4 de maio de 2013

Chuva Vermelha de Kerala

#ADM Sleipnir

Ao longo da história, em muitos lugares no mundo houveram chuvas com coloração vermelha, em vez de clara. Cada vez que o evento ocorre, a razão para essa coloração difere. Às vezes pode ser explicada muito rapidamente, mas outras vezes com cada resposta vem mais perguntas. Tal como foi o caso, no estado indiano de Kerala, em 2001. Entre 25 de julho e 23 de setembro, em 2001, fortes torrentes de chuva vermelha foram notificadas em todo o estado. Às vezes, a chuva vermelha era muito isolada, ocorrendo sobre uma área muito pequena, enquanto ao redor, caia chuva clara regularmente . A primeira ocorrência aconteceu quando uma explosão muito forte foi ouvida, seguida por um clarão de luz. Como a chuva vermelha estava acabando com roupas e com a vida vegetal, as pessoas queriam respostas.

Inúmeros grupos de pesquisa começaram a trabalhar analisando a chuva vermelha, tentando determinar a causa do fenômeno. Foi determinado que a chuva, continha cerca de 90% de partículas sólidas de cor vermelha, compostas principalmente de carbono e oxigénio, e, em menor medida, hidrogénio, azoto, silício, cloro, dentre outros metais. As amostras de água foram então levadas ao Centre for Earth Science Studies (CESS), onde foram realizados estudos mais aprofundados. Depois de filtrar as partículas, a água da chuva foi considerada normal, exceto pelo fato de que não haviam sais dissolvidos presentes nela . J Thomas Brenna, da Universidade de Cornell também explorou as partículas descobertas na chuva e  foram identificadas dentro das partículas sete aminoácidos: fenilalanina, ácido glutâmico / glutamina, serina, ácido aspártico, treonina e arginina, e, essas partículas eram de origem vegetal, marinha ou terrestre. Mas de onde as partículas vermelhas vieram? É a esta questão que ainda tem de ser dada uma resposta definitiva.


A primeira hipótese colocada pelo CESS foi que as partículas vieram de um meteoro explodindo, o que explicaria o som alto e o flash de luz antes da primeira ocorrência da chuva vermelha. Esta hipótese não durou mais do que alguns dias, quando o CESS notou que as partículas se assemelhavam a esporos de algas. Este fato, juntamente com o fato de que, se um meteoro tivesse explodido, as partículas teriam se dispersado ao longo do período de dois meses da chuva vermelha e que o incidente teria sido muito mais generalizado. Ao chegar a esta conclusão, as amostras  foram analisadas pelo Tropical Botanic Garden and Research Institute, que concluiu, depois de permitir que os esporos crescessem, que eles formam uma alga formadora de líquen, que é encontrada em toda a região, onde a chuva vermelha caiu. Uma vez que havia tido excesso de chuva nas semanas que antecederam a chuva vermelha, o crescimento dessas líquens explodiu recentemente. O relatório que foi apresentado não poderia, no entanto, determinar como os esporos poderiam ter feito isso nas nuvens em números tão altos. O outro problema é que, para que o elevado número de esporos que foram encontrados na chuva, a maioria do líquen teria sido necessário para libertar os seus esporos simultaneamente. Embora esta seja uma possibilidade, as chances de isso acontecer são quase nulas.


Outra hipótese é que a poeira vinda dos desertos da Península Arábica, se misturou com a água na atmosfera, e choveu sobre Kerala como chuva vermelha. Essa teoria também foi desmentida rapidamente porque foi mostrado que as partículas não continham nenhuma poeira de areia do deserto.


Uma terceira teoria foi apresentada, alegando que talvez as partículas seriam do vulcão Mayon, que tinha entrado em erupção pouco antes da chuva vermelha ser relatada. Novamente, porém, esta teoria foi refutada, como as partículas vermelhas não eram nem ácida e nem de origem vulcânica.

A hipótese final é, de longe, a mais controversa. Godfrey Louis e Kumar Santhosh da Universidade Mahatma Gandhi escreveram um artigo, afirmando que os esporos vieram de um meteoro, apesar do fato de que não houve a dispersão pelo vento dos esporos. Eles alegaram que os esporos tinham vindo de uma fonte extraterrestre, citando que "as células podem sofrer replicação rápida, mesmo em uma alta temperatura extrema de 300 graus Celsius ... A composição molecular dessas células ainda está para ser identificada". Deve notar-se que nenhum outro relatório sobre a chuva vermelha concordou com aqueles obtidos por Louis e Kumar.

Até hoje não há um consenso na comunidade científica sobre qual seria a causa de fato desse misterioso fenômeno.


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

Nenhum comentário:



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby