13 de maio de 2013

Fênix

۞ ADM Sleipnir

A Fênix tem sido um símbolo mitológico duradouro há milênios e em várias culturas diferentes. Apesar da variedades de sociedades e épocas, ela é sempre caracterizada como um pássaro com brilhante plumagem colorida, Que, depois de uma longa vida, morre em um incêndio feito por ela mesma, para em seguida ressuscitar das cinzas. Do simbolismo religioso e naturalista no antigo Egito, a um símbolo secular para os exércitos, comunidades, e até mesmo as sociedades, bem como um símbolo literário, a representação desta ave mítica de morte e renascimento parece ressoar com as aspirações da humanidade. 


Diversas culturas incluem variações sobre a Fênix e apesar de muitas culturas terem a sua própria interpretação do pássaro, as diferenças em nuance são ofuscadas pelas características mais homogêneas da criatura mítica. A Fênix é sempre um pássaro, geralmente tendo uma plumagem com cores correspondentes ao fogo: amarelo, laranja, vermelho e ouro. A característica mais universal é habilidade do pássaro para ressuscitar. Após viver uma vida longa (a idade exata pode variar de quinhentos a muito mais de mil anos), o pássaro morre em um incêndio auto-criado, queimando em uma pilha de cinzas, de onde uma nova fênix renasce, representando um processo cíclico de vida e morte. Por ela renascer de sua própria morte, a Fênix também assumiu as características de regeneração e imortalidade. Outro fator notável é a sua enorme força, tendo capacidade de carregar grandes cargas com facilidade (alguns contos falam sobre ela ser capaz de carregar elefantes). 

Abaixo temos as várias personificações da Fênix nas mitologias ao redor do mundo




Mitologia Egípcia - Benu


A mais antiga representação da Fênix é encontrada no antigo pássaro egípcio Benu. Alguns pesquisadores acreditam que uma grande garça, agora extinta, era uma possível inspiração da vida real para o Benu. No entanto, uma vez que o Benu, como todas as outras versões da Fênix, é essencialmente um ícone simbólico, as muitas fontes míticas do Benu na antiga cultura egípcia revelam mais sobre a civilização do que a existência de um pássaro real. 

Uma versão do mito diz que o pássaro Benu surgiu a partir do coração de Osíris. O mito em geral, muito popular no Egito, diz que ele era único. Portanto, para assegurar sua descendência, quando sentia a proximidade da morte, fazia uma espécie de ninho com plantas aromáticas e ervas mágicas e, após atear-lhe fogo, instalava-se em seu centro. Das cinzas surgia um novo Benu, que transportava os restos do ninho para a cidade de Heliópolis, no Egito. Ali era adorado o deus grego do Sol, Hélios, de quem, segundo uma versão, a ave era a encarnação. 

O Benu era retratado como uma garça cinza, roxa, azul, ou branca com um bico longo e uma crista de duas penas. Ocasionalmente, ele foi descrito como uma alvéola amarela, ou como uma águia com penas vermelhas e douradas. Em raras ocasiões, o Benu foi retratado como um homem com a cabeça de uma garça-real, usando um vestido de múmia branco ou azul sob um casaco longo transparente. Por causa de sua ligação com a religião egípcia, o Benu foi considerada a "alma" do deus Atum, Ra, ou Osíris, e às vezes era chamado de "Aquele que veio a existir por si mesmo", "O Crescente," e "Senhor dos Jubileus" . Esses nomes e a conexão com Rá, o deus do sol, não se refletem apenas à antiga crença egípcia em uma continuação espiritual da vida após a morte física, mas também refletem o processo natural de alta e baixa do rio Nilo, do qual os egípcios dependiam para a sobrevivência. O Benu também tornou-se intimamente ligado com o calendário egípcio, e os egípcios mantiveram complexos dispositivos de medição do tempo no Templo de Benu.

Mitologia Grega - Fênix



Os gregos adaptaram a palavra bennu e a identificou com sua própria palavra fênix ('φοινιξ'), ou seja, a cor vermelho-púrpura ou escarlate. Eles e os romanos posteriormente retrataram o pássaro mais como um pavão ou uma águia. Segundo a mitologia grega, a Fênix vivia na Arábia, ao lado de um poço. Ao amanhecer, ele banhava-se na água do poço, e o deus grego Apolo parava seu carro (o sol), a fim de ouvir o seu canto.

Mitologia Persa - Huma



O Huma (ou Homa), também conhecido como o "pássaro do paraíso", é uma ave mitológica persa, semelhante ao Benu egípcio. Consome-se em fogo a cada cem anos, apenas para renascer  a partir das cinzas. O Huma é considerado um pássaro compassivo e seu toque é dito para trazer grande fortuna.


O pássaro Huma une ambas as naturezas masculina e feminina em um só corpo e cada um partilha de uma asa e uma perna. Ele evita matar por comida, dando preferência à carniça como alimento. Os persas ensinam que grandes bênçãos vem para a pessoa sob quem a sombra do Huma cai. 


De acordo com o mestre sufista Hazrat Inayat Khan, a palavra huma na língua persa significa um pássaro fabuloso. Há uma crença de que se o pássaro huma pousar por um momento sobre a cabeça de alguém é um sinal de que essa pessoa vai se tornar um rei. Seu verdadeiro significado é que, quando os pensamentos de uma pessoa evoluem de modo que eles quebram todas as limitações, ele se torna um rei. 

Judaísmo e Cristianismo


No judaísmo, a Fênix é conhecida como Milcham ou Chol (ou Hol): A história dela começa no Jardim do Éden, quando Eva caiu, tentada pela serpente a comer o fruto proibido. De acordo com o Midrash Rabá, chateada com sua situação e com ciúmes das criaturas ainda inocentes, Eva tentou todas as outras criaturas do jardim para fazerem o mesmo. Apenas o Chol (Fênix) resistiu. Como recompensa, ao Chol foi dada a vida eterna, pondendo viver em paz por mil anos e depois renascer de um ovo, para continuar a viver em paz novamente, repetindo o ciclo eternamente (Gênesis Rabbah 19:05). Rabbi Shlomo Yitzhaki, mais conhecido como Rashi, comentou que a morte não tem poder sobre o Chol, "porque não provou do fruto da árvore do conhecimento". 

A Fênix também aparece no livro de Jó: "Eu multiplicarei os meus dias como a Chol, a Fênix" (Jó 29:18), indicando mais uma vez ao longo da vida, se não a imortalidade. Esta referência, no entanto, é controversa, pois chol foi traduzido como fênix, areia e palmeiras em diferentes versões. 

A fênix se tornou um símbolo do cristianismo na literatura mais recente, a partir da antiga lenda hebraica ou a partir da incorporação da cultura grega e romana, ou de uma combinação de ambos. Em qualquer caso, a ideologia da fênix se encaixa perfeitamente com a história de Cristo. A ressurreição da fênix após a morte, como nova e pura pode ser vista como uma metáfora para a ressurreição de Cristo, central para a fé cristã. A maior parte do simbolismo da fênix baseado no Cristianismo aparece dentro de obras de literatura, especialmente na literatura cristã Medieval e Renascentista que combinam mitos clássicos e regionais e folclore com a doutrina mais convencional.

Mitologia Oriental - Feng Huang / Hou-Ou


No Japão, e anteriormente na China, a fênix mítica foi adotada como um símbolo da família imperial, particularmente a imperatriz. Este pássaro mitológico representa o fogo, o sol, a justiça, obediência, fidelidade, e as constelações das estrelas do sul.


Segundo a lenda (principalmente chinesa), o Hou-Ou aparece muito raramente, e só para marcar o início de uma nova era - o nascimento de um governante virtuoso, por exemplo. Em outras tradições, o Hou-ou aparece apenas em tempos de paz e prosperidade  e se esconde quando há problemas. Como o arauto de uma nova era, o Hou-ou desce do céu à terra para fazer boas ações, e, em seguida, ele retorna à sua morada celestial para aguardar uma nova era. É um símbolo de paz (quando o pássaro aparece) e um símbolo de desarmonia (quando o pássaro desaparece). Na China, os primeiros artefatos mostram o fênix (feminino) tão intimamente associado com o dragão (masculino) - os dois são retratados ou como inimigos mortais ou como amantes felizes. Quando apresentados em conjunto, os dois simbolizam conflito e felicidade conjugal, e são um motivo de design comum ainda hoje em muitas partes da Ásia.



鳳 = Fèng, Fênix Macho  凰 = Huáng, Fênix Fêmea

O termo composto chinês significa Feng Huáng Phoenix. Acredita-se que o Feng Huang controla os cinco tons de música tradicional chinesa e representa as virtudes confucionistas de lealdade, honestidade, decoro e justiça. Sua imagem aparece pela primeira vez em artefatos Shang da dinastia Zhou do período ocidental (século 11 aC a 771 aC). 

O simbolismo da Fênix chinesa (Feng Huáng) é muito semelhante ao simbolismo do mitológico pássaro vermelho (Chn. = Zhū Qiǎo 朱雀 or Zhū Niǎo 朱鳥), também do folclore chinês. No Japão, o pássaro vermelho é chamado Suzaku (os mesmos caracteres chineses). O pássaro vermelho é uma das quatro criaturas lendárias chinesas que guardam as quatro direções cósmicas (Pássaro Vermelho - SUL, Dragão - LESTE, Tartaruga- NORTE, e o Tigre- OESTE). Os quatro aparecem durante período dos Reinos Combatentes da China (476 aC - 221 aC), e foram frequentemente pintados nas paredes dos primeiros túmulos chineses e coreanos para afastar os maus espíritos.


Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

5 comentários:

  1. "Fèng" e "Huáng" esses nomes não me são estranhos ;-;

    ResponderExcluir
  2. Uau, esse foi sem dúvidas o melhor blog que explicou sobre a Fênix gosto por d+ essa ave mitológica.��

    ResponderExcluir
  3. A Fênix está entre nós... So algumas pessoas a veem.

    ResponderExcluir



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby