Image Map

4 de dezembro de 2019

Valhala

۞ ADM Sleipnir


Valhala (do nórdico antigo Valhöll, "Salão dos Mortos"; também escrito ValíalaValhalla ou Walhalaé o salão onde o deus Odin abriga os Einherjar, guerreiros mortos em batalha os quais ele considera dignos de morar com ele. Segundo o poema nórdico antigo Grímnismál, o teto de Valhala é coberto por escudos e tem lanças como vigas. Assentos feitos de couraças cercam as muitas mesas de festa do vasto salão. Seus portões são guardados por lobos, e águias voam sobre ela.

Em Valhala, os Einherjar levam uma vida que faria inveja a qualquer guerreiro viking. Durante todo o dia, eles lutam entre si, aprimorando suas habilidades de batalha. Ao chegar a noite, todas as suas feridas são curadas, sendo restaurados à saúde total. Eles certamente aumentam o apetite com todas essas batalhas, e os jantares de Valhala não decepcionam. Sua carne vem do javali Saehrimnir, que retorna à vida toda vez que é abatido. Como bebida, eles têm o hidromel proveniente da cabra Heidrun. Assim, eles desfrutam de um suprimento infinito de comidas e bebidas excepcionalmente bons, sendo servidos pelas belas Valquírias.



Mas os Einherjar não viverão essa vida maravilhosa para sempre. Os residentes afiados em batalha de Valhala estão lá pela vontade de Odin, que os coleta com o propósito perfeitamente egoísta de ajudá-lo em sua luta contra o lobo Fenrir durante o Ragnarok - uma batalha na qual Odin e os Einherjar estão destinados a morrer.

A Entrada em Valhala

A única fonte nórdica antiga que fornece uma declaração direta sobre como as pessoas entraram em Valhala é a Edda em Prosa de Snorri Sturluson, um historiador islandês do século XIII. Snorri escreveu muitas gerações depois do paganismo nórdico ter sido subjugado pelo cristianismo e deixado de ser uma tradição viva, e muitas vezes fazia de tudo para sistematizar artificialmente o material discrepante em suas fontes. Segundo Snorri, aqueles que morrem em batalha são levados para Valhala, enquanto aqueles que morrem de doença ou velhice vão para Hel, o submundo, após sua partida da terra dos vivos.

Snorri Sturluson, gravura de Christian Krohg

No entanto, o próprio Snorri contradiz descaradamente essa afirmação em seu relato da morte de Balder, que foi morto violentamente e, no entanto, foi levado a Hel. Nenhuma outra fonte faz essa distinção - e várias oferecem outros exemplos ao contrário.
 Essa distinção pura e organizada entre Hel e Valhala é certamente uma invenção de Snorri - resultado de sua tendência a tentar sistematizar o paganismo nórdico, que nunca foi um sistema ordenado enquanto ainda esteve em prática. 

No entanto, Snorri provavelmente não estava totalmente enganado. Embora a entrada em Valhala pareça ter sido em última análise uma questão de quem Odin e suas Valquírias escolhiam para morar lá, em vez de qualquer padrão impessoal específico, parece razoável supor que Odin selecionaria aqueles que o serviriam melhor em sua batalha final. As fileiras de Valhala, portanto, seriam predominantemente preenchidas com guerreiros de elite, especialmente heróis e governantes. E, de fato, quando fontes nórdicas antigas mencionam pessoas específicas residentes em Valhala, elas quase sempre se encaixam nessa descrição.

A Localização de Valhala

A descrição mais famosa de Valhala na literatura nórdica antiga, a contida no Grímnismál, a retrata como estando localizada em Asgard, a fortaleza celestial dos deuses. No entanto, outras linhas de evidência sugerem que, pelo menos às vezes, Valhala era vista como um lugar subterrâneo, como o submundo.

Como observado acima, a batalha contínua que ocorre em Valhala é uma das características que definem o local. O historiador medieval dinamarquês Saxo Grammaticus descreve em sua obra Gesta Danorum o herói Hadingus descobrindo durante sua visita ao submundo um lugar exatamente igual ao Valhala, com combates diários e constantes. Além disso, o próprio nome Valhöll, “o salão dos mortos”, parece claramente relacionado ao nome Valhallr, “a rocha dos mortos”, um título dado a certas rochas e colinas onde se pensava que os mortos viviam no sul da Suécia, um dos maiores centros históricos do culto a Odin. 


fonte:
NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

3 comentários:

  1. Gostei poderia falar mais de lugares mitológicos como esses

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante os relatos. Agora pelo menos entendi o básico.
    Parabens ao blog.Enio

    ResponderExcluir



Seu comentário é muito importante, e muito bem vindo, porém peço que evitem:

1) Xingamentos ou ofensas gratuitas ao autor e a outros comentaristas;
2)Comentários racistas, homofóbicos, xenófobos e similares;
3)Spam de conteúdo e divulgações não autorizadas;
4)Publicar referências e links para conteúdo pornográfico;
5)Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Comentários que inflijam um desses pontos estão sujeitos a exclusão.

De preferência, evite fazer comentários anônimos. Faça login com uma conta do Google, assim poderei responder seus comentários de forma mais apropriada, e de brinde você poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby