Image Map

29 de janeiro de 2020

Melek Taus

۞ ADM Sleipnir



Melek Taus ( em árabe : ملك طاووس, em curdo: Tawusê Melek, "Anjo Pavão") é a figura central da religião dos Yazidis, uma antiga comunidade religiosa e étnica curda localizada principalmente no Iraque. Segundo os Yazidis, Melek Taus é o chefe de todos os anjos e / ou seres sagrados, ou mesmo o criador e governante do mundo e do universo, e geralmente é representado como um pavão. 

Nos mitos Yazidi, Melek Taus é um servo ou emanação de Deus, mas também acredita-se que ele se rebelou contra Deus, recusando-se a se curvar diante de Adão. Isso, juntamente com seu outro nome, aparentemente Shaitan, o levou a ser confundido com a figura islâmica Iblis, que por sua vez o confundiu com Satanás e Lúcifer. Mas, ao contrário de Satanás, Lúcifer ou Iblis, Melek Taus se arrependeu e não apenas restaurou seu status de anjo supremo, mas também se tornou uma figura demiúrgica que criou o mundo. Dizem que depois de seu arrependimento, ele chorou por 7.000 anos, e acredita-se que essas lágrimas tenham enchido sete jarros com os quais ele apagou o fogo do inferno.



História

A religião do povo yazidi é considerada um ramo de uma religião conhecida como Yazdanismo. O Yazdanismo é uma religião pré-islâmica praticada pelo povo curdo e é influenciado pela teologia zoroastriana e outras religiões mesopotâmicas, embora o Yazdanismo também seja considerado um nome para um grupo de religiões monoteístas curdas antigas, em vez de simplesmente uma religião inteira. 

Uma crença chave do Yazdanismo é que Deus (no sentido tradicional) é um ser absoluto e transcendental que abrange todo o universo e se manifesta através de sete seres divinos, um dos quais é Melek Taus (que também é o chefe desses seres) , a fim de sustentar a vida universal. 

Na tradição Yazidi, Melek Taus foi o primeiro desses seres angélicos a emergir da luz de Deus na forma de um arco-íris, que se bifurcou para formar ele e os outros seis seres angélicos, que agora juntos representam as sete cores do arco-íris (com Melek Taus representando o azul, a cor dos céus). Acredita-se também que esses anjos ocasionalmente encarnam neste mundo como seres humanos. Acredita-se que Melek Taus tenha encarnado como um homem chamado Sheikh Abi Idn Musafir, que é creditado como o fundador do Yazidismo (uma corrente menor do Yazdanismo).



Melek Taus é tradicionalmente representado pelo pavão, mas o pavão não é um animal nativo do Iraque. Acredita-se que o simbolismo do pavão se origine dos primeiros cristãos, que pensavam que o pavão representava imortalidade e / ou ressurreição por causa da crença de que a carne do pavão não se deteriorava após a morte.

O mito da queda e arrependimento de Melek Taus tem sido frequentemente confundido com o mito da queda de Iblis, conforme definido pela crença islâmica ortodoxa. No mito islâmico, Iblis era um ser criado por Deus (ou melhor, Alá, como ele é chamado no Alcorão), que se recusou a se curvar perante Adão, ao contrário dos demais anjos, então ele se rebelou contra Deus e seus anjos e foi derrotado; depois, ele se tornou conhecido como o líder dos djinn (ou demônios). Isso em si é paralelo ao mito cristão da queda de Lúcifer. No mito yazidi, Melek Taus também se recusou a se curvar ao primeiro humano e foi punido por isso, mas, ao contrário de Iblis, Melek Taus se arrependeu e continuou a criar o mundo. Esse mito, juntamente com sua teologia particular a respeito de Deus, freqüentemente leva os yazidis a serem julgados como adoradores do diabo e denunciados em conformidade por muçulmanos e cristãos. 




A identificação de Melek Taus com o nome Shaitan também pode ser parte do motivo pelo qual é considerado proibido na tradição Yazidi pronunciar o nome Shaitan em voz alta. É importante lembrar que, embora Melek Taus desafie ostensivamente a vontade de Deus, ele ainda é visto como um anjo de alto escalão e uma emanação de Deus, e não como um anjo caído ou demônio. Melek Taus simplesmente se tornou associado a Iblis, e consequentemente a Satanás, pelos muçulmanos. 

De qualquer forma, por causa de suas crenças particulares e idéias teológicas, os Yazidis freqüentemente enfrentam perseguição pelo Islã e outras tradições religiosas e são considerados como estando fora da categoria protegida de "Povo do Livro", que se refere a membros de religiões que seguem escrituras monoteístas relacionadas aos ensinamentos islâmicos. Isso levou o povo Yazidi a enfrentar ameaças de genocídio e massacre muitas vezes, e sua cultura a enfrentar ameaças de extermínio. Os Yazidis tem sido considerados adoradores do diabo desde o final do século XVI, mas a violência organizada contra eles na verdade remonta às campanhas do Império Otomano contra os Yazidis durante o século XIX. 


Na década de 1970, os Yazidis também sofreram sob o regime de Saddam Hussein, que arrasou aldeias e comunidades Yazidi e os forçou a se mudarem de suas cidades, o que perturbou suas comunidades rurais nas montanhas e seu estilo de vida. Mais recentemente, no ano passado, os Yazidis foram vítimas de uma campanha brutal realizada pelo Estado Islâmico, que matou brutalmente, escravizou ou exilou à força membros da comunidade Yazidi e capturou seu território. Pode-se argumentar que isso se deve à percepção de que eles são adoradores do diabo, mas, com o Estado Islâmico, qualquer pessoa que não se enquadre em suas opiniões religiosas se torna um alvo. 

Fora do Oriente Médio, os Yazidis também são incompreendidos como adoradores do diabo, mesmo na ficção, mas sua conexão com Satanás e o mistério de sua religião deram a Melek Taus alguma fama no ocultismo, e às vezes ele aparece nos círculos do Caminho da Mão Esquerda .




fontes: 

NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

7 comentários:

  1. Que mito incrível, nunca tinha ouvido falar dessa religião embora sempre se fale no povo Yazid

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante, nunca tinha ouvido falar. Fiquei sabendo vendo a história do Povo Yazid.

    ResponderExcluir
  3. Muito bem escrito.Gostei demais.

    ResponderExcluir
  4. Cara, caí aqui de para quédas, pesquisando por Melek Taus no Google e tenho que dizer: que blog lindo, esse seu! Bem ilustrado e textos bem escritos... Meus parabéns!

    ResponderExcluir
  5. O arrependimento de Melek Taus me tocou de forma muito pessoal. O fato dele ter chorado por 7000 anos e usado as lagrimas pra encher os vasos com que ele apagaria o fogo do inferno com certeza é algo que eu vou carregar na cabeça por muito tempo.
    Estava pesquisando sobre o povo yazidi e cheguei ate aqui. Muito legal ter notado que esse é o mesmo site em que eu lia mitos pra aprofundar o meu repertorio como preparação pra redação do ENEM há 5 ou 6 anos atrás. Muito grato pelo trabalho e feliz por saber que o site continua ativo.

    ResponderExcluir



Seu comentário é muito importante, e muito bem vindo, porém peço que evitem:

1) Xingamentos ou ofensas gratuitas ao autor e a outros comentaristas;
2)Comentários racistas, homofóbicos, xenófobos e similares;
3)Spam de conteúdo e divulgações não autorizadas;
4)Publicar referências e links para conteúdo pornográfico;
5)Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Comentários que inflijam um desses pontos estão sujeitos a exclusão.

De preferência, evite fazer comentários anônimos. Faça login com uma conta do Google, assim poderei responder seus comentários de forma mais apropriada, e de brinde você poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby