Image Map

7 de julho de 2013

Alraune

۞ ADM Sleipnir


A Alraune ("mandrágora" em alemão) é uma criatura originária da Idade Média Alemã. Como o nome sugere, ela é um tipo de mandrágora, com um aspecto vagamente humanóide. Alguns afirmam que o termo "Alraune" é usado para se referir a todas as mandrágoras.

As Mandrágoras eram plantas tóxicas e psicoativas que, segundo as lendas, brotavam dos túmulos de homens condenados, e seriam conhecidas por seus gritos penetrantes, e muitas vezes letais. O uso da raiz da planta é muito antigo, encontrando-se citado nos textos bíblicos em Gênesis 30:14 e Cantares 7:13. Segundo lendas medievais, as raízes da mandrágora deveriam ser colhidas em noite de lua cheia, e puxadas para fora da terra por uma corda presa a um cão negro; se outro animal ou pessoa fizesse esta tarefa, a raiz "gritaria" tão alto que o mataria. As raízes da planta seriam usadas para criar poções do amor e encantos, enquanto o seu fruto era dito ser capaz de tornar a gravidez mais fácil para as mulheres (presumivelmente, o processo de engravidar, e não as dores que vem com ela).


A Alraune nasce através do contato do sêmen de homens enforcados com a terra. De acordo com alquimistas da época, os homens enforcados ejaculavam no momento em que seus pescoços se quebravam, e seu sêmen escorria para baixo do cadafalso, sendo absorvido pela terra e gerando estas criaturas meio plantas, meio humanóides.

Existem rumores de que as bruxas dos contos germânicos se relacionavam sexualmente com estas plantas, afim de dar à luz e criar filhos sem alma ou sentimento, na esperança de que eles pudessem trazer a ruína para o mundo. Esta foi uma das razões que faziam muitos alemães na época executarem as mulheres que viviam sozinhas. Mas o processo de procriação de uma Alraune é um pouco complexo. Se o inverno for muito frio, a planta vai morrer, mas ele precisa de pelo menos um pouco de frio, a fim de florescer. No entanto, se um Alraune estiver perto de perecer, as sementes que caíram ao longo dos anos irão germinar, e uma nova geração poderá surgir.

Alraune (1911), de Hanns Heinz Ewers
Na arte e em outras formas de mídia, a Alraune é muitas vezes retratada como uma mulher bonita, com qualidades semelhantes as plantas. Isto é devido ao romance "Alraune", de Hanns Heinz Ewers, no qual um cientista engravida uma prostituta, também chamada Alraune, com o sêmen de um homem enforcado. O gênero de um Alraune depende de quando ele floresce. Aqueles que o fazem na primavera são do sexo masculino, e os que florescem durante o verão são do sexo feminino. Mas as características da Alraune não variam com o sexo.



NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

5 comentários:

  1. Olá!
    Tenho peskisado muito o mito da Alraune (é uma pena não ter o livro de Hans Heinz - ao menos não o achei, nem em sebos). Gostaria de saber quais foram as fontes de onde vc tirou essa história, pq em todas as que tenho peskisado geralmente são cópias da wikipedia. :( No mais, belíssimo trabalho e imagens ótimas! Adorei!

    CaosMegistus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá CaosMegistus, obrigado pelos elogios. As fontes desse texto foram todos sites em inglês, e deles só me lembro de um: http://deitiesdaily.tumblr.com/post/49758374797/may-5th-2013-alraune.

      Lembro de ter pesquisado na wikipédia em inglês também. Caso encontre algo novo sobre o assunto, ou até mesmo novas referências de pesquisa, eu responderei aqui mesmo nesse comentário.

      Excluir
  2. muito bom, obrigado pelo texto

    ResponderExcluir
  3. Me interessei em pesquisar sobre o tema após ter conhecido este personagem da série Saint Seiya; link:

    https://images.tcdn.com.br/img/img_prod/758144/cloth_myth_alraune_queen_saint_seiya_bandai_action_figure_8329_2_272ee6e2f8c2e8da55eccfa4d0f757fa_20211221141635.jpg

    Gostei do texto. Rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Não vou mentir pra você, esse personagem também foi minha inspiração. Cavaleiros do Zodíaco abriu as portas da mitologia para mim lá em 1994.

      Excluir



Seu comentário é muito importante, e muito bem vindo, porém peço que evitem:

1) Xingamentos ou ofensas gratuitas ao autor e a outros comentaristas;
2)Comentários racistas, homofóbicos, xenófobos e similares;
3)Spam de conteúdo e divulgações não autorizadas;
4)Publicar referências e links para conteúdo pornográfico;
5)Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Comentários que inflijam um desses pontos estão sujeitos a exclusão.

De preferência, evite fazer comentários anônimos. Faça login com uma conta do Google, assim poderei responder seus comentários de forma mais apropriada, e de brinde você poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby