8 de março de 2014

A Edda Poética: Parte VI - Hárbarðsljóð

۞ ADM Sleipnir

Tradução e notas de Márcio Alessandro Moreira.


O Hárbarðsljóð ("A Canção de Hárbarðr") é um dos mais fascinantes poemas Eddicos. Ele nos mostra a complexidade existente entre os Deuses Þórr e Óðinn. O Hárbarðsljóð foi preservado no Codex Regius e no manuscrito AM 748 I 4to. Algumas passagens desse poema possuem notável semelhança com o Lokasenna.

Hárbarðsljóð

Þórr estava viajando do leste quando chegou a um canal. No outro lado do canal estava
um barqueiro com seu barco.
Þórr o chamou:

01-"Quem é o servente dos serventes,
que está do outro lado do canal?"

O Barqueiro disse:
02-"Quem é o camponês dos camponeses,
que chama através das ondas?"

Þórr disse:
03-"Me atravesse através do canal,
eu ti alimentarei de manhã;
eu tenho um cesto sobre minhas costas
com a melhor comida;
eu me alimentei no descanso,
antes de eu sair de casa*,
de arenque e bode*;
eu me saciei com isso."

O Barqueiro disse:
04-"Tu gabas apressadamente
de ter feito a tua refeição;
tu não sabes claramente o que está na sua frente*;
abatido está o teu lar,
morta, eu creio, que tua mãe está*."

Þórr disse:
05-"Isso que tu disseste agora,
a todos parece
ser o mais indesejável de se saber,
que minha mãe está morta."

O Barqueiro disse:
06-"Embora tu não tenhas
três boas acomodações*;
tu tens as pernas nuas
e os acessórios de mendigo,
tu ainda nem usa calças."

Þórr disse:
07-"Traga esse barco aqui,
eu ti mostrarei aonde ancorar,-
mas de quem é o barco
que tu tens do outro lado?"

O Barqueiro disse:
08-"Ele se chama Hildólfr*,
quem me ordenou ocupa-lo*,
um guerreiro sábio em conselhos,
que vive no canal Ráðsey;
ele me ordenou para não atravessar ladrões
e nem ladrões de cavalos,
apenas os bons [homens]
e então, aqueles que eu conheço bem;
diga-me teu nome,
se tu desejas atravessar o canal."

Þórr disse:
09-"Eu diria o meu nome,
mesmo que eu fosse um criminoso,
e todo o meu parentesco:
eu sou filho de Óðinn,
irmão de Meili*,
e pai de Magni,
o Poderoso Líder dos Deuses,
com Þórr tu estás falando aqui!
Agora eu desejo perguntar,
como tu és chamado."

O Barqueiro disse:
10-"Eu sou chamado Hárbarðr*,
raramente eu escondo meu nome."

Þórr disse:
11-"Por que esconderia o teu nome,
a menos que tu tenhas culpa*?"

Hárbarðr disse:
12-"Embora eu tivesse culpa*,
então eu guardaria minha vida
contra os que são iguais a tu,
a menos que eu estivesse condenado."

Þórr disse:
13-"Eu sentirei vergonha
por causa disso,
porque terei de nadar através das ondas até ti
e molharei minha roupa por baixo;
eu pagarei um tributo
por tua infantil
zombaria*,
se eu vier a atravessar o canal."

Hárbarðr disse:
14-"Aqui eu ficarei
e daqui irei ti esperar;
tu não encontrarás um homem tão robusto
depois da morte de Hrungnir*."

Þórr disse:
15-"Agora tu recordas,
quando eu combati contra Hrungnir,
que era um Jötunn* orgulhoso,
que tinha a cabeça de pedra;
ainda eu o matei
e ele caiu na minha frente.
O que tu fazia então enquanto isso, Hárbarðr?"

Hárbarðr disse:
16-"Eu estava com Fjölvar*
por cinco invernos inteiros
sobre aquela ilha,
que é chamada Algroen*,
nós combatemos vigorosamente ali
e derrubamos os mortos,
muitas coisas provamos,
donzelas seduzimos."

Þórr disse:
17-"Como suas mulheres confortavam vocês?"

Hárbarðr disse:
18-"Nós tínhamos mulheres animadas,
se elas falassem gentilmente para nós;
sábias mulheres nós possuíamos,
se a nós fossem fiéis;
de fora da areia elas
enrolavam cordas,
e de profundos vales
cavavam a terra;
eu fui mais sábio que todas elas
em conselho;
eu dormi junto com essas sete irmãs*,
e eu tive afeição com todas elas e prazer.
O que tu fazia então enquanto isso, Þórr?"

Þórr disse:
19-"Eu matei Þjazi*,
o mal-humorado Jötunn,
eu atirei para o alto os olhos
do filho de Alvaldi*,
no céu brilhante;
eles são os maiores sinais
de minhas realizações*,
eles que todos os homens veem desde então.
O que tu fazia então enquanto isso, Hárbarðr?"

Hárbarðr disse:
20-"Poderosas poções de amor
eu usei contra as Mirkriður*,
quando eu as tirei de seus maridos;
um feroz Jötunn
eu creio que Hlébarðr* foi,
ele me deu um Gambanteinn*
e eu lhe tirei a razão."

Þórr disse:
21-"Com um malvado coração
então tu recompensou o bom presente."

Hárbarðr disse:
22-"Esse carvalho que eu possuo,
foi tirado de outro,
cada um por si em tais casos.
O que tu fazia então enquanto isso, Þórr?"

Þórr disse:
23-"Eu estava no leste
e combatia detestáveis
noivas dos Jötnar*,
que andavam pelas montanhas;
grande seria a tribo dos Jötnar,
se todas vivessem,
os homens nada seriam
sob Miðgarðr*.
O que tu fazia então enquanto isso, Hárbarðr?"

Hárbarðr disse:
24-"Eu estava em Valland*
e acompanhava batalhas,
eu incitei príncipes a combater,
mas nunca a se reconciliar;
Óðinn tem os Jarlar*
quando caem mortos em batalha,
mas Þórr tem a raça dos Þrælar*."

Þórr disse:
25-"Injustamente tu dividirias
o povo* com os Æsir,
se tu tivesses muito poder."

Hárbarðr disse:
26-"Þórr tem força suficiente,
mas não de coração;
com medo e assustado
tu andava na luva*,
e tu não parecia então que era Þórr;
tu não ousaste então,
por medo,
nem espirrar nem peidar,
para que Fjalarr* não ti ouvisse."

Þórr disse:
27-"Hárbarðr, seu covarde,
eu ti atiraria no Hel*,
se eu pudesse ti alcançar através do canal."

Hárbarðr disse:
28-"Para que alcançar o canal,
quando não há ofensa?
O que tu fazia então, Þórr?"

Þórr disse:
29-"Eu estava no leste
e guardava o rio*,
quando me emboscaram
os filhos de Svárangr*;
eles atiravam pedregulhos em mim,
pouca alegria, todavia eles lucraram,
não obstante eles vieram perante mim
pedindo por paz.
O que tu fazia então enquanto isso, Hárbarðr?"

Hárbarðr disse:
30-"Eu estava no leste
e falava com uma mulher,
eu enganei a donzela de linho branco
e tivemos um encontro secreto;
eu alegrei aquela que brilha como ouro,
a donzela estava feliz em se divertir."

Þórr disse:
31-"Tu tiveste boa sorte em teu caso amoroso ali então."

Hárbarðr disse:
32-"Tua ajuda
eu estava então precisando, Þórr,
para eu segurar firme a donzela de linho branco."

Þórr disse:
33-"Eu teria então ti ajudado nisso,
se eu estivesse perto."
Hárbarðr disse:
34-"Eu teria então acreditado em ti,
a menos que tu me enganasses."

Þórr disse:
35-"Eu não sou um mordedor de calcanhar*,
como um velho sapato de couro na primavera."
Hárbarðr disse:
36-"O que tu fazia então enquanto isso, Þórr?"

Þórr disse:
37-"Noivas Berserker
eu combatia em Hlésey*;
elas tinham feito o pior,
enganando todos os povos."

Hárbarðr disse:
38-"Tu agiste covardemente então, Þórr,
quando tu combateste mulheres."

Þórr disse:
39-"Elas eram Vargynjur*,
mulheres malvadas,
elas bateram em meu navio,
quando eu tinha colocado na praia,
me ameaçaram com clavas de ferro
e perseguiram Þjálfi*.
O que tu fazia enquanto isso, Hárbarðr?"

Hárbarðr disse:
40-"Eu estava no exército,
quando fui enviado para cá,
levantando bandeiras,
avermelhando lanças [com sangue]."

Þórr disse:
41-"Agora tu desejas relatar isso,
que tu nos trouxeste a ameaça do combate?"

Hárbarðr disse:
42-"Compensarei ti então
com um anel* de mão,
tal como os juízes doam,
quando eles desejam nos reconciliar."

Þórr disse:
43-"Onde tu encontraste
estas palavras de zombaria,
que eu nunca ouvi
em provocações?"
Hárbarðr disse:
44-"Eu as aprendi de homens,
que são antigos,
que habitavam em casas na floresta."

Þórr disse:
45-"Porém tu deste um bom nome para as sepulturas,
quando tu as chamaste de casas na floresta*."
Hárbarðr disse:
46-"Assim eu falo de tais coisas."

Þórr disse:
47-"Tua língua afiada
ti trará mal,
se eu decidir atravessar as ondas;
mais alto que um lobo
eu creio que tu uivarás,
se tu receber o golpe do meu martelo."

Hárbarðr disse:
48-"Sif tem um amante no lar*,
com ele tu desejarias encontrar,
com ele testar tua força,
isso é o que tu deves fazer."

Þórr disse:
49-"Tua boca diz conselhos,
que para mim parecem o pior,
homem covarde,
eu creio que tu és um mentiroso."

Hárbarðr disse:
50-"Eu creio que disse a verdade;
devagar tu fazes sua jornada,
longe tu estarias chegando agora, Þórr,
se tu viajasses de barco."

Þórr disse:
51-"Hárbarðr, seu covarde,
me mantendo aqui tu me atrasas."

Hárbarðr disse:
52-"Ása-Þórr, eu nunca
pensei que
um barqueiro ti enganaria em sua jornada."

Þórr disse:
53-"Um conselho eu ti darei agora;
reme teu barco para cá,
cesse as ameaças,
venha até o pai de Magni."

Hárbarðr disse:
54-"Saia do canal,
eu negarei a ti conduzir."

Þórr disse:
55-"Mostre-me agora o caminho,
já que tu não desejas me transportar sobre as ondas."

Hárbarðr disse:
56-"Pouco é negar,
mas longe é para viajar;
uma pequena distancia em direção aos troncos,
outra em direção as pedras*,
mantenha assim o caminho para a esquerda,
até tu chegares a Verland*;
ali Fjörgyn*
encontrará Þórr, seu filho,
e ela mostrará a ele o caminho da descendência*
até as terras de Óðinn."

Þórr disse:
57-"Eu chegarei lá em um dia?"

Hárbarðr disse:
58-"Com dificuldade e trabalho chegara lá,
quando a Sól nascer,
então eu suponho que sim*."

Þórr disse:
59-"Nossa conversa agora será breve,
desde que tu me respondeste com apenas insultos;
eu ti recompensarei por me negar a atravessar,
se nós dois nos encontrarmos de novo."

Hárbarðr disse:
60-"Vá agora,
onde todos os demônios possam ti ter."


Notas do Hárbarðsljóð:

  • 03/6* Þórr habita em Þrúðheimr ou Þrúðvangr (Grímnismál verso 04, linhas 04 e 05; Gylfaginning cap. 21 e 47; Ynglinga Saga cap. 05). Seu salão se chama Bilskirnir (Gylfaginning cap. 21).
  • 03/7* Possivelmente Þórr se refere aos seus bodes, os quais o Deus mata, come e depois os reanima com o martelo. Snorri relata um episódio similar no Gylfaginning cap. 44, da Edda em Prosa. Outras traduções trazem: "... arenque e aveia".
  • 04/3* Óðinn aparentemente parece dizer para Þórr, que ele não reconhece seu pai que está diante dele.
  • 04/5* Óðinn disse isso para atacar Þórr. Também é possível que seja uma referência ao inverno, onde a terra morre para então renascer no verão.
  • 06/2* Óðinn se refere aos trajes de Þórr.
  • 08/1* Hildólfr é um dos filhos de Óðinn no Nafnaþulur 18 da Edda em Prosa. Seu nome significa "Lobo de Guerra".
  • 08/2* O barco.
  • 09/5* Meili é um dos filhos de Óðinn no Nafnaþulur 18 da Edda em Prosa.
  • 10/1* Hárbarðr significa "Barbas Grisalhas" ou "Barbas Cinzentas". Esse nome aparece no poema Grímnismál verso 49 linha 10, da Edda Poética. Óðinn também aparece como barqueiro na Völsunga Saga. Outro curioso exemplo disso se encontra no Livro II, da Gesta Danorum, de Saxo Grammaticus. Aqui Óðinn é chamado de "Plutão", que enche o submundo com as almas dos nobres, mas recusa os serviçais.
  • 11/2* Outra tradução é possível: "... a menos que tu tenhas feito algum crime".
  • 12/1* Outra tradução é possível: "Embora eu tivesse feito um crime".
  • 13/7* Outra tradução desse trecho é: "... tua brincadeira de criança".
  • 14/4* Hrungnir é o Gigante que apostou corrida de cavalo contra Óðinn em Sleipnir. Seu cavalo era Gullfaxi. Perdendo e tendo entrado em Ásgarðr começou ameaçar os Deuses até Þórr chegar. Depois de marcarem um duelo Þórr o matou com a ajuda de Þjálfi. A perna do Gigante caiu sobre Þórr que só foi libertado graças a Magni, seu filho com a Giganta Járnsaxa. Como recompensa Þórr deu para ele o cavalo de Hrungnir, Gullfaxi. Esse episódio aparece em detalhes no Skáldskaparmál cap. 24, da Edda em Prosa.
  • 15/3* Jötunn significa "Gigante".
  • 16/1* Nada se sabe sobre esse personagem, além do nome.
  • 16/4* Significa "Toda Verde" e parece se referir a Jörð.
  • 18/11* Nada se sabe sobre elas.
  • 19/1* Þjazi é o pai de Skaði. Depois de ter roubado Iðunn e suas maçãs (com a ajuda de Loki), ele foi morto pelos Deuses. Esse episódio é contado no Skáldskaparmál cap. 02 e 03.
  • 19/4* Alvaldi é o pai de Þjazi, Iði e Gangr, segundo o Skáldskaparmál cap. 04, da Edda em Prosa.
  • 19/7* No Skáldskaparmál 04, Óðinn é dito ser o criador dessas estrelas. Embora não se saiba com certeza quais eram essas estrelas, acredita-se que sejam as da constelação de Gêmeos.
  • 20/2* "As Que Cavalgam Pela Noite", são supostamente feiticeiras que cavalgavam sobre lobos na escuridão da noite.
  • 20/5* Nada se sabe sobre esse personagem, além do nome.
  • 20/6* Gambanteinn é um talismã de madeira. Um talismã semelhante aparece no Skírnismál verso 32, linha 03 e 04.
  • 23/3* Jötnar são os Gigantes.
  • 23/8* Þórr confirma sua função de protetor do mundo, dizendo que se não fosse por ele Miðgarðr estaria cheia de Gigantes.
  • 24/1* Valland significa tanto "Terra da Morte" e (possivelmente) pode ser outro nome do Valhöll, como "Terra dos Estrangeiros".
  • 24/5* Os Nobres.
  • 24/7* Os Escravos, porém essa palavra também era usada no sentido de abuso para denotar homens que serviam a outros mais poderosos. Provavelmente Óðinn estava se referindo aos camponeses.
  • 25/2* Os homens. Hárbarðr quis insinuar que Óðinn recebe os mortos em batalha, enquanto Þórr fica com os serventes. Outras divindades também possuem sua cota de mortos: Freyja fica com metade dos guerreiros mortos em combate (Grímnismál 14), Gefjon recebe as virgens e mulheres solteiras (Gylfaginning cap. 35) enquanto Ægir e Rán ficam com os que morrem afogados (Skáldskaparmál cap. 41).
  • 26/4* A luva de Skrýmir/Útgarðr-Loki. No Poema Lokasenna, Loki diz as mesmas palavras para Þórr. Esse episódio é relatado no Gylfaginning cap. 45, da Edda em Prosa.
  • 26/9* Fjalarr aparentemente é outro nome de Skrýmir, porém é possível que se trate do galo Fjalarr (Völuspá verso 42, linhas 4-8), que fica perto do Gigante Eggþér, que toma conta de uma Giganta no Jötunheimr. Esse Fjalarr é o galo guardião dos Gigantes, Gullinkambi (Völuspá verso 43, linhas 1-3) é o galo guardião dos Deuses e Víðófnir poderia ser o galo guardião do Hel citado no Völuspá (verso 43, linha 7).
  • 27/2* No sentido de matar.
  • 29/2* Possivelmente o rio Ífing, que separa a terra dos Gigantes da terra dos Deuses.
  • 29/4* Possivelmente Gigantes.
  • 35/1* Com certeza Þórr quis dizer que não era um traidor e que mantém sua palavra.
  • 37/2* Mulheres furiosas. Hlésey é onde o Gigante do mar, Ægir, habita. Essa ilha é identificada com a ilha Dinamarquesa Läsö em Kattegat.
  • 39/1* Mulheres tidas como lobos.
  • 39/6* Criado de Þórr, e irmão de Röskva. A história de Þjálfi e Röskva é narrada no Gylfaginning cap. 44.
  • 42/2* Óðinn doa anéis para uma Völva no Völuspá, verso 29, linha 01 e 02.
  • 45/2* Abrigos mortuários.
  • 48/1* Loki também acusa Sif de trair Þórr no Lokasenna 54. Possivelmente Loki e Óðinn afirmam isso pelo fato de Sif ter gerado Ullr com uma divindade que nunca foi mencionada. Alguns acreditam que Ullr seja filho de Óðinn enquanto outros afirmam que ele seja filho de Týr. Até Loki e Hrungnir são vistos como possíveis candidatos a pai de Ullr. Embora sejam apenas suposições. Sif parece ser uma Deusa do lar e da família e os kenningar parecem indicar seu ótimo casamento com Þórr.
  • 56/4* Essa passagem quer dizer "um longo caminho".
  • 56/6* Significa "Terra dos Homens".
  • 56/7* Jörð.
  • 56/9* Provavelmente é uma referencia a ponte Bifröst, que é o caminho que leva até Óðinn.
  • 58/3* Também pode ser traduzido como: "eu creio que estará descongelando
Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

Nenhum comentário:



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby