14 de maio de 2013

Cabeças Encolhidas

۞ ADM Dama Gótica


A pratica de encolher cabeças é um costume associado à certas culturas do mundo, como a África e algumas ilhas isoladas do Pacifico. Mas a documentação mais conhecida ocorreu em tribos que habitavam a região noroeste da floresta amazônica. Estas tribos são conhecidas como Jivaros, e estes incluem os Shuar, Achuar, Huambisa e tribos aguarunas, encontradas no Equador e Peru. 

Os Shuaras ou Shuar são um povo composto de 80.000 indivíduos que vivem na floresta amazônica entre o Peru e Equador e resistiram a conquista de seu território pelos Incas e Espanhóis. O primeiro contato com os povos europeus se deu por volta de 1599, os quais deram-lhes os nomes de Jivaros ou Xivaros, sinônimo de selvagem, após assistirem horrorizados os rituais de encolhimento de cabeças que estes nativos submetiam seus inimigos que porventura eram mortos em combates ou por eles feitos prisioneiros. 

A cabeça encolhida é usada como talismã ou troféu de guerra, em outros casos, representa apenas um ritual de mumificação para preservar o corpo de seus entes queridos, ou pelo menos parte dele,  na esperança de possam mesmo após a morte serem um símbolo de proteção de uma tribo, clã ou família. Ou ainda simplesmente eram usadas para fins comerciais. 

O processo de criação de uma cabeça encolhida começa com a remoção da cabeça na altura do tronco. Uma incisão é feita na parte de trás da cabeça, onde eles cortavam a pele da nuca ao pescoço e retiravam o crânio (toda a parte óssea), o cérebro, olhos e todas as partes moles, e separavam a carne da pele. Colocavam a pele para ferver em água quente com taninos, uma substancia extraída do quebracho, uma planta usada para enrijecer peles, tendo cuidado para que os cabelos não se soltassem. Após pele ser enrijecida e colocada para secar, pedras quentes eram introduzidas em seu interior, para conseguir o tamanho ideal e o formato mais aproximado do rosto do inimigo. Os nativos Shuaras usavam uma espécie de clipe de palmeira para manter a boca fechada e sementes vermelhas eram colocadas embaixo das pálpebras que em seguida também eram costuradas. 


Após secar, a cabeça era moldada para manter suas feições humanas. Os Shuaras acreditavam que o espírito do inimigo estava na cabeça, e o ritual de redução era exatamente para impedir uma futura vingança. Após o encolhimento, a pele era esfregada com cinzas de carvão impedindo assim que a alma saísse da cabeça em busca de vingança. 

Os Shuaras acreditavam na existência de três espíritos fundamentais: 
  • Wakani -naturais aos seres humanos, sobrevivendo assim, sua morte. 
  • Arutam - literalmente, "visão" ou "poder", protege os seres humanos de uma morte violenta. 
  • Muisak - espírito vingativo, que habitava as superfícies quando uma pessoa que carregava um espírito Arutam era assassinado. 
O processo também servia como uma forma de alertar os seus inimigos. Apesar dessas precauções, o dono do troféu não podia mantê-lo por muito tempo. Muitas cabeças após serem utilizadas no ritual Tzantza eram descartadas em seguida ou guardadas. 

O ritual durava aproximadamente um mês e no ultimo dia era celebrado ao final do trabalho de encolhimento com festa chamada Tzantza. 

Atualmente esse ritual está proibido, mas relatos de cabeças encolhidas contribuíram para que este povo preservasse sua identidade cultural até os dias de hoje. 

Após a Segunda Guerra Mundial, cabeças encolhidas foram encontradas no campo de concentração de Buchenwald, que acredita-se serem experiências feitas com prisioneiros. Uma delas foi posteriormente apresentada como prova nos julgamentos de Nuremberg pelo ex-senador americano Thomas J. Dodd, embora nenhum dos acusados assumir a autoria desses experimentos. 

Quando os ocidentais criaram uma demanda econômica de cabeças encolhidas, houve um aumento acentuado na taxa de assassinatos em um esforço para fornecer cabeças a colecionadores e turistas. Os Shuaras geralmente adquiram armas em troca de suas cabeças encolhidas, a taxa era de uma arma por cabeça. 

Mas as armas não foram os únicos itens trocados, durante a década de 1930, quando as cabeças eram livremente trocadas, uma pessoa poderia comprar uma cabeça encolhida por cerca de vinte e cinco dólares. A proibição foi imposta, quando os governos peruano e equatoriano trabalharam juntos para proibir o tráfego das cabeça. 

Também encorajado por este comércio, pessoas na Colômbia e no Panamá alheios ao Jivaros, começaram a fazer tsantsas falsificados. Eles usaram cabeças de macacos ou preguiças. 

Duncan escreveu em 2001 que "Estima-se que cerca de 80 por cento dos tsantsas em mãos privadas e em museu são fraudulentas", incluindo quase tudo do sexo feminino ou que incluem um torso inteiro ao invés de apenas uma cabeça. 

Desde a década de 1940, foi proibida a importação de cabeças encolhidas para os Estados Unidos. Em 1999, o Museu Nacional do Índio Americano repatriou as autênticas cabeças encolhidas e sua coleção para o Equador. A maioria dos outros países também proibiu o comércio. Atualmente, réplicas de cabeças encolhidas são fabricadas como curiosidades para o trade turístico. Estes são feitos de couro e peles de animais formados para se assemelhar aos originais. 



Obrigado por sua visita! Se gostou da leitura, por favor deixe um comentário. Compartilhe nossas postagens nas redes sociais!

5 comentários:

  1. Gostei do blog mas ler fonte vermelha com fundo preto é desagradável e cansativo para os olhos, logo perco o interesse pelo texto...

    ResponderExcluir
  2. Gente! fiquei impressionado com a história... eu não sabia de nada disso! aliás, pergunta: no Brasil há dessas práticas? já que são em tribos tão próximas... bem! Muito bom, viu? adorei, rsrsrsr ruim é só a fonte vermelha... é ruim de ler... mesmo assim, o blog é show!!! PS mande a resposta para jvcte@hotmail.com Abraços!!!

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante,ganhei uma réplica de cabeça encolhida, e voui coloca-la em nosso museu indígena suas informações foram bem legais ,parabvéns.Para saber mais sobre nosso trabalho também acesse Bioparquemacuco no gogle.Abraço Ronaldo

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante,ganhei uma réplica de cabeça encolhida, e voui coloca-la em nosso museu indígena suas informações foram bem legais ,parabvéns.Para saber mais sobre nosso trabalho também acesse Bioparquemacuco no gogle.Abraço Ronaldo

    ResponderExcluir



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby