2 de fevereiro de 2018

Boginiki

۞ ADM Sleipnir



Boginki (singular: boginka) são personificações femininas das forças selvagens da natureza na mitologia polonesa. Elas eram vistas como demônios neutros ou hostis para os humanos, muitas vezes atacando mulheres durante o parto, substituindo seus filhos recém-nascidos por changelings, assustando cavalos e gado ou destruindo redes de pesca. Aparecendo em muitas formas e subtipos, elas podem viver em pântanos, lagos, rios, florestas, matas ou montanhas.

Em algumas das crenças populares (dependendo da região da Polônia), uma mulher que morreu durante o parto, cometeu suicídio ou assassinou uma criança está fadada a se tornar uma boginka após a morte; as crianças roubadas de berços também podem ser transformadas em boginki ou em outros tipos de demônios. 

As pessoas também acreditavam que bruxas são capazes de evocar e orar a boginki, a fim de obter ajuda (por exemplo, para recuperar uma criança que uma boginka roubou de alguma mãe desatenta). 


Em outras crenças regionais, boginiki também podem esgueirar-se para a cama de uma mulher para gemer debaixo das cobertas, aparecer durante uma festa de casamento para embebedar os convidados com vodka envenenada, ou atrair antigos amantes para pântanos perigosos ou águas profundas. Elas às vezes são ditas possuírem consortes demônios chamados boginiarze, e darem à luz os próprios filhos - então elas capturam ovens mães humanas para amamentá-los.

Ao longo dos séculos, as boginki ganharam muitos novos nomes, alguns apenas localmente, por exemplo, as boginki vivendo em rios e lagos começaram a ser chamadas pelo nome popular de Rusalki, termo emprestado da mitologia eslava oriental, e as boginki que especificamente roubavam crianças dos berços ganharam o nome Mamuny.


Rusalki, arte de Ksenia Svincova
Para garantir proteção contra as boginki, as mulheres polonesas preparavam composições especiais de ervas e flores, abençoadas durante a Noite de Kupala (celebração do solstício de verão eslavo) ou durante a festa da Santa Mãe das Ervas (comemorada no dia da Assunção de Maria), e usavam gorros vermelhos nas cabeças ou fitas vermelhas ao redor dos punhos de seus filhos (o vermelho era visto como a cor mais protetora nas antigas crenças eslavas, trazendo segurança geral, beleza e prosperidade, fortalecendo os poderes dos espíritos domésticos).


Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

Nenhum comentário:



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos ou ofensas gratuitas;
-Comentários racistas e/ou xenófobos;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Desrespeitar o autor da postagem ou outro visitante;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Removeremos quaisquer comentários que se enquadrem nessas condições.

De preferência, evite fazer comentários anônimos. Faça login com uma conta do Google, assim poderemos responder seus comentários de forma mais apropriada, e você poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby