23 de setembro de 2016

La Condena

۞ ADM Sleipnir


La Condena ("A Condenada") é um espírito maligno pertencente ao folclore chilota. É descrito como tendo a aparência de uma mulher de meia-idade, com uma aparência grotesca e assustadora. A lenda conta que La Condena foi uma mulher muito bela e de origem nobre, que gastou sua fortuna levando uma vida desregrada, entregando-se aos vícios e aos prazeres sexuais. Após sua morte, essa mulher se transformou em um espírito que persegue e assombra os homens, agindo como uma súcubo. Apesar de sua aparência horrível, aqueles perseguidos por ela não conseguem resistir ao seu assédio.

O folclore chilota também possui outra personagem semelhante a La Condena, chamada Fiura. Ela é fruto das relações sexuais entre La Condena e o duende Trauco, e possui basicamente as mesmas características da mãe.


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

22 de setembro de 2016

Herne, o Caçador

۞ ADM Sleipnir



Herne, o Caçador é um fantasma equestre associado à floresta de Windsor, na Inglaterra. Ele é considerado um caçador divino, e foi visto em suas caçadas selvagens ostentando um par de chifres na cabeça e empunhando um arco de madeira, montando um cavalo preto e poderoso, acompanhado por uma matilha de cães. Os mortais que tiverem o azar de cruzar seu caminho durante sua caçada selvagem serão levados por ele, e tornarão-se destinados a permanecerem ao seu lado por toda a eternidade. Herne é visto como um prenúncio de mau agouro, especialmente pela família real. Segundo a lenda local, Herne aparece na floresta de Windsor somente quando necessário, como em tempos de crise nacional.

Sua figura costuma ser associada ao deus wiccano Cernunnos, devido aos seus atributos de caçador e também por sua aparência que remete ao deus. 




Lenda

Segundo o folclore inglês, Herne foi um caçador que um dia serviu ao rei Ricardo II (que reinou entre 1377 e 1399), com quem contraiu uma grande amizade. Um dia enquanto caçava, o rei caiu de seu cavalo e foi atacado por um cervo branco. O cervo tentou atacá-lo, mas Herne corajosamente entrou na frente do rei, salvando sua vida, porém sendo fatalmente ferido pelos chifres do cervo. O rei ofereceu uma enorme recompensa para quem conseguisse salvar a vida de Herne, mas os outros caçadores - que tinham ciúmes da habilidade e da graça de Herne para com o rei - estavam felizes em vê-lo morrer. 

Em seguida um misterioso homem chamado Philip Urswick apareceu montando um cavalo negro e se ofereceu para salvar Herne. Ele o levou para sua cabana, onde fixou os chifres do cervo à cabeça de Herne. Em troca da cura, Philip avisou a Herne que ele teria que abdicar de suas habilidades como caçador, e que ele também deveria manter os chifres do animal sobre a sua cabeça para que a magia de cura pudesse fazer efeito. Apesar da tristeza por não poder fazer o que tanto amava, Herne ficou satisfeito com o agradecimento do rei assim como sua amizade. 



Após um mês, Herne parecia ter se recuperado completamente, até que se tornou evidente que suas habilidades de caça tinham desaparecido.  Em algumas versões da lenda, Herne perde sua posição de chefe de caça, por não poder mais cumprir adequadamente suas funções, e em outras, ele é acusado de roubo por alguns dos outros caçadores (que tinham ciúmes de suas habilidades e queriam se livrar dele), sendo condenado pelo rei a perder tudo o que possuía, bem como seus privilégios. 

Profundamente magoado com a injustiça cometida contra ele, Herne foi até o único lugar onde se sentia realmente em casa, a Floresta de Windsor. Ele foi encontrado no dia seguinte ao seu sumiço, morto pendurado em um solitário carvalho. Desde então, muitos são os relatos de pessoas que dizem terem visto um homem com enormes chifres de cervo, andando pelas matas ou sentado aos pés de um velho carvalho. Outros afirmam terem visto um homem com chifres montando um enorme cavalo.

Segundo uma versão da lenda, Herne não teria ficado sozinho na floresta, mas, teria feito seus caluniadores de reféns após a morte. Esses homens que foram diretamente responsáveis pela sua desgraça e suicídio, agora, na morte, tornaram-se seus vassalos e empregados.


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

Portal no Youtube: Caos

۞ ADM Sleipnir

Nosso vídeo falando sobre Caos, a divindade primordial da mitologia grega que precedeu todas as outras. Inscrevam-se em nosso canal, e se gostarem do vídeo, qualifiquem-o e compartilhem-o nas redes sociais!





Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

21 de setembro de 2016

Mushdamma

۞ ADM Sleipnir
Arte de Feig Felipe Pérez
Mushdamma (ou Musdamma), chamado de "O grande construtor de Enlil", é um deus menor da mitologia sumério/mesopotâmica, encarregado das construções e fundações. 

A participação desse deus nos mitos sumérios se resume a sua ajuda na organização do mundo, feita por Enki sob as ordens de Enlil. Enki reuniu um grupo de divindades e atribuiu a cada um uma tarefa. Mushdamma foi o responsável por construir todas as casas e templos do mundo.
Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

20 de setembro de 2016

Portal no Youtube: Ymir

۞ ADM Sleipnir

Nosso vídeo falando sobre Ymir, o gigante de gelo primordial da mitologia nórdica. Inscrevam-se em nosso canal, e se gostarem do vídeo, qualifiquem-o e compartilhem-o nas redes sociais!

Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

Mão da Glória

۞ ADM Sleipnir


A Mão da Glória é um dos artefatos mágicos que curiosamente tem seu uso documentado, em autos inquisitoriais e em acusações de roubo pela Europa. De fato, ninguém muito decente teria uso para uma Mão da Glória, um objeto cuja história está ligada a algumas feiticeiras e a um grande número de ladrões. Suas primeiras citações datam de 1440, mas o nome Mão da Glória foi citado só a partir de 1770. O nome originalmente designava um pedaço de raiz de mandrágora (em francês: maindeglorie), uma raiz muito conhecida em magia, e que guarda semelhanças com o corpo humano. Basicamente, a Mão da Glória é uma mão humana seca, retirada de um enforcado, cujos dedos estão posicionados para segurar uma vela. Essa vela, quando acesa dentro de uma casa com o devido encantamento, gera dois efeitos: sua luz só serve para seu portador, e impede que qualquer um dormindo na casa desperte. Para um ladrão, é realmente a glória: nada para interromper, um tipo de crime perfeito. Mas como um amuleto nunca é conseguido de maneira fácil, para conseguir uma mão da glória não basta decepar a mão do primeiro enforcado que vir...O corpo tem de estar morto a menos de vinte e quatro horas, e em um pátibulo na beira de uma estrada.


A mão devia ser separada do corpo de um só golpe. Nesse momento também se pegaria cabelo e gordura do cadáver, para produzir a vela que a mão segura. Então, a mão seria drenada de todo o sangue, usando para isso um pedaço de tecido de mortalha, e mergulhada em uma mistura de sal, salitre, amônia, pimenta, e outras especiarias , e guardada por duas semanas em um recipiente de terracota (um tipo de cerâmica). Depois disso, ela ficaria secando ao sol nos dias mais quentes do ano, ou, na falta disso, em um forno, onde junto seria queimado verbena e abeto.A mão seria então moldada como um punho, onde se encaixaria a vela, feita com gordura humana, cera virgem de abelha e óleo de gergelim. O cabelo do enforcado serve para fazer o pavio.Uma vez dentro da casa onde planejava o assalto, bastava ao possuidor pronunciar um determinado verso enquanto a acendia, e ninguém que estivesse adormecido na casa poderia despertar. Além dessa propriedade mágica, a vela poderia ser até mesmo mergulhada na água sem se apagar: apenas leite fresco, sangue ou a vontade do seu dono pode apagar a chama da vela, que igualmente, queima sem se consumir. O Museu Whitby, na Inglaterra, possui uma Mão da Glória em sua coleção.


fonte do texto:
Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!