28 de setembro de 2020

Biasd Na Srogaig

۞ ADM Sleipnir

Arte de Nitrox-Marques

Biasd Na Srogaig (gaélico, literalmente "besta do chifre inferior") é uma criatura mítica dita habitar os lagos da Ilha de Skye, na Escócia. Geralmente descrita como sendo semelhante a um unicórnio, possuindo um único chifre em sua testa, porém possui pernas imensamente longas e que o fazem andar de maneira desajeitada, e seu corpo  possui uma forma volumosa e pesada, tornando-o mais parecido com um rinoceronte.

Dizem que todos os Biasd Na Srogaig são do sexo masculino, e para perpetuar sua raça, se transformam em homens e se relacionam com mulheres humanas, que acabam tendo uma criança também do sexo masculino. Além disso, um Biasd Na Srogaig não hesitaria em despachar com seu grande chifre qualquer homem que considere fraco e tomar seu lugar, a fim de gerar um filho mais forte e mais digno. Há histórias que afirmam que na verdade os Biasd Na Srogaig são criaturas puras, que mantém distância dos humanos, principalmente daqueles considerados impuros.

Originalmente, a figura do Biasd Na Srogaig era utilizada como uma espécie de bicho-papão para assustar crianças, onde era dito que a criatura espetava com seu chifre e devorava aquelas que não se comportam. Com o tempo passou a ser tratado como uma criatura real, provavelmente por aqueles que cresceram ouvindo histórias sobre ele.


fontes:

Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

25 de setembro de 2020

Os Três Galos do Ragnarok

۞ ADM Sleipnir

Arte de Chase Stone

De acordo com a mitologia nórdica, durante o Ragnarok (série de eventos que irão culminar no fim do mundo; clique no nome para saber mais), três galos serão responsáveis por cantar ao mesmo tempo e despertar os três principais grupos (os Aesir e seu exército de guerreiros, os gigantes e Hel com sua horda de mortos) para a batalha final. 

Um galo dourado chamado Gullinkambi ("Crista dourada") cantará em Valhala, sinalizando para Odin e os demais deuses o início da batalha. Em Gálgviðr, uma floresta localizada em Jotunheim, terra dos gigantes, um galo vermelho chamado Fjalar ("enganador") cantará alertando os gigantes sobre o iminente conflito. Por último em Helheim, terra dos mortos, outro galo vermelho (não nomeado nos Eddas) cantará para Hel, que então convocará seu exército de mortos para partir rumo à planície Vigrid, palco do conflito final.

Arte de trestaure

fontes:
Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

23 de setembro de 2020

Gancanagh

۞ ADM Sleipnir

Arte de erinclaireb

Gancanagh (do irlandês gean cánach, literalmente “locutor do amor”, também conhecido como Ganconer, Geancanach) é uma espécie de fada masculina pertencente a mitologia irlandesa/escocesa, sendo conhecido por seduzir mulheres humanas (geralmente pastoras de rebanho ou amas de leite). Costuma ser descrito como sendo semelhante a um Leprechaun (outro tipo de fada irlandesa), vestido de maneira elegante, fumando um cachimbo de barro (chamado de dudeen) e usando um chapéu de fazendeiro.

Através de um potente feromônio secretado pela sua pele, o Gancanagh atrai a mulher que ele desejar até sua localização, geralmente no meio das florestas, e com uma voz encantadora sussurra palavras sedutoras em seus ouvidos. Após ter relações com uma mulher o Gancanagh desaparece, deixando-a num estado de depressão e abstinência tão profundos que a mesma acaba morrendo. Além disso, qualquer um, seja homem ou mulher, que encontra um Gancanagh pode ser acometido por uma terrível má sorte.

Uma forma de saber se há um Gancanagh por perto é notar que os pássaros param de cantar na sua presença. Dizem também que não possuem uma sombra, portanto pode ser identificado dessa forma. Como todas as fadas, um Gancanagh pode ser repelido com ferro. 


fontes:
Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

21 de setembro de 2020

Irshi

۞ ADM Sleipnir

Irshi (turco: İrşi) é uma espécie de espírito ou fada pertencente ao folclore turco. São geralmente descritos como tendo uma bela aparência humana, alados e dotados de poderes mágicos ou sobrenaturais. As histórias e lendas costumam retratá-las como tendo um temperamento maligno ou benigno.

Em algumas lendas, Irshi são vistos como seres descendentes de anjos caídos/demônios ou como "espíritos dos mortos, sendo propensos a aparecer durante a noite e sequestrar tanto bebês humanos (deixando changelings em seus lugares) quanto rapazes e moças. 

Em outras, Irshi são descritas como elegantes dançarinas, dotadas de um temperamento doce e gentil, e geralmente atuam como mentoras de alguém. Normalmente protegem um Tigin (príncipe) ou Begüm (princesa) e o herói da história, usando sua magia para ajudá-los ou apoiá-los.

Arte de tjota

Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

18 de setembro de 2020

Guariba-bóia

۞ ADM Sleipnir

Arte de Ícaro Maciel

Guariba-bóia é uma espécie de criatura com cabeça de macaco bugio (guariba) e o corpo de uma jibóia, que segundo histórias, habita em vários trechos do rio Amazonas e também em lagos próximos ao Rio Negro. Dizem que escavam túneis no fundo de rios turvos e se escondem na lama ou em matagais de plantas aquáticas. Anunciam sua presença com uivos altos e ressonantes que soam como uma bando inteiro de macacos bugios. Eles rugem debaixo d'água e seus chamados são particularmente altos nas noites de chuva.

Guariba-bóias podem atingir cerca de seis metros de comprimento, e embora não sejam tão grandes quanto as Boiunas, possuem presas pontiagudas e um veneno letal. A morte pela picada de uma guariba-bóia é rápida e dolorosa, após a qual ela engole sua vítima inteira. Não é comum procurarem por presas humanas, mas caso estejam com muita fome, Guariba-bóias são capazes de virar canoas e se alimentar de seus ocupantes.

fontes:

Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

16 de setembro de 2020

Shivini

۞ ADM Sleipnir
Shivini (também conhecido como Siuini, Artinis, Ardinis) era um deus solar na mitologia dos urartianos, povo pertencente ao antigo reino de Urartu. Urartu ficava localizado na região hoje conhecida como Planalto Armênio (entre a Ásia Menor, a Mesopotâmia e o Cáucaso), existindo durante a idade do Ferro (860 a.C. – 590 a.C.).

Shivini integrava uma importante tríade de divindades, ao lado de Khaldi/Haldi (deus da guerra e divindade suprema dos urartianos) e Theispas (divindade associada aos trovões e tempestades). Ele era geralmente retratado como um homem de joelhos, segurando um disco solar. Sua consorte era a deusa Tushpuea

Os deuses urartianos eram muitos deles adotados e/ou mesclados com divindades hurritas e de outras culturas. Shivini, em particular, é associado ao deus mesopotâmico Shamash

Arte de Andranik88
Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos
Ruby