24 de novembro de 2020

Kopuvai

۞ ADM Sleipnir

Arte de Angus McBride

Kopuvai (maori Kōpūwailiteralmente "barriga inchada de água" ou " engolidor de  água") é um maero (uma espécie de povo sobrenatural dito ter habitado a Nova Zelândia em tempos antigos) pertencente à mitologia maori, descrito como um gigante com cabeça de cachorro e um corpo humano porém coberto por escamas. Dizem que ele habitava uma caverna próxima ao rio Mata-Au, onde mantinha e criava uma matilha de ferozes cães de duas cabeças. Acompanhado de seus cães, Kopuvai costumava vasculhar a vizinhança em busca de alimento, e a iguaria favorita dele e de seus cães eram os humanos.

Uma história conta sobre uma ocasião onde Kopuvai encontrou um grupo de pessoas na região de Kaitangata e matou todos eles, exceto uma jovem chamada Kaiamio, a qual ele tomou como sua escrava.

Por mais apavorante que fosse, Kopuvai possuía uma fraqueza: os ventos quentes do noroeste o deixavam com sono. Kopuvai era ciente de sua fraqueza, e sabia que assim que ele adormecesse, Kaiamio tentaria escapar. Sempre que se sentia sonolento, Kopuvai amarrava uma corda de linho em seu braço e no braço de Kaiamio, para que caso ele ou ela o movesse, ele saberia que ela ainda estava lá. Apesar disso, Kaiamio foi capaz de enganá-lo e escapar. Ela desamarrou a corda em seu braço e a amarrou a uma planta próxima, de modo que, quando Kopuvai se mexia, ele sentia a corda ir e voltar, como se sua escrava estivesse amarrada a ele.

Quando Kopuvai acordou e viu que Kaiamio havia fugido, ficou furioso. Ao procurá-la, ele sentiu o seu cheiro no vento ao longo do rio Mata-Au. Foi então que Kopuvai fez jus ao significado de seu nome: tentando recapturá-la, ele engoliu tanta água do rio que seu leito ficou seco por algum tempo. O movimento de Kopuvai foi em vão, pois Kaiamio já havia conseguido chegar em sua casa no litoral. 

Com a intenção de se vingar de Kopuvai, ela retornou até a sua morada, porém desta vez acompanhada por um grupo de guerreiros. Eles esperaram por um vento noroeste para colocar Kopuvai para dormir. Quando o vento chegou, os guerreiros bloquearam a frente da caverna do gigante com samambaias e as acenderam. A fumaça acordou Kopuvai e ele tentou escapar por um buraco no telhado da caverna. Assim que ele saiu, os guerreiros o agarraram e o espancaram até a morte. Diz a lenda que após a morte de Kopuvai, seu corpo se tornou uma rocha hoje conhecida como Old Man Rock (Pedra do Velho). A área ao redor da rocha é a Reserva Histórica Kopuwai.


fontes:
Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

28 de outubro de 2020

Carcolh

۞ ADM Sleipnir

Arte de Feig

Carcolh ("Caracol", mais conhecido como Lou Carcolh, "O Caracol") é uma criatura mítica pertencente ao folclore da Gasconha (região no sudoeste da França que foi parte da "Província de Guiena e Gasconha" antes da Revolução Francesa), dita habitar em uma rede de cavernas localizada na comuna francesa de Hastingues.

Ela é descrita como tendo uma aparência híbrida entre uma serpente e um molusco, possuindo um grande e viscoso corpo serpentino e com uma enorme concha nas costas. Sua boca é cercada por vários tentáculos longos, peludos e cobertos de limo, sendo capazes de se estender (segundo alguns relatos) por quilômetros para capturar e arrastar até ela qualquer ser vivo que ousasse se aproximar de sua morada. Antes de devorar sua vítima, o Carcolh a esmaga contra sua dura concha, amaciando-a para facilitar a mastigação.

Arte de Traci Shepard

Por onde passa, o Carcolh deixa uma trilha de limo viscoso, e avistar essa trilha é um importante sinal para correr para bem longe, pois mesmo que a criatura não esteja por perto, seus tentáculos possuem um longo alcance.

Dizem que muitas vítimas da criatura foram pessoas que se aventuraram nas cavernas em busca de tesouros, escondidos no passado pelos habitantes de Hastingues antes da Invasão Espanhola. Curiosamente, não existe nenhuma referência na literatura e tradição oral mencionando o Carcolh anterior ao século XX. Também fazem mais de 50 anos que não surgem novos relatos acerca da criatura. Para muitos esse é um sinal de que o Carcolh morreu, mas os menos otimistas preferem acreditar que a criatura está viva, em uma profunda hibernação esperando por sua próxima vítima.

Arte de Ludovico Tellatin

fontes:

Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

26 de outubro de 2020

Daligmata

۞ ADM Sleipnir

Arte de Ariel Manalo Cabral

Daligmata ("visão rápida" na língua manobo) é uma criatura ou espírito pertencente ao folclore filipino, em especial no arquipélago das Visayas, na região Bicol e na cultura Manobo. Ela é descrita como uma espécie de animal quadrúpede com o corpo coberto por inúmeros olhos brilhantes. Daligmata é tido como um espírito gentil e benévolo, e que pode ajudar as pessoas a encontrarem algo que tenham perdido. Um babaylan (uma espécie de xamã filipino) pode usar um Daligmata como um assistente na recuperação de almas perdidas, através de uma cerimônia conhecida como gudguden. 

De acordo com o folclore e as crenças locais, acredita-se que as almas de pessoas com doenças terminais foram roubadas por algum espírito maligno e por causa disso elas estão à beira da morte. O babaylan então entra em transe e visita o mundo espiritual, onde o Daligmata vive, e o ordena que recupere a alma do doente, passando-lhe também todas as informações para que o Daligmata saiba qual alma deve recuperar. Uma vez que o Daligmata recupera a alma do enfermo, ele e o babaylan devolvem a alma ao corpo do mesmo, curando-o.

Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

23 de outubro de 2020

Kani-oni

۞ ADM Sleipnir

Kani-oni (japonês 蟹鬼, "demônio caranguejo) é um de doze yokais ilustrados no Bakemono Tsukushi Emaki (japonês 化け物尽くし絵巻, literalmente "pergaminho ilustrado com toda sorte de monstros"), de autoria desconhecida e pintado por volta do ano 1820. Ele foi ilustrado como um caranguejo com um par de chifres e um rosto que lembra um rosto humano. Sua boca possui presas negras e seus olhos parecem estar girando em direções opostas. 

Infelizmente, fora essa ilustração, não existe nenhuma informação adicional ou história a respeito deste e de outros yokais ilustrados neste pergaminho.


fontes:

Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

19 de outubro de 2020

Menhit

۞ ADM Sleipnir

Arte de ArnNormand

Menhit (também conhecida como Menhet, Menchit ou Menkhet) era uma antiga deusa da guerra originária da Núbia e absorvida pelo panteão egípcio. Seu nome significa “aquela que sacrifica”, mas ela também era conhecida como “a matadora” ou "aquela que massacra". Menhit era geralmente retratada como uma mulher com cabeça de leão usando um cocar adornado com um disco solar e um uraeus.

Como uma deusa da guerra, Menhit era a protetora dos faraós e de seus exércitos. Acreditava-se que ela liderava as tropas dos faraós durante as batalhas, disparando flechas de fogo contra os inimigos e garantindo o sucesso das batalhas. Por causa de seu caráter muito agressivo e guerreiro, ela às vezes é conhecida como a deusa dos leões.

Arte de RoyalAnubis


Associações com outros deuses

Menhit foi associada a Neith (outra deusa da guerra) na cidade de Esna e também foi associada ao “Olho de Ra” (e portanto com Tefnut, Sekhmet Hathor). No Alto Egito, ela era adorada como consorte de Khnum e mãe de Heka (Hike), onde juntos formavam a Tríade de LatópolisSeu centro de culto era localizado na cidade de Latópolis, perto da fronteira sul do Egito, onde tornou-se intimamente associada a outra deusa da guerra, Sekhmet, por causa de seu dever e aparência. Quando o Alto e o Baixo Egito se uniram, Menhit se tornou um aspecto de Sekhmet.

Em Tinis, Menhit era tida como consorte de Anhur. Em Heliópolis, ela foi identificada com Ísis e em Leotópolis ela foi considerada um aspecto de Tefnut. Na verdade, é provável que a história em que Tefnut foge para Núbia e é trazida de volta por Shu e Thoth foi escrita originalmente sobre Menhit e Anhur (particularmente porque o nome deste último significa "aquele que trouxe de volta a Distante").

Arte de Ashley Murphy

fontes:

Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

15 de outubro de 2020

Javali de Erimanto

۞ ADM Sleipnir

Arte de CharlottaBavholm

O Javali de Erimanto (do grego Ὑς Ερυμανθιος) era na mitologia grega um monstruoso javali que habitava o monte Erimanto, na Arcádia. Segundo a lenda, todos os dias ele descia o monte e assolava a vizinhança, arruinando plantações e destruindo tudo o que encontrava pelo caminho. Era capaz de provocar abalos sísmicos e, com suas presas, era capaz de arrancar árvores enormes pela raiz e dilacerar homens ou animais que cruzassem o seu caminho.

Arte de kgphee

No quarto dos seus famosos doze trabalhos, o herói Héracles recebeu do rei Euristeu a missão de capturá-lo vivo e trazê-lo até a sua presença. Héracles expulsou o javali de seu esconderijo no topo do monte Erimanto aos berros, perseguiu-o através da neve que cobria a região e cansou-o até que pudesse ser capturado. Depois disso, Héracles colocou o javali sobre os ombros e levou-o até o palácio de Euristeu, em Micenas. Ao ver o monstro, Euristeu foi tomado de pavor e escondeu-se numa grande ânfora que mantinha no palácio para esconder-se em caso de perigo.


fontes:

Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos
Ruby