28 de outubro de 2020

Carcolh

۞ ADM Sleipnir

Arte de Feig

Carcolh ("Caracol", mais conhecido como Lou Carcolh, "O Caracol") é uma criatura mítica pertencente ao folclore da Gasconha (região no sudoeste da França que foi parte da "Província de Guiena e Gasconha" antes da Revolução Francesa), dita habitar em uma rede de cavernas localizada na comuna francesa de Hastingues.

Ela é descrita como tendo uma aparência híbrida entre uma serpente e um molusco, possuindo um grande e viscoso corpo serpentino e com uma enorme concha nas costas. Sua boca é cercada por vários tentáculos longos, peludos e cobertos de limo, sendo capazes de se estender (segundo alguns relatos) por quilômetros para capturar e arrastar até ela qualquer ser vivo que ousasse se aproximar de sua morada. Antes de devorar sua vítima, o Carcolh a esmaga contra sua dura concha, amaciando-a para facilitar a mastigação.

Arte de Traci Shepard

Por onde passa, o Carcolh deixa uma trilha de limo viscoso, e avistar essa trilha é um importante sinal para correr para bem longe, pois mesmo que a criatura não esteja por perto, seus tentáculos possuem um longo alcance.

Dizem que muitas vítimas da criatura foram pessoas que se aventuraram nas cavernas em busca de tesouros, escondidos no passado pelos habitantes de Hastingues antes da Invasão Espanhola. Curiosamente, não existe nenhuma referência na literatura e tradição oral mencionando o Carcolh anterior ao século XX. Também fazem mais de 50 anos que não surgem novos relatos acerca da criatura. Para muitos esse é um sinal de que o Carcolh morreu, mas os menos otimistas preferem acreditar que a criatura está viva, em uma profunda hibernação esperando por sua próxima vítima.

Arte de Ludovico Tellatin

fontes:

NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

26 de outubro de 2020

Daligmata

۞ ADM Sleipnir

Arte de Ariel Manalo Cabral

Daligmata ("visão rápida" na língua manobo) é uma criatura ou espírito pertencente ao folclore filipino, em especial no arquipélago das Visayas, na região Bicol e na cultura Manobo. Ela é descrita como uma espécie de animal quadrúpede com o corpo coberto por inúmeros olhos brilhantes. Daligmata é tido como um espírito gentil e benévolo, e que pode ajudar as pessoas a encontrarem algo que tenham perdido. Um babaylan (uma espécie de xamã filipino) pode usar um Daligmata como um assistente na recuperação de almas perdidas, através de uma cerimônia conhecida como gudguden. 

De acordo com o folclore e as crenças locais, acredita-se que as almas de pessoas com doenças terminais foram roubadas por algum espírito maligno e por causa disso elas estão à beira da morte. O babaylan então entra em transe e visita o mundo espiritual, onde o Daligmata vive, e o ordena que recupere a alma do doente, passando-lhe também todas as informações para que o Daligmata saiba qual alma deve recuperar. Uma vez que o Daligmata recupera a alma do enfermo, ele e o babaylan devolvem a alma ao corpo do mesmo, curando-o.

NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

23 de outubro de 2020

Kani-oni

۞ ADM Sleipnir

Kani-oni (japonês 蟹鬼, "demônio caranguejo) é um de doze yokais ilustrados no Bakemono Tsukushi Emaki (japonês 化け物尽くし絵巻, literalmente "pergaminho ilustrado com toda sorte de monstros"), de autoria desconhecida e pintado por volta do ano 1820. Ele foi ilustrado como um caranguejo com um par de chifres e um rosto que lembra um rosto humano. Sua boca possui presas negras e seus olhos parecem estar girando em direções opostas. 

Infelizmente, fora essa ilustração, não existe nenhuma informação adicional ou história a respeito deste e de outros yokais ilustrados neste pergaminho.


fontes:

NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

19 de outubro de 2020

Menhit

۞ ADM Sleipnir

Arte de ArnNormand

Menhit (também conhecida como Menhet, Menchit ou Menkhet) era uma antiga deusa da guerra originária da Núbia e absorvida pelo panteão egípcio. Seu nome significa “aquela que sacrifica”, mas ela também era conhecida como “a matadora” ou "aquela que massacra". Menhit era geralmente retratada como uma mulher com cabeça de leão usando um cocar adornado com um disco solar e um uraeus.

Como uma deusa da guerra, Menhit era a protetora dos faraós e de seus exércitos. Acreditava-se que ela liderava as tropas dos faraós durante as batalhas, disparando flechas de fogo contra os inimigos e garantindo o sucesso das batalhas. Por causa de seu caráter muito agressivo e guerreiro, ela às vezes é conhecida como a deusa dos leões.

Arte de RoyalAnubis


Associações com outros deuses

Menhit foi associada a Neith (outra deusa da guerra) na cidade de Esna e também foi associada ao “Olho de Ra” (e portanto com Tefnut, Sekhmet Hathor). No Alto Egito, ela era adorada como consorte de Khnum e mãe de Heka (Hike), onde juntos formavam a Tríade de LatópolisSeu centro de culto era localizado na cidade de Latópolis, perto da fronteira sul do Egito, onde tornou-se intimamente associada a outra deusa da guerra, Sekhmet, por causa de seu dever e aparência. Quando o Alto e o Baixo Egito se uniram, Menhit se tornou um aspecto de Sekhmet.

Em Tinis, Menhit era tida como consorte de Anhur. Em Heliópolis, ela foi identificada com Ísis e em Leotópolis ela foi considerada um aspecto de Tefnut. Na verdade, é provável que a história em que Tefnut foge para Núbia e é trazida de volta por Shu e Thoth foi escrita originalmente sobre Menhit e Anhur (particularmente porque o nome deste último significa "aquele que trouxe de volta a Distante").

Arte de Ashley Murphy

fontes:

NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

15 de outubro de 2020

Javali de Erimanto

۞ ADM Sleipnir

Arte de CharlottaBavholm

O Javali de Erimanto (do grego Ὑς Ερυμανθιος) era na mitologia grega um monstruoso javali que habitava o monte Erimanto, na Arcádia. Segundo a lenda, todos os dias ele descia o monte e assolava a vizinhança, arruinando plantações e destruindo tudo o que encontrava pelo caminho. Era capaz de provocar abalos sísmicos e, com suas presas, era capaz de arrancar árvores enormes pela raiz e dilacerar homens ou animais que cruzassem o seu caminho.

Arte de kgphee

No quarto dos seus famosos doze trabalhos, o herói Héracles recebeu do rei Euristeu a missão de capturá-lo vivo e trazê-lo até a sua presença. Héracles expulsou o javali de seu esconderijo no topo do monte Erimanto aos berros, perseguiu-o através da neve que cobria a região e cansou-o até que pudesse ser capturado. Depois disso, Héracles colocou o javali sobre os ombros e levou-o até o palácio de Euristeu, em Micenas. Ao ver o monstro, Euristeu foi tomado de pavor e escondeu-se numa grande ânfora que mantinha no palácio para esconder-se em caso de perigo.


fontes:

NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

12 de outubro de 2020

Ryomen-sukuna

۞ ADM Sleipnir

Arte de abarewanko

Ryomen-sukuna (japonês 両面宿儺, literalmente "Demônio de Duas Faces") é um personagem dito ter aparecido em tempos antigos na província de Hida, no Japão, durante o governo do Imperador Nintoku (entre os anos 313 e 399 d.C.). Histórias sobre ele são conflitantes, sendo visto nas histórias como um homem, como uma divindade, como um demônio ou espectro, entre outros.

De acordo com o Nihon Shoki ("Crônicas do Japão"), Ryomen-sukuna apareceu na província de Hida por volta do ano 377, ameaçando e saqueando a população. Ele foi descrito como tendo uma cabeça com duas faces, uma na frente e outra atrás de sua cabeça (lembrando o deus romano Jano), além de dois pares de braços (com os quais segurava um par de espadas, um arco e uma flecha) e pernas, sendo um par na frente de seu corpo e outro par nas costas. Sua altura varia conforme as descrições, desde 3 metros até um pouco mais de 50, mas o fato é que ele era muito mais alto que a média dos japoneses naquela época. Sukuna era ainda dotado de força sobre-humana, agilidade e inteligência.

Após Ryomen-sukuna se recusar a cumprir as diretivas imperiais, o Imperador Nintoku enviou o xogum Takefurukuma-no-mikoto (japonês 武振熊命) para derrotá-lo e expulsá-lo da província. As crônicas foram, de fato, escritas com o objetivo de legitimar a autoridade imperial. A campanha militar é, portanto, descrita como um ato de libertação, libertando o povo de Hida de um déspota do mal. As lendas populares locais, entretanto, relatam um ponto de vista diferente. Elas descrevem Ryomen-sukuna como um líder sábio e benevolente, que morreu defendendo seu povo de uma potência estrangeira invasora. Suas duas faces representam tanto o lado forte quanto o lado compassivo de sua personalidade. 

Uma famosa escultura local de Ryomen-sukuna esculpida em madeira mostra seu rosto de um lado com uma expressão ameaçadora, com as mãos segurando um arco e flecha, enquanto o outro lado mostra uma atitude pacífica e calma, as mãos cruzadas na frente do peito em um gesto de devoção. E embora o relato "oficial" no Nihon Shoki descreva Ryomen-sukuna empunhando duas espadas, as imagens locais invariavelmente o mostram segurando um machado, uma alusão às montanhas onde o mesmo vivia.

Uma teoria afirma que Ryomen-sukuna é na verdade um símbolo de irmãos gêmeos, referindo-se a Oousu no Mikoto e Ousu no Mikoto, um par de gêmeos na antiga história japonesa. Outra teoria afirma que Ryomen-sukuna se refere aos filhos do Imperador Chuai: Kagosaka no Miko e Oshikuma no Mikoto. Ambos os pares de irmãos estão profundamente relacionados com as províncias de Hida e Mino.

Ryomen-sukuna é considerado patrono do Templo Senko-ji e do Templo Zenkyu-ji em Nyukawa-cho, na cidade de Takayama, e dizem que ele teria introduzido o Budismo na província de Hida. Ryomen-sukuna também é adorado em muitos outros templos antigos nas províncias de Hida e Mino. 

Cultura Popular

Ryomen-sukuna aparece como um chefe no jogo Nioh 2, para Playstation 4. No mangá e anime Jujutsu Kaisen, é um dos principais antagonistas, considerado o "Rei das Maldições". 

fontes:

  • A Companion to the Anthropology of Japan, por Jennifer Robertson;
  • The Rousing Drum: Ritual Practice in a Japanese Community, por Scott Schnell;
  • https://enkumastercarverjapan.blogspot.com/2013/02/sukuna.html
NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

9 de outubro de 2020

Whintosser

۞ ADM Sleipnir

Arte de Traci Shepard

Whintosser é uma temível e agressiva espécie de criatura pertencente ao folclore lenhador norte-americano, dita viver em matilhas nas cordilheiras da costa da Califórnia. Sua aparência é bastante bizarra, possuindo um corpo num formato de prisma triangular, com uma cabeça numa base, uma cauda na outra e 2 pares de pernas em cada lateral do corpo, permitindo que a criatura ande de cabeça para baixo, de lado e no chão, além de se  manter estável durante terremotos. Sua cabeça gira para se adequar ao lado cuja as pernas estão tocando o chão.

Whintossers costumam causar problemas frequentes aos homens e são muito difíceis de matar. Qualquer que seja o método, seja atirando ou batendo neles, apenas aumentará sua fúria. A única forma efetiva de matar um Whintosser é forçá-lo a entrar em uma calha de água ativa. Uma vez preso, o Whintosser tentará andar em todas as direções, se despedaçando enquanto tenta escapar.

Histórias sobre os Whintossers surgiram no começo do século XX, em especial no ano de 1906, quando ocorreu o chamado Grande Terremoto de São Francisco.


fontes:
  • "The Central American Whintosser" from Fearsome Creatures of the Lumberwoods (1910) por William T. Cox
  • https://cryptidz.fandom.com
  • https://arcanebeastsandcritters.wordpress.com/2018/04/21/the-whintosser/

NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

5 de outubro de 2020

Mameleu

۞ ADM Sleipnir

arte de Elartwyne Estole

Mameleu (também conhecida como Nanreben ou Mamayloé uma gigantesca serpente marinha (ou dragão) presente no folclore filipino, dita atacar pescadores em noites de lua cheia. É geralmente descrita como tendo um corpo com um comprimento que varia dentre 30 a 200 metros, repleto de escamas largas e resistentes. Sua cabeça é comparada a de um búfalo asiático, possuindo um par de chifres e presas longas, e olhos vermelhos bastante assustadores, dos quais dizem que o Mameleu expele chamas (outras versões da lenda não especificam os olhos,  só afirmam que a criatura expele chamas).

Não é claro se existem múltiplos Mameleu ou somente um, mas supostos avistamentos da criatura por parte de pescadores foram feitos ao longo das décadas e em regiões diferentes das Filipinas.

Arte de ladysantos30

fontes:

NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

2 de outubro de 2020

Vepar

۞ ADM Sleipnir

Arte de Peyeyo

Vepar (também chamado Vephar ou Separ) é, de acordo com a demonologia, um grande duque do inferno, possuindo vinte e nove legiões de demônios sob o seu comando. De acordo com a Goetia, ele é o 42º dentre os 72 espíritos de Salomão. Quando conjurado, aparece na forma de uma sereia.

Vepar rege as águas e guia navios de guerra, podendo ocultá-los de seus inimigos. À pedido do magista, pode tornar o mar tempestuoso e agitado e fazer com que o mesmo pareça repleto de navios de guerra.

Ele também pode matar homens em três dias, afligindo-os com úlceras e feridas, apodrecendo-as e criando vermes nelas, porém caso seja desejo do magista que o conjurou, Vepar pode curá-los rapidamente.

Selo nº1 de Vepar


Selo nº 2 de Vepar


Cultura Popular

Assim como outros espíritos goetianos, Vepar aparece na franquia de jogos Shin Megami Tensei, além de aparecer em Final Fantasy XI online e como um boss em Bloodstained: Ritual of the Night.

No romance The Case of the Toxic Spell Dump ("O Caso do Despejo de Feitiços Tóxicos", de 1993) de Harry Turtledove, Vepar é um dos vários espíritos da água que haviam feito pactos com o corpo de bombeiros de Angels City.

No mangá e anime Magi: The Labyrinth of Magic, Vepar é um dos 7 djins pertencentes ao personagem Sinbad

Arte de Orioto
NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!
Ruby