita-se que o que Arnold viu foram na verdade pássaros migrando). Assim, o termo entraria de vez no vocabulário americano como sinônimo de espaçonave alienígena. 

No dia 8 de julho de 1947, em Roswell, o jornal Roswell Daily Record publicou em primeira página a notícia de que o 509º Grupo de Bombardeiros da então Força Aérea do Exército dos EUA havia tomado posse dos destroços de um disco voador: “Força Aérea americana captura disco voador num rancho na região de Roswell”. A notícia surgira de uma nota divulgada pelos militares e redigida pelo tenente Walter Haut. Seus superiores, no entanto, se apressaram em dizer que Haut havia cometido um erro porque não sabia o que estava acontecendo. No mesmo dia, a base de Fort Worth recebia o material para análise. 

A notícia causou rebuliço na cidade, mas já no dia seguinte o jornal desmentiu a história: A notícia sobre os discos voadores perde o interesse. A explicação oficial veio rapidamente: O disco do Novo México é apenas um balão meteorológico, pois o Exército tratou de desmentir a versão do disco voador, afirmando que os destroços encontrados eram de um balão meteorológico. 

A Força Aérea mandou dar um fim no primeiro texto, chamou a imprensa para fotos e distribuiu um novo texto, mandando as especulações para o espaço. Em poucos dias, o caso sumiu do noticiário.

Os mitos de Roswell

A história do disco acidentado estava esquecida até 1978, quando o físico nuclear Stanton Terry Friedman, que ganhava a vida dando palestras sobre óvnis, ouviu falar de Jesse Marcel, sobre quem pairavam rumores de já ter tocado em um disco voador. Friedman o procurou. Inicialmente, Marcel (ex-major) não se lembrava da data do episódio e as informações eram escassas demais para serem de alguma utilidade a Friedman, que deixou a história de lado. 

Mas aos poucos ele e outros pesquisadores foram obtendo mais informações e descobrindo outras testemunhas. Em 1979, uma testemunha afirmou a Friedman que os militares estavam acobertando a visita de um disco voador. 

Friedman conseguiu que uma entrevista com Marcel fosse publicada no tablóide National Enquirer, onde Marcel afirmava que nunca tinha visto nada como o material encontrado em Roswell, que acreditava ser de origem extraterrestre. Marcel contou que, antes de levar os restos do desastre para seus superiores, passara em casa para dar à família a chance de ver de perto um artefato extraterrestre. Afirmou também que o material levado por ele ao Texas não era o fotografado na sala do general Roger Ramey. Barras de metal resistente e folhas de algo parecido com alumínio teriam sido trocadas por pedaços de um balão meteorológico enquanto ele apontava o local do acidente na sala dos mapas. E que tinha sido obrigado a posar segurando os restos do balão. O ex-major disse que os pedaços recolhidos eram parte de um quebra-cabeça que o governo queria esconder. Ele defendia a tese de que se tratava de um disco voador. 

Assim o assunto Roswell voltou às manchetes e Marcel virou uma celebridade no mundo da ovniologia. 

Baseando-se em relatos de diversas testemunhas descobertas a partir da volta do Caso Roswell às manchetes, pesquisadores publicaram os primeiros livros defendendo a tese de que os destroços de 1947 eram de uma nave alienígena. São exemplos The Roswell Incident (1980), de Charles Berlitz e William Moore; UFO crash at Roswell (1991) e The truth about the UFO crash at Roswell (1994), de Kevin Randle e Donald Schmitt e Crash at Corona, de Don Berliner e Stanton Terry Friedman (1997). 

Ainda que divergissem alguns detalhes, as teorias apresentadas nesses livros seguiam as mesmas lógicas básicas. Os destroços encontrados em Roswell seriam de uma nave alienígena que, por algum motivo desconhecido, teria se acidentado. Ao identificarem os destroços, os militares americanos teriam iniciado uma campanha de desinformação para acobertar a verdadeira origem do material, apresentando a versão oficial de que seriam restos de um balão meteorológico. O material teria sido na verdade encaminhado para análise em instalações secretas de pesquisa e escondido do público. 

Variações encontradas nas teorias incluem os locais onde teriam sido encontrados destroços, o número de naves que teriam se acidentado, a quantidade de destroços encontrados, a existência ou não de corpos de alienígenas e seu número, bem como a descrição dos materiais.

Stanton Friedman publicou mais tarde, no livro Top Secret/Majic, o que seriam evidências documentais da existência de um grupo governamental clandestino dedicado exclusivamente a acobertar o incidente de Roswell. Este grupo, constituído por doze pessoas e chamado de “Majestic 12”, coordenaria todos os estudos secretos sobre os destroços e os corpos de alienígenas recuperados. Infelizmente para Friedman, investigações do FBI e uma análise independente de Joe Nickell, investigador cético de fenômenos paranormais, provaram que os documentos são completamente falsos. Uma das maiores evidências disso é que foi encontrada uma carta original do Presidente Harry Truman, de 1 de outubro de 1947, cuja assinatura foi fotocopiada e reproduzida pelo(s) falsário(s) nos documentos MJ-12.

Os documentos oficiais Em 1994, Steven Schifft, congressista do Novo México, pediu à GAO (Escritório Geral de Auditoria) que buscasse a documentação referente ao Caso Roswell. Quando a USAF recebeu a petição da GAO, publicou dois relatórios conclusivos sobre o caso: o primeiro, de 25 páginas, intitulado O relatório Roswell: a verdade diante da ficção no deserto do Novo México, foi publicado ainda em 1994 e se concentra na origem dos destroços encontrados. Já o segundo, publicado três anos depois e denominado O incidente de Roswell: caso encerrado, aborda os relatos de corpos de alienígenas. No primeiro relatório a USAF afirmava que os restos encontrados eram de balões do Projeto Mogul, altamente secreto, projetado para detectar possíveis testes nucleares soviéticos (o primeiro teste nuclear soviético só aconteceu em 1949). Para isso, detectores acústicos de baixa frequência eram colocados em balões lançados a altas altitudes. 

Já no relatório de 1997, a Força Aérea dos Estados Unidos afirmou que os estranhos corpos descritos por algumas das testemunhas eram na verdade bonecos de teste do Projeto High Dive. Concluiu-se que: diversas atividades da Força Aérea ocorridas ao longo de vários anos foram misturadas pelas testemunhas, que as lembraram erroneamente como tendo ocorrido em julho de 1947; os supostos corpos de alienígenas observados no Novo México se tratavam na verdade de bonecos de testes carregados por balões de alta altitude; as atividades militares suspeitas observadas na área eram as operações de lançamento e recuperação dos balões e dos bonecos de testes; e que os relatos envolvendo alienígenas mortos no hospital da base de Roswell provavelmente se originaram da combinação de dois acidentes, cujos feridos foram transportados (a queda de um avião KC-97 em 1956, no qual onze militares morreram, e um incidente com um balão tripulado em 1959 em que dois pilotos ficaram feridos). 

Atualmente, bonecos de teste são amplamente conhecidos pelo público em geral (principalmente por causa de seu uso em testes de segurança de automóveis), mas na década de 1950 eles eram desconhecidos fora dos círculos da pesquisa científica. No entanto, na década de 1920, a Força Aérea Americana já lançava esses bonecos de aviões como forma de testar modelos de paraquedas. Na década de 1940 eles foram usados para testar assentos de ejeção para caças. E na década de 1950, eles estavam sendo lançados de balões a alta altitude como parte do desenvolvimento de cápsulas de escape para os futuros veículos espaciais. 


Entre junho de 1954 e fevereiro de 1959, sessenta e sete bonecos foram lançados de balões na região do Novo México, sendo que a maioria caiu fora dos limites das bases militares. Os bonecos eram transportados em grandes caixas de madeira, semelhantes a caixões, para evitar danos aos sensores montados em seu interior. Pelo mesmo motivo, quando retirados das caixas ou após recuperados no campo, os bonecos eram normalmente transportados dentro de sacos plásticos em macas. Em alguns lançamentos, os bonecos vestiam uma roupa de alumínio que protegia os sensores das baixas temperaturas das altas altitudes. Todos estes fatos, além de sua aparência, provavelmente contribuíram para sua identificação como corpos de alienígenas. 

Em março de 2011 um documento de 22 de março de 1950, escrito pelo agente Guy Hottel, foi liberado pelo FBI em seu sistema de pesquisa (The Vault). O documento registra apenas o boato de que três discos voadores teriam sido recuperados no Novo Mexico (EUA), e que cada uma das espaçonaves seria ocupada por três corpos de forma humana, mas com apenas 1 metro de altura, vestidos com roupa metalica de textura muito fina. 

Encerramento do caso

Toda a discussão sobre o que aconteceu em Roswell gira em torno de informações obtidas de testemunhas. Estas testemunhas guardaram suas histórias por décadas, só aparecendo após o assunto receber destaque na imprensa e, em alguns casos, apenas repassavam relatos ouvidos de terceiros. O longo espaço de tempo entre o incidente e os relatos inevitavelmente, diminuiu a sua exatidão e algumas testemunhas, como os filhos de Mac Brazel e do Major Jesse Marcel, eram crianças na época. Como todos os depoimentos e contradições foram explicados, o caso pode ser considerado finalmente encerrado.




Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

24 de abril de 2013

Agni

۞ ADM Sleipnir


Agni é um dos mais importantes deuses védicos. Ele é o deus hindu do fogo, o mensageiro dos deuses, o aceitante de sacrifício. Segundo as escrituras védicas, Agni está no coração de todos, ele é a centelha vital da vida, e assim uma parte dele está em todas as coisas vivas, ele é o fogo que consome o alimento nos estômagos das pessoas, assim como o fogo que consome as oferendas aos deuses .Ele é o fogo do sol, no raio iluminado, e na coluna de fumaça que detém os céus. As estrelas são centelhas de sua chama. Ele era tão importante para os antigos índios que 200 hinos do Rig Veda são dirigidas a ele, e oito dos seus dez livros começam com elogios dedicados a ele.

Agni está intimamente associado com o deus Indra, e às vezes é dito ser seu irmão gêmeo. Assim Dyaus Pita e Prthivi são nomeados como dois de seus pais. Mas sua paternidade é atribuída também a muitas outras figuras. Às vezes, Kasyapa e Aditi são ditos serem seus pais, outra vez que ele é o filho de uma rainha que mantém o segredo do seu nascimento de seu rei. Ele nasceu, assim como Indra, em pleno poder e vigor. Agni é também dito ser o filho de dez mães que são todas irmãs,  são elas os dez dedos do homem. Outra história diz que ele consumiu seus pais quando ele nasceu, como não puderam alimentá-lo, história essa que simboliza o nascimento do fogo  quando duas varas são friccionadas, que rapidamente são queimadas por ele. 

De acordo com o Vishnu Purana , Agni é o filho mais velho de Brahma e Svaha é sua esposa. Juntos, eles tiveram três filhos, Pavaka, Pavamana, e Suchi que por sua vez tiveram 45 filhos, que, incluindo seus pais e avó, totalizam 49, o número de fogos sagrados no Vayu Purana.

Quando Agni é descrito em forma antropomórfica, ele é às vezes descrito como possuidor de duas faces untadas. Ele tem sete línguas de fogo e afiados dentes de ouro. Ele é de cor vermelha, com os olhos pretos e cabelos selvagem, preto. Ele tem sete braços e três pernas, e sete raios de luz emanam de seu corpo. Ou ele aparece montado em um carneiro, ou em uma carruagem, puxada por bodes ou às vezes papagaios.

Agni ama todos os seus adoradores da mesma forma, e é amado por todos eles. Ele visita o lar de todos, não importa se é rico ou pobre. Ele é o mediador entre os deuses e os homens. Ele é um grande consumidor de Soma*. Agni também tinha o poder de conferir imortalidade aos mortais, bem como remover todos os pecados no momento da morte de alguém. Quando as pessoas utilizam o fogo, elas devem virá-lo na direção correta para diferentes usos. Quando voltado para o leste, o fogo deve ser usado para sacrifícios aos deuses, quando de frente para o sul, o fogo deve ser usado para sacrifícios aos Manes, ou espíritos dos mortos, o fogo para cozinhar deve ser sempre voltado para o Oeste. 

Nos últimos tempos, o culto de Agni caiu drasticamente. Ele tornou-se uma encarnação de Shiva/Brahma. Eventualmente, ele é invocado pelos amantes, e por homens que desejam aumentar a sua virilidade.

*Soma é uma bebida ritual da cultura védica e hindu, é também o nome da própria planta da qual se extrai a bebida, bem como a personificação do Deus dos Deuses.




Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

23 de abril de 2013

Malleus Maleficarum

۞ ADM Dama Gótica




O Martelo das Bruxas ou O Martelo das Feiticeiras (título original em latim: Malleus Maleficarum) é uma espécie de manual de diagnóstico para bruxas, publicado em 1487, dividindo-se em três partes: a primeira ensinava os juízes a reconhecerem as bruxas em seus múltiplos disfarces e atitudes; a segunda expunha todos os tipos de malefícios, classificando-os e explicando-os; e a terceira regrava as formalidades para agir "legalmente" contra as bruxas, demonstrando como processá-las, inquiri-las, julgá-las e condená-las. Kraemer e Sprenger (autores do livro) oferecem um guia passo a passo sobre como conduzir o julgamento de uma bruxa, desde a reunião de provas até o interrogatório (incluindo técnicas de tortura). Mulheres que não choravam durante o julgamento eram automaticamente consideradas culpadas de bruxaria.

O Martelo das Feiticeiras, é provavelmente o tratado mais importante que foi publicado no contexto da perseguição da bruxaria do Renascimento. Trata-se de um exaustivo manual sobre a caça às bruxas, publicado primeiramente na Alemanha em 1487, e que logo recebeu dezenas de novas edições por toda a Europa, provocando um profundo impacto nos julgamentos de pessoas acusadas de bruxaria no continente por cerca de 200 anos. A obra é notória por seu uso no período de histeria da caça às bruxas, que alcançou sua máxima expressão entre o início do século XVI e meados do século XVII. 

O Malleus Maleficarum foi compilado e escrito por dois inquisidores dominicanos, Heinrich Kraemer e James Sprenger (em latim, Henrici Institoris e Iacobus Sprenger ). Os autores fundamentavam as premissas do livro com base na bula Summis desiderantes, emitida pelo Papa Inocêncio VIII em 5 de dezembro de 1484, o principal documento papal sobre a bruxaria. Nela, Sprenger e Kraemer são nomeados para combater a bruxaria no norte da Alemanha, com poderes especiais. 

Kramer e Sprenger apresentaram o Malleus Maleficarum à Faculdade de Teologia da Universidade de Colônia, na Alemanha, em 9 de maio de 1487, esperando que fosse aprovado. Entretanto, o clero da Universidade condenou a obra, declarando-a ilegal e antiética. Kraemer, porém, inseriu uma falsa nota de apoio da Universidade em posteriores edições impressas do livro. 

O ano de 1487 é geralmente aceito como a data de publicação, ainda que edições mais antigas da obra tenham sido produzidas em 1485 ou 1486. A Igreja Católica proibiu o livro pouco depois da publicação, colocando-o no Index Librorum Prohibitorum (Índice dos Livros Proibidos). Apesar disso, entre os anos de 1487 e 1520, a obra foi publicada 13 vezes. Entre 1574 e a edição de Lyon de 1669, o Malleus recebeu um total de 16 novas reimpressões. 

 

A suposta aprovação inserida no início do livro contribuiu para sua popularidade, dando a impressão de que tinha respaldo oficial. O texto chegou a ser tão popular que vendeu mais cópias do que qualquer outra obra à exceção da Bíblia, até a publicação d'El Progreso del Peregrino, de John Bunyan, em 1678. 

Os efeitos do Malleus Maleficarum se espalharam muito além das fronteiras da Alemanha, provocando grande impacto na França e Itália, e, em grau menor, na Inglaterra. 

Embora a crença popular consagrasse o Malleus Maleficarum como o clássico texto católico romano no que cabia à bruxaria, a obra nunca foi oficialmente usada pela Igreja Católica. 

Kramer foi condenado pela Inquisição em 1490, e sua demonologia considerada inadequada com a doutrina católica. Porém, seu livro continuou sendo publicado e usado também por protestantes em alguns de seus julgamentos contra bruxas. 

No Brasil foi publicado pela editora Três em 1976 com o título Malleus Maleficarum: Manual de Caça às Bruxas e, posteriormente, pela editora Rosa dos Tempos com o título O Martelo das Feiticeiras.

Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

22 de abril de 2013

Minos

۞ ADM Sleipnir


Na mitologia grega, Minos foi o rei de Creta, e era mais conhecido pela construção do Labirinto, uma complicada rede de passagens, para aprisionar o monstruoso MinotauroEuropa, sua mãe, tinha sido levado de sua casa em Tiro por Zeus, disfarçado de touro. Ele a trouxe para a ilha de Creta, onde ela deu à luz três filhos, Minos, Sarpedão e Radamanto.. Europa se casou com Astério, anterior rei de Creta, que adotou seus filhos.Quando Astério morreu, surgiu uma disputa sobre qual dos filhos deveria ganhar o trono. Minos reivindicou o direito de ser rei, alegando que ele poderia convencer os deuses a responder qualquer oração que ele oferecer. Ele orou para Poseidon  para que ele enviasse um touro que ele iria sacrificar ao deus, e um belo touro branco emergiu do mar.




Minos se tornou o novo rei. No entanto, ele decidiu que o touro era muito magnífico para sacrificar e ofereceu um outro touro em seu lugar. Irritado com Minos por não manter sua palavra, Poseidon fez com que a esposa do rei, Pasífae, se apaixonasse pelo touro branco. Ela falou de sua paixão para Dédalo, um mestre artesão, e Dédalo criou um modelo realista de uma vaca onde a rainha poderia se esconder. O touro montou a vaca, após um tempo Pasífae deu à luz ao Minotauro, uma criatura monstruosa com o corpo de um homem e a cabeça de um touro. Minos então ordenou que Dédalo construísse o labirinto em que escondeu e aprisionou o Minotauro.




O filho de Minos, Androgeu, foi morto em Atenas, e o rei pediu aos deuses para amaldiçoarem a cidade com fome e terremoto. Para acabar com a maldição, Minos exigiu que Atenas enviassem sete meninos e sete meninas a cada ano para alimentar o Minotauro. Um ano este grupo incluía um jovem chamado Teseu, com quem a filha de Minos, Ariadne, se apaixonou. Com a ajuda de Dédalo, ela fez o possível para Teseu  matar o Minotauro e fugir com ela. Para punir Dédalo por ajudar Teseu, Minos aprisionou ele e seu filho Ícaro no labirinto. No entanto, o mestre artesão criou dois conjuntos de asas, que ele e seu filho costumavam fugir e voar para fora da ilha de Creta. Dédalo conseguiu chegar na Sicília, mas Ícaro caiu do céu para a sua morte.

Minos começou sua busca por Dédalo. Ele enviou um desafio para os reis de terras vizinhas, pedindo a alguém que pudesse passar um fio por meio de uma concha em espiral, sabendo que só Dédalo poderia realizar esta façanha. Quando o rei da Sicília, Cocálo, enviou uma concha devidamente enfiada, Minos foi para a Sicília para capturar Dédalo. Desembarcando com uma grande força na ilha, no local chamado a partir de então de Heracleia Minoa, Minos ordenou a Cócalo que entregasse Dédalo para ele ser punido, porém, o rei convidou Minos  ao seu palácio, e assassinou-o durante o banho, fervendo-o em água quente. Cócalo devolveu o corpo de Minos aos cretenses, dizendo que ele tinha se afogado no banho; os cretenses o enterraram na Sicília, no lugar onde mais tarde foi fundada a cidade de Acragas e lá seus restos ficaram até que Terone, tirano de Acragas, devolveu seus ossos para os cretenses.

Após sua morte, Minos tornou-se, assim como Radamanto e Éaco, um dos três juízes do inferno, sendo ele o juiz responsável pelo veredito final. Seu sucessor foi seu filho Catreu.




Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

21 de abril de 2013

O Mistério das Máscaras de Chumbo

۞ ADM Sleipnir



Muito pouco se sabe deste caso totalmente intrigante, ocorrido em 1966, e que resultou na morte de dois jovens. Em 17 de agosto, Manoel Pereira da Cruz e Miguel José Viana deixaram sua cidade natal, Campos dos Goytacazes, Brasil, com a finalidade de comprar materiais necessários para o seu trabalho como técnico de reparo de televisores. Testemunhas afirmaram que eles carregavam Cr$ 2.300.000,00 (cruzeiros), equivalente atualmente a R$ 3.000,00 , mas o dinheiro não foi encontrado.Eles disseram as suas famílias que ficariam fora a tarde toda. Ambos vestindo ternos, eles pegaram um ônibus para a cidade de Niterói, e chegaram lá às 14:30.

Manoel Pereira da Cruz
Miguel José VIana


Uma vez lá, eles compraram casacos impermeáveis, e uma garrafa de água em um bar. A garçonete que lhes serviu disse que um deles, Miguel, parecia muito nervoso e ficava constantemente verificando o relógio. A garçonete (alguns relatos dizem que foi o barman que falou com eles) foi a última pessoa a ver os homens vivos.

Ao sair do bar, eles se dirigiram ao Morro do Vintém, onde seus corpos foram encontrados três dias depois, por um rapaz que soltava pipa. Os corpos não mostravam nenhum sinal de violência ou causa aparente da morte. O suicídio foi descartado, já que os homens tinham obtido um voucher para retornar a garrafa de água vazia para o bar. Gracinda Barbosa Cortino de Souza e seus filhos, que viviam próximos ao morro onde foram encontrados, afirmaram terem visto um OVNI sobrevoando o local no momento exato em que os investigadores acreditavam que os dois homens morreram.

Bombeiros retirando os corpos dos dois homens, em 20 de agosto de 1966

Perto dos corpos estava a garrafa  de água vazia, um par de toalhas, e eles usavam um tipo de máscara de chumbo, utilizada para proteger contra a radiação. Surpreendentemente, nenhum teste toxicológico foi realizados nos homens, devido ao escritório do legista estar muito ocupado, e os corpos não foram conservados adequadamente para um exame posterior.


Em um bloco de notas que pertencia aos homens, junto de alguns símbolos e números, referentes a válvulas eletrônicas, estava escrito as palavras enigmáticas : "16:30 estar no local determinado. 18:30 ingerir cápsulas, após efeito proteger metais aguardar sinal máscara".

Além de tudo, os homens eram ávidos entusiastas por ufologia, e o morro era um renomado ponto de supostas aparições de OVNIs .O respeitado ufólogo Jacques Vallee afirmou que mesmo anos mais tarde a grama se recusa a crescer no local onde os corpos foram encontrados. O caso permanece um mistério até hoje.



Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

20 de abril de 2013

Tarasque

۞ ADM Sleipnir


O Tarasque é um temível dragão lendário da região de Provence, no sul da França, domesticado em uma história sobre Santa Marta. Em 25 de novembro de 2005, a UNESCO incluiu o Tarasque na lista de Obras Primas do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade.



A lenda relata que a criatura habitava a área de Nerluc em Provence, França, e que devastou a paisagem larga e distante. O Tarasque era uma espécie de dragão com seis pernas curtas como um urso, um corpo semelhante a um boi, coberto com uma carapaça de tartaruga, e uma cauda escamosa, que terminava com um ferrão de escorpião. Tinha também uma cabeça e juba de leão, orelhas de cavalo e face humana.



Foi dito que o Tarasque veio de Galácia, que foi o lar dos lendários Onachus, uma besta, semelhante a um bisão, que queimava tudo o que tocava. Alguns especulam que a história dos Onachus pode estar relacionado a uma das duas lendas,o Unicórnio ou a Fênix. O Tarasque foi a descendência dos Onachus e do Leviatã do relato bíblico.



O rei de Nerluc atacou o Tarasque com cavaleiros e catapultas, sem sucesso. Mas Santa Marta encontrou a besta e a encantou com hinos e orações, e levou de volta o Tarasque , já domesticado, para a cidade. As pessoas, aterrorizadas pelo monstro, atacaram-no quando ele se aproximava. O monstro não ofereceu nenhuma resistência e morreu ali. Marta então pregou ao povo e muitos deles foram convertidos ao cristianismo. Desculpando-se pelo que eles tinham feito ao monstro domesticado, os recém-cristianizados  habitantes da cidade mudaram o nome da cidade paraTarascon.


A história do Tarasque também é muito semelhante à história de A Bela e a Fera e King Kong. O monstro fica encantado e enfraquecido por uma mulher e depois morto quando é trazido de volta à civilização. Uma idéia similar é encontrada nos mitos de Enkidu e o unicórnio: ambos são acalmados, enviando-lhes uma mulher. A descrição e a lenda desta criatura é curiosamente semelhante à de outros dragões do folclore francês, como Gargouille e Peluda.


Impacto Cultural
  • O Tarasque é destaque no brasão de armas da cidade de Tarascon. A festa é realizada todos os anos lá no último domingo de junho para lembrar o Tarasque, bem como Tartarin, o personagem principal de Alphonse Daudet Tartarin de Tarascon; 
  • A lendária criatura marinha que foi dito viver na Baía de Halong, Vietnã, também foi chamada de Tarasque pelos franceses, que governavam a região na época; 
  • Os militares franceses nomearam uma arma 20 mm anti-aeronaves (53 T2),de Tarasque. 
  • O Tarasque é uma das estátuas da procissão de Corpus Christi de muitas cidades espanholas (Valência, Granada ...). 


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!
Ruby