17 de fevereiro de 2020

Zhuhuai

۞ ADM Sleipnir


Zhuhuai (chinês: 諸懷 ou 诸怀) é uma besta da mitologia chinesa, descrita no Shan Hai Jing (chinês 山海經, "Clássico das montanhas e mares") como sendo semelhante a um boi, porém possuindo quatro chifres, um par de olhos humanos e orelhas de porco. Além disso, reproduz um som semelhante ao de um ganso.

Dito habitar a montanha Bei Yushan, Zhuhuai é relatado como sendo uma criatura predatória, conhecida por caçar seres humanos e se alimentar deles. Em muitos aspectos, Zhuhuai se assemelha a outra criatura citada no Shan Hai Jing, o Aoyin.


Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

12 de fevereiro de 2020

Ramiel

۞ ADM Sleipnir


Ramiel (hebreu: רעמיאל, "Trovão de Deus" ou "Misericórdia de Deus"; também chamado Ramael, RemielJeremiel, Fanuel, Uriel, Yerahmeel é um dos vigias caídos (também chamados Grigori ou Vigilantes), de acordo com o apócrifo Livro de Enoque. De acordo com traduções posteriores, ele é um dos 20 anjos líderes dentre 200 anjos caídos, sendo mencionado como o sexto. Esses 200 anjos caíram após abandonarem sua habitação original no céu e descerem à terra, acasalando com as filhas dos homens e gerando a raça dos Nephilins.

Além do Livro de Enoque, Ramiel é citado em outras obras apócrifas. Em II Baruque, Ramiel é o anjo que traz visões divinas para os vivos e interpreta a visão apocalíptica de Baruque, dando ao profeta a visão da vitória sobre o exército de Senaqueribeum rei assírio que causou estragos em Babilônia e Judá por volta de 701 a.C. Já no Apocalipse de Baruque, ele é o anjo que destrói o exército (Miguel, Gabriel, Uriel e outros anjos também são creditados por esse ato). Ramiel descreve o Messias para Baruque como sendo um "relâmpago brilhante". 

Nos Oráculos Sibilinos, Ramiel é descrito como sendo um dos cinco anjos que levam as almas ao julgamento; os outros são Uriel, Arakiel, Samael e AzielEle é frequentemente confundido com Azazel, que também é chamado de Ramiel, mas não se tratam do mesmo anjo.

Arte de YouYanagawa
fontes:

Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

10 de fevereiro de 2020

Chancha Con Cadenas

۞ ADM Sleipnir

Chancha Con Cadenas (espanhol; "Porca com Correntes"), também conhecida como Chanco de Lata ("Porco de Lata") é uma criatura pertencente ao folclore argentino,dita se esconder nas cidades ribeirinhas e favelas de Buenos Aires e Córdoba. 

Conta-se que se trata  de uma enorme porca enrolada em correntes, e que costuma percorrer os trilhos da ferrovia e as linhas de telégrafo, provocando um barulho ensurdecedor conforme suas correntes batem no metal dos mesmos. No entanto, assim que uma pessoa resolve olhar e procurar a fonte do barulho, a criatura desaparece.

Arte de Acetico


fonte:
  • Encyclopedia of Beasts and Monsters in Myth, Legend and Folklore, de Theresa Bane.
Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

7 de fevereiro de 2020

Boroka

۞ ADM Sleipnir

Arte de Jonathan Valiente

Boroka
(ou Buruka) é uma espécie de criatura antropófaga pertencente ao folclore filipino, em particular na região de Ilocos. Seu nome parece ser uma corruptela do espanhol bruja ("bruxa"). De fato, a Boroka é descrita como sendo uma bruxa, sendo durante o dia uma mulher incrivelmente bela. Porém, ao cair da noite ela se transforma em uma criatura semelhante a uma harpia, conservando sua cabeça e torso humanos, mas ganhando um par de asas, garras afiadas nas mãos e a parte traseira do corpo se tornando na de um cão ou cavalo.

Nesta forma híbrida, a Boroka vaga durante a noite em busca de seu alimento, essencialmente seres humanos, porém preferindo crianças (em especial suas vísceras). Em outras regiões das Filipinas, essa criatura costuma ser comparada ou sincretizada com outras similares, como Aswang, Mannanagal, Mansalauan, dentre outras.

Arte de Charisse 'Dadis' Melliza

fontes:
Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

5 de fevereiro de 2020

Antero Vipunen

۞ ADM Sleipnir



Antero Vipunen (também Antero Wipunen ou Wipanen) é um gigante oriundo da mitologia finlandesa, mencionado na canção dezessete do Kalevala, a saga nacional da Finlândia, compilado e escrito no século XIX por Elias Lonnrot. Ele era tão grande que usou a terra como cobertor quando ele se deitou no submundo, Tuonela, para dormir. Ao longo do tempo árvores e vegetação cresceram nele e em seu sono ele absorveu os segredos da natureza.

Antero Vipunen é conhecedor de todos os segredos da terra, incluindo seu folclore, magia e canções. Ele era renomado em todo o país por sua sabedoria, apesar de ter a reputação de ser um devorador de homens.




Participação no Kalevala

Certa vez o deus-herói Väinämöinen começou a construir um barco, o qual usaria para chegar em Pohjola, a Terra do Norte. Ele tinha conseguido com o deus Tapio quase toda a madeira necessária para terminar o mesmo, porém a magia que ele estava usando para construí-lo estava incompleta, faltando 3 luotes (palavras mágicas). Depois de procurar em vão as palavras entre pássaros e animais, Väinämöinen viajou para Tuonela, a terra dos mortos. Lá, ele ficou sabendo que as palavras mágicas que ele tanto precisava estavam sob a posse do gigante Antero Vipunen, e Väinämöinen foi procurá-lo.

Arte de Tero Porthan
Ao encontrar Antero Vipunen, Väinämöinen logo se propôs a acordá-lo de seu longo sono no subsolo. Ele abriu a boca do gigante tentando força-lo a falar, mas acabou escorregando e caindo dentro dela, indo parar no estômago. Não desejando permanecer dentro do gigante, Väinämöinen construiu uma forja em seu interior, e começou a bater com seu martelo, causando uma intensa dor nele. Väinämöinen exigiu de Antero Vipunen as palavras mágicas que precisava como pagamento pela parada da forja, e o gigante as forneceu. Com elas, Väinämöinen completou sua magia e assim pode terminar seu barco.


Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos

3 de fevereiro de 2020

۞ ADM Sleipnir



é o personagem principal do Livro de Jó na Bíblia. Na literatura rabínica, Jó é chamado de um dos profetas dos gentios. No Islã, Jó também é considerado um profeta. Jó é apresentado como um homem de família bom e próspero, e a Bíblia indica que a sua prosperidade e a boa sorte geral são uma recompensa por sua bondade e crença em Yahweh (nome em hebraico do Deus bíblico). No entanto, em uma reunião entre Yahweh e seus conselheiros celestes, Satanás questiona a fé de Jó, alegando que ele só era fiel por causa das muitas bênçãos que desfruta. Satanás também sugere que se Jó sofresse algum infortúnio, ele amaldiçoaria Yahweh tão prontamente como agora o louva. Satanás desafia Yahweh a testar a fé de Jó, e o mesmo aceita o desafio.


Com a permissão de Yahweh, Satanás inflige inúmeros e terríveis infortúnios em Jó. Ele mata os filhos de Jó e faz com que ele perca toda a sua riqueza, porém a crença de Jó na bondade de Yahweh permanece inabalável. Esta demonstração de fé não convence Satanás, que diz que a dor física e o sofrimento fariam com que Jó abandonasse sua crença. Assim, Satanás faz com que Jó seja afligido com furúnculos dolorosos em todo o seu corpo, e ainda assim a sua fé permanece firme.

Neste ponto, três amigos visitam Jó, supostamente para consolá-lo explicando por que Yahweh estaria fazendo com que ele sofra. Eles sugerem que Jó deveria ter cometido algum pecado, pois Yahweh só castiga os ímpios. Sabendo que era um homem justo, Jó se recusa a aceitar seus argumentos. Finalmente, Jó pede a Yahweh que acabe com o seu sofrimento e pede-lhe que explique por que está atormentando um bom homem. 



Por fim, Yahweh aparece diante de Jó em toda a sua glória, dominando-o com sua magnificência. Ele passa a questionar Jó sobre os mistérios do universo. Quando Jó não consegue lhe responder, Yahweh lhe pergunta como ele esperava entender a vontade do Todo-Poderoso se ele não podia explicar o funcionamento da natureza. Jó aceita essa resposta e renova sua fé em Yahweh, que o recompensa restaurando sua saúde e prosperidade.

No final, Yahweh não oferece nenhuma resposta à questão de por que os inocentes deveriam sofrer. Em vez disso, o Livro de Jó entrega a mensagem de que é preciso acreditar na bondade de Yahweh, mesmo diante de punições aparentemente injustas.

Apoie nosso trabalho! Deixe um comentário, dê sugestões, elogie, critique. Mantenha o blog vivo. Siga-nos também no instagram @portaldosmitos
Ruby