25 de abril de 2014

El Cid

۞ ADM Sleipnir




Rodrigo Díaz de Vivar, conhecido pelos títulos honorários El Cid e O Campeador, foi um grande líder militar e herói nacional da Espanha. Durante sua vida, lutou a favor e contra reis cristãos e governantes muçulmanos na Espanha. Os mouros deram-lhe o nome de El Cid (nome derivado de uma palavra árabe que significa "senhor" ), em reconhecimento de suas habilidades no campo de batalha. El Cid construiu sua reputação derrotando adversários muitas vezes superiores a ele, superando todas as adversidades, e inspirou muitas histórias, poemas e lendas.

Vida

Nascido por volta de 1043, El Cid era filho de um nobre espanhol menor. Ele passou seus primeiros anos à serviço de Sancho, filho do rei Fernando I da Espanha. Quando Fernando I morreu, o seu reino foi dividido entre seus três filhos. Mas Sancho queria todo o reino para si e logo atacou seus irmãos. Com El Cid comandando suas tropas, Sancho derrota seus irmãos.

Com a morte de Sancho, em 1072, seu irmão Alfonso assumiu o reino. Embora El Cid tivesse lutado contra ele, Alfonso reconhecia seu valor e resolveu manter o grande guerreiro em seu serviço. Ele deu a El Cid uma posição militar e lhe ofereceu a mão de sua sobrinha em casamento,  para assegurar a sua lealdade.

Juramento de Santa Gadea: El Cid exigiu que Alfonso o fizesse antes de ser coroado, a fim de eximi-lo de qualquer responsabilidade pela morte do irmão.
No entanto, dois eventos mudaram os pensamentos do rei sobre El Cid. Primeiro, durante uma missão para recolher tributos do rei mouro de Sevilha, El Cid entrou em combate com um exército invasor liderado pelo conde García Ordóñez. Ordóñez foi comandante militar de Alfonso e um amargo inimigo de El Cid. Após El Cid vencer a batalha e capturar Ordóñez, o rei sofreu divisões nas fileiras do seu exército. Logo após, uma expedição infeliz ao reino de Toledo sem a permissão real colocou em perigo as negociações realizadas por Alfonso VI com o reino. Esses fatos causaram a expulsão de El Cid e o confisco de todas as suas posses.

Após o exílio, El Cid ofereceu seus serviços ao rei mouro de Saragossa, no nordeste da Espanha, a quem ele serviu lealmente por quase dez anos. Em 1082 ele derrotou um exército liderado pelo rei mouro de Lérida e seus aliados cristãos. Dois anos depois, ele derrotou um grande exército liderado pelo rei de Aragão. Em seguida os Almorávidas, uma dinastia muçulmana do norte da África, invadiram a Espanha e esmagaram o exército comandado por Alfonso. Alfonso convocou El Cid para lhe ajudar a combater a invasão, porém mesmo tendo auxiliado Alfonso nessa importante batalha importante, ele tornou a exilar El Cid e desta vez, ele também mandou prender seus familiares.

Em 1090, El Cid iniciou uma série de campanhas para ganhar o controle do reino de Valência, no leste da Espanha. Depois de várias batalhas e um longo cerco, ele finalmente tomou a cidade de Valência dos Almorávidas em 1094. Ele governou Valencia por cinco anos, transformando a mesquita local em uma catedral cristã. Durante esse tempo, muitos colonos cristãos vieram morar em Valência. 


El Cid  continuou obtendo vitórias sobre os seus oponentes, porém terminou sua vida numa cama de seu castelo em Valência, vindo a falecer em 10 de julho de 1099. Sua morte deixou seus inimigos Mouros muito confiantes pois finalmente estavam livres dele. Sua mulher mandou amarrar seu corpo ao cavalo e sua espada à sua mão e o mandou ao campo de batalha. Ao verem El Cid em cima do seu cavalo, os mouros fugiram e acabaram sendo perseguidos e derrotados pelo exército de El Cid. Por isso reza a lenda que El Cid venceu uma batalha depois de morto. Seus restos mortais, juntamente com os de sua esposa, Jimena, estão sepultados na Catedral de Burgos.

Após sua morte, El Cid foi celebrado por cristãos e escritores muçulmanos como um grande guerreiro que nunca perdeu uma batalha. A história mais famosa é a "Canción de Mio Cid" ( Canção do Cid ), escrita por volta de 1140. Essa história é um dos grandes épicos da Idade Média, e combina realidade e ficção para retratar El Cid como o perfeito guerreiro cristão. 



Herói ou Vilão

As histórias sobre El Cid variaram bastante ao longo do tempo. Muitos contos contrastam a honra e a coragem de El Cid com a covardia e brutalidade dos nobres que o rodeavam. A cada releitura de sua história, a  sua reputação de herói decaía mais. No início da Cancion de Mio Cid, El Cid é o herói perfeito. O conto posterior, Mocedades, mostra um El Cid rebelde e desrespeitoso. Ele é ainda acusado de matar um inimigo que havia se refugiado em um lugar sagrado, um crime horrível na Idade Média. Trabalhos a partir de 1800, com base em contos dos inimigos árabes de El Cid, chamam-o de traidor de seu país e acusam-o de muitos atos terríveis .

Uma dessas histórias envolve os condes de Carrion , dois jovens nobres que se casaram com as filhas de El Cid. O poema diz que um dia um leão de propriedade de El Cid se soltou e entrou numa sala onde seus dois genros estavam jogando xadrez. Enquanto seus genros se escondiam apavorados, El Cid agarrou o leão por sua juba e colocou-o de volta em sua jaula. Humilhados por seu comportamento covarde, seus dois genros pediram para deixarem a corte de El Cid com suas esposas. Durante sua jornada, eles pararam e espancaram suas mulheres. Para vingar este ultraje, El Cid arranjou um combate pessoal entre os condes de Carrion e dois outros nobres. Os genros covardes foram mortos, e as filhas de El Cid casaram-se com os nobres vitoriosos.

Outras lendas mais extravagantes sobre El Cid surgiram nos anos posteriores. Em Las Mocedades de Rodrigo (as façanhas juvenis de Rodrigo), escrito por volta de 1350, o herói derrota adversários, não só em Espanha, mas também em Paris. Seus inimigos nessa história incluem os franceses, o imperador alemão, e até mesmo o papa. A obra também possui um conto onde El Cid abriga um leproso sob o seu manto. Enquanto El Cid está dormindo, o leproso se revela através de seu sonho como São Lázaro, e promete ao herói que Deus sempre vai ajudá-lo. Esta lenda enfatiza a imagem de El Cid como um guerreiro cujas habilidades militares estavam combinadas com virtudes cristãs.

Outro conto do mesmo trabalho descreve como El Cid mata o pai de sua noiva, Jimena, porque o homem havia insultado o pai. Jimena implora ao rei para vingar a morte de seu pai, e quando o rei se recusa, ela pede que El Cid ser condenada a se casar com ela. Esta história peculiar foi a base para a tragédia escrita em 1636 por Pierre Corneille, "Le Cid".


 Estátua de El Cid na cidade de Burgos (ESP).
Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

Um comentário:

  1. Todos os jogos da série Final Fantasy possuem um " Cid " na história, ele sempre aparece em um momento crucial para realizar um grande feito, a razão seria baseada no El Cid histórico

    ResponderExcluir



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby