9 de março de 2013

Santo Graal

۞ ADM Sleipnir


Segundo a lenda medieval, o Santo Graal era o cálice do qual Jesus Cristo bebeu na Última Ceia, a sua última refeição com os seus seguidores. Muitas obras de literatura descrevem a busca do Graal, que se acreditava ter poderes sagrados e misteriosos. No entanto, essa procura ou busca nem sempre envolve um objeto físico. Para alguns, o Santo Graal representa um estado religioso de graça ou a união com Deus. Em alguns relatos, o Graal possui o sangue das feridas de Cristo e era conhecido como Sangreal, ou seja, "sangue real".

A lenda do Graal 

Apesar de existirem muitas versões da lenda do Graal, certos elementos aparecem uma e outra vez. Algumas histórias do Graal começam com Lúcifer, originalmente um anjo no céu que usava uma coroa adornada com uma magnífica esmeralda. Lúcifer se rebelou contra Deus e foi expulso do céu. A esmeralda caiu na terra, onde alguém  usou-a para enfeitar um cálice. Em outras histórias, imagens do Graal variam de uma argila humilde ou tigela de madeira para um cálice de ouro cravejado com pedras preciosas ou um objeto banhado em uma luz ofuscante.

Após a Última Ceia, o Graal veio para a posse de José de Arimatéia, que pegou o sangue de Cristo durante a crucificação. José foi para a prisão, e o Graal o manteve vivo pelo fornecimento diário de alimentação . Libertado da prisão, José viajou para a França e depois para Glastonbury, Inglaterra, transportando o Santo Graal consigo. Logo, porém, o Graal desapareceu do mundo, porque as pessoas eram pecadoras. Escondido em um misterioso castelo, foi vigiado pelos descendentes da irmã de José.

Uma das versões mais conhecidas da história posterior do Graal está conectada com Arthur, o lendário rei da Bretanha. Esta lenda diz que o Graal estava em algum lugar em uma parte selvagem e desolada da Grã-Bretanha no castelo do Rei Fisher, um monarca ferido que estava entre a vida e a morte. Só se o mais puro dos cavaleiros encontrasse seu caminho para o castelo e um tivesse um vislumbre do Graal poderia colocar um final ao tormento do Rei Fisher e a sua desolada vida ser restaurada. 

Para os cavaleiros que se sentaram em torno de Távola Redonda do Rei Arthur, ver o Santo Graal era o maior e mais nobre objetivo. Eles percorriam o país em busca dele. Lancelot quase alcançou a busca, mas o pecado de seu amor por Guinevere, a rainha de Arthur, o impedia de ver o Graal. Um cavaleiro chamado Perceval (ou Parsifal) viu o Graal, mas não entendeu o que era. Apenas Galahad, filho de Lancelote, era puro o suficiente para vê-lo com plena compreensão de seu significado. Ele teve que viajar para uma terra distante chamada Sarras afim de fazê-lo, pois o Graal havia deixado a Grã-Bretanha em algum ponto. A visão do Graal trouxe a ele um profundo êxtase tal que Galahad morreu momentos depois.



Desenvolvimento da Lenda

A lenda do Santo Graal  funde elementos cristãos com a muito mais antiga mitologia celta e parece ser o produto de narrativas ao longo de centenas de anos. O Graal está relacionado a vários vasos no folclore celta , como o chifre do deus Bran, que produzia qualquer alimento ou bebida que o usuário desejar. Também foi associado a um caldeirão mágico que pode restaurar a vida de qualquer corpo morto colocado nele.

O mais conhecido trabalho para dar um significado cristão ao cálice mágico foi Perceval, um romance escrito entre 1181 e 1191 pelo poeta francês Chrétien de Troyes. Algumas décadas mais tarde, Robert de Borron escreveu José de Arimatéia, que estabeleceu a conexão entre o Graal de Perceval e o cálice usado por Cristo e, posteriormente, de propriedade de José. Parzival, de Wolfram von Eschenbach, expandiu a história mística do cavaleiro inocente e do Rei Fisher e também introduziu uma ordem de cavaleiros encarregados de guardar o Graal. Esta versão da história tornou-se a base para a ópera Parsifal, pelo moderno compositor alemão Richard Wagner.

Com o tempo, versões da história do Graal começaram a vincular o Santo Graal à popular lenda do Rei Arthur. Um relato torna Sir Galahad o herói virtuoso e do Graal um símbolo de uma união rara e mística com o divino. No final do ano de l400, Sir Thomas Malory escreveu Morte D'Arthur (A Morte de Arthur), a versão da lenda do rei Artur, que viria a se tornar a mais conhecida. Com isso, ele estabeleceu a história da busca do Graal pelos cavaleiros da Távola Redonda de Arthur e de sucesso final de Galahad.


Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

4 comentários:

  1. As lendas do Graal são encantadoras.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, tem muitas coisas interessantes.

    ResponderExcluir
  3. Muito interessande. Me ajudou muito na pesquisa que eu estava fazendo.

    ResponderExcluir
  4. Correção... o Cálice de Cristo foi roubado por Judas, este nas mãos erradas se transfigurou e Judas com o Cálice nas mãos lembrou do que Cristo lhe havia falado. então se enforcou, o cálice caiu de suas mãos e revela a imagem do Demônio que ajudou Judas a trair Cristo. Como sei disto? Eu o vi!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby