7 de fevereiro de 2014

Bhima, "o Terrível"

۞ ADM Sleipnir

Arte de bachzim

Bhima (sânscrito: भीम, lit. "o terrível"; também conhecido como Vrikodara) é um lendário guerreiro hindu mencionado nos textos védicos e purânicos; também um príncipe da mitológica família Pandava e um dos personagens principais do épico hindu Mahabharata.

Nascimento e primeiros anos

Certa vez, um sábio brâmane chamado Kindama tinha relações sexuais com sua esposa em meio a floresta, quando o rei Pandu acidentalmente acaba ferindo-os mortalmente ao confundi-los com veados selvagens. Antes de morrer, Kindama amaldiçoou o rei, dizendo que o mesmo morreria se tivesse relações sexuais com qualquer mulher. Por causa dessa maldição, Pandu se tornou incapaz de ter filhos. Como penitência adicional, Pandu abdicou do trono de Hastinapura e seu irmão cego Dhritarashtra assumiu as rédeas do reino. 

Devido à condição de Pandu, os Pandavas acabaram sendo concebidos de uma maneira incomum. Sua mãe, a rainha Kunti, havia recebido do sábio Durvasa, quando jovem, o poder de invocar os deuses (devas). Cada deus, quando invocado, iria abençoá-la com uma criança. Incitada por Pandu a usar sua bênção, Kunti deu à luz a Bhima, invocando o deus do vento, VayuJunto com seus irmãos Pandavas, Bhima foi treinado em religião, ciência, administração e artes militares pelos preceptores Kuru, Kripacharya e Dronacharya (também chamado somente de Drona). Especificamente, ele se tornou um mestre em usar a maça. O ponto forte de Bhima em todo o épico é sua força imponente. Ele era tão furioso e forte que era impossível, mesmo para Indra, dominá-lo em uma batalha . 


Kunti e os Pandavas, arte de Molee

Bhima também era conhecido por seu apetite voraz - às vezes, metade do total dos alimentos consumidos pelos Pandavas era comido somente por ele, fato que lhe rendeu o nome de Vrikodara , "barriga de um lobo".

Conflitos com os Kauravas 

Bhima, sendo tão poderoso quanto seu pai, era um valentão natural. Ele costumava fazer piadas sobre os irmãos Kauravas ; . Ele costumava se envolver em lutas de wrestling , onde ele fora alimentado - los com facilidade consumada.


Seus repetidos fracassos e ineficácias contra Bhima irritavam tanto Duryodhana que ele queria Bhima morto. Ele então arquitetou um plano ardiloso onde ele envenenou a comida de Bhima e o afogou no rio Ganges. Felizmente, o rei Naga Vasuki salvou Bhima e também informou-o sobre ódio que Duryodhana nutria por ele. Além de salvar Bhima, Vasuki também lhe concedeu a sua imensa força, equiparável a mil elefantes.

Escapando do fogo e matando Purochana


Duryodhana, e seu conselheiro Purochana, traçaram um plano para matar os Pandavas, incinerando o palácio lakshagraha lac em Varnavrata, que Duryodhana tinha construído lá,(laca é um material altamente inflamável) . Graças à Vidura, os Pandavas conseguiram fugir para fora do palácio. Bhima desempenhou um papel importante carregando cinco deles ( Kunti e seus irmãos) e fugindo com segurança. Bhima também fez uma barricada ao redor do palácio de Purochana e ateou fogo nele, garantindo que Purochana se tornasse uma vítima de seu próprio plano maligno. 

Matando Bakasura




Kunti e os Pandavas decidiram se manter anônimos, enquanto os Kauravas pensavam que eles morreram no incêndio. Durante sua estadia em Ekachakra, ouviram relatos sobre um demônio chamado Bakasura, que perturbava as pessoas e comia todas as suas provisões. O poderoso Bhima então trouxe sua força à tona e eliminou Bakasura, para o deleite dos moradores.

Casamento e filhos

Durante esse período de anonimato, os Pandavas participaram do Swayamvara (torneio onde o vencedor se casa com a princesa) de Draupadi, a filha de Drupada, rei de Panchala. Os Pandavas, liderados por Arjuna, foram bem-sucedidos no Swayamvara. Bhima e seus irmãos desposaram Draupadi, que posteriormente deu à luz um filho, Sutasoma. Durante este período, Bhima também casou com uma rakshasa chamada Hidimbi, que lhe deu um filho chamado Ghatotkacha, o qual tornou-se um grande guerreiro e uma figura importante no Mahabharata. Numa fase posterior, Bhima também se casou com Valandhara, a filha do rei de Kasi, e teve com ela um filho chamado Sarvaga. Entre os três filhos de Bhima, Sarvaga não participou da guerra de Kurukshetra, enquanto os outros dois morreram na batalha.

Bhima e Hidimbi. Para ficarem juntos, Bhima teve que matar o irmão dela, Hidimba,
que estava usando-a para atrair ele e seus irmãos ao seu covil.


Conquistas para o Rajasuya Yajna

Quando Yudhisthira tornou-se imperador de Indraprastha, ele enviou seus quatro irmãos mais novos em direções diferentes para subjugarem reinos em prol do seu Rajasuya ("sacrifício imperial" ou "sacrifício de posse do rei"; era um yajna (sacrifício), realizado pelos antigos reis da Índia que se consideravam poderosos o suficiente para serem um imperador). Bhima foi enviado para o Oriente, uma vez que Yudhisthira sabia que os orientais eram hábeis no combate nas costas de elefantes e no combate com os braços nus, e considerava Bhima a pessoa ideal para travar guerras naquela região. O Mahabharata menciona vários reinos ao leste de Indraprastha que foram conquistados por Bhima. Alguns deles estão listados abaixo: 
  • Jarasandha, do império Magadha. Esta foi a vitória mais importante, pois Jarasandha tinha vários aliados na região, incluindo Shishupala e Bhagadatta. Krishna enganou Jarasandha, incitando-o a lutar com Bhima . Esta foi uma batalha angustiante que se estendeu por 13 longos dias . No final, Bhima quebrou a espinha dorsal de Jarasandha com o joelho e rasgou seu corpo em dois;
  • Panchalas, Gandakas, Videhas;
  • Dasarnas, onde o rei chamado Sudharman com seus braços nus travaram uma batalha feroz com Bhima, que mais tarde nomeou o poderoso Sudharman como a primeira no comando de suas forças;
  • Rochamana, o rei da Aswamedha;
  • Pulinda no sul, reis Sukumara e Sumitra;
  • Sisupala de Chedi Unido (que acolheu Bhima, hospedando-o e entretendo-o por 30 dias );
  • Rei Srenimat do país de Kumara;
  • Rei Vrihadvala de Kosala;
  • Rei Dirghayaghna de Ayodhya;
  • Rei Gopalakaksha e o norte Kosalas e o rei de Mallas;
  • País de Bhallata , como também a montanha de Suktimanta;
  • Rei Suvahu de Kasi;
  • Rei Kratha de Suparsa;
  • Matsya, Maladas e o país chamado Madahara, Mahidara, e os Somadheyas , Vatsabhumi, e o rei da Bhargas , como também o governante do Nishadas e Manimat
  • Sul Mallas e a montanha Bhagauanta .
  • Sarmakas e os Varmakas
  • Janaka , o rei dos Videhas;
  • Sakas e outros bárbaros;
  • Sete reis dos Kiratas que vivem ao redor da montanha de Indra;
  • Reis Danda , Dandadhara e Girivaraja;
  • Rei dos Madagiri;
  • Rei dos Pundra e Rei Mahaujah que reinou em Kausika - kachchha;
  • Rei de Vanga;
  • Samudrasena, Chandrasena e Tamralipta;
  • Rei dos Karvatas, Suhmas e Prasuhmas;
  • Tribos Mlechchha ao longo da costa;
Exílio

Após Yudhisthira sucumbir à um desafio de Shakuni no jogo de dados, os Pandavas foram forçados ao exílio por 13 anos, um dos quais foi no anonimato. Durante esse exílio nas florestas, os Pandavas ficaram cara-a-cara com muitos rakshasas e asuras e Bhima desempenhou um papel crucial no épico, resgatando seus irmãos  o tempo todo.

Matando Kirmira 

Logo no início do exílio, nos bosques de Kamyaka, os Pandavas encontraram o demônio Kirmira, irmão de Bakasura e amigo de Hidimba. Uma feroz batalha se seguiu entre Bhima e o demônio, onde os dois lutadores estavam empatados, e atiravam pedras e árvores um contra o outro. Eventualmente, Bhima saiu vitorioso . 


A procura da flor Saugandhika 

Uma vez na floresta de Badarikashrama, Draupadi sentiu o perfume da flor Saugandhika (uma espécie de lótus) e ficou profundamente atraída por ela. Essa espécie de lótus não podia ser localizada facilmente. Bhima partiu em busca da flor e acabou chegando no palácio de Kubera. Ele teve sua trilha interrompida por rakshasas conhecidos como Krodhavasas, mas derrotou todos eles e então chegou ao lago de lótus. Lá, ele também matou o rakshasa Maniman, um peverso demônio que no passado lançou uma maldição sobre o sábio Agastya cuspindo em sua cabeça. Ao utilizar a água da lagoa, Bhima acabou adormecendo. Mais tarde os Pandavas, juntamente com Krishna e Draupadi, chegaram em busca de Bhima. Eles encontraram Kubera, que lhes ofereceu cestas de flores de Saugandhika e os enviou em seu caminho. Kubera estava muito feliz, pois a morte de Maniman lhe livrou de sua maldição. Foi durante esta procura da Saugandhika que Bhima conheceu Hanuman (seu irmão, já que ambos eram filhos de Vayu) e recebeu suas bênçãos.

A morte de Jatasura 

Em outro incidente menor do épico, Jatasura, um rakshasa disfarçado de brâmane sequestrou Yudhisthira, Draupadi e os irmãos gêmeos, Nakula e Sahadeva, durante a sua estadia em Badarikashrama. Seu objetivo era roubar as armas dos Pandavas e violentar Draupadi. Bhima, que estava caçando durante o sequestro, ficou profundamente chateado quando tomou conhecimento do ato de Jatasura. Um encontro feroz se seguiu entre os dois gigantes guerreiros, onde Bhima saiu vitorioso ao decapitar e esmagar o corpo de Jatasura. 

Humilhação de Jayadratha

Em outro evento nas florestas Kamyaka, Jayadratha, rei de Sindhu, sequestrou Draupadi enquanto os Pandavas estavam fora. Ao retornarem, os Pandavas souberam do sequestro através do rishi Dhaumya, e então seguiram e enfrentaram o exército de Jayadratha na floresta. Jayadratha não era páreo para a força de Bhima, que o humilhou raspando sua cabeça e deixando-o com apenas cinco pedaços de cabelo. Jayadratha mais tarde desempenha um papel importante na Guerra Kurukshetra ao matar Abhimanyu.

Cozinhando no reino de Virata 

Junto com seus irmãos, Bhima passou seu último ano de exílio no reino de Virata. Ele se disfarçou como um cozinheiro chamado Vallabh.

Derrota de Jimuta

Certa vez, durante um grande festival, as pessoas dos reinos vizinhos visitaram o reino de Virata . Houve uma luta corporal, onde um lutador de um estado diferente, chamado Jimuta, provou ser invencível. Para o deleite do rei Virata e de seus súditos, Bhima desafiou Jimuta e o nocauteou rapidamente. A vitória de Bhima reforçou a reputação dos Pandavas em um território desconhecido . 

Kichaka Vadha

Kichaka, o comandante do exército de Virata, tentou abusar sexualmente de Draupadi, que estava sob o disfarce de uma empregada chamada Sairindhri. Bhima se vestiu como uma mulher e ficou à espera de Keechaka dentro do quarto de Draupadi. Ele o matou no momento em que tentou tocar nele. Kickaka foi massacrado e trasnformado numa bola de carne por Bhima. 

A derrota de Susharma 


Susharma do Reino de Trigarta, sob a égide de Duryodhana, travou uma batalha contra Virata ao roubar as vacas de seu reino. Bhima, auxiliado em parte pelos outros Pandavas e Virata , ajudou a derrotar o exército de Susharma facilmente. A esta altura, o período de exílio de 13 anos estava concluído e a rivalidade  entre os irmãos foi renovada.

Participação na Guerra de Kurukshetra

A Guerra de Kurukshetra foi travada pelos Kauravas e os Pandavas, pelo trono de Hastinapura. A bandeira da carruagem de Bhima tinha a imagem de um leão gigantesco em prata com olhos feitos de lapis lazuli. Alguns dos principais ataques de Bhima durante a guerra foram os seguintes:
  • Bhima reteve Dronacharya enquanto Arjuna tentava encontrar e matar Jayadratha;
  • No 15 º dia, Bhima matou um elefante chamado Ashwathama, cujo o nome era o mesmo do filho de Drona. A confusão dos nomes acabou sendo uma causa indireta, mas importante para a morte de Drona;
  • No último dia da batalha, Bhima enfrentou Duryodhana e ambos atingiram suas coxas com suas maças. Assim, ele cumpre o juramento que fez durante o despir de Draupadi;
  • Bhima matou Dushasana, o Kaurava responsável por despir Draupadi;
  • Bhima é creditado pela matança de todos os 100 filhos de Dhritrashtra e Gandhari;
  • Ele também matou o rei Bahlika (tio paterno de Bhishma).
Anos posteriores e morte

Após a guerra, Dhritarashtra ficou enfurecido por Bhima ter matado todos os seus filhos. Dhritarashtra tentou esmagar Bhima, mas Krishna, sentindo sua ira, pediu para Bhima mostrar a Dhritarashtra uma estátua de ferro sua. Dhritarashtra esmagou a estátua em pedaços, mas depois percebeu sua loucura e pediu desculpas à Bhima .

Yudhishira apontou Bhima como príncipe de Hastinapur depois de assumir o comando. Após o início do Kali Yuga e a morte de Krishna, Bhima e outros Pandavas se aposentaram, deixando o trono para seu único descendente sobrevivente da guerra de Kurukshetra o neto de Arjuna, Parikshit. Abdicando de todos os pertences e laços, os Pandavas, acompanhados por um cão, fizeram sua viagem final de peregrinação para os Himalaias .

Arte de Subhrajit Ojha

NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

4 comentários:

  1. Olha eu de novo aqui, bom achei muito, muito bom mesmo e uma criatura me chamou atenção: O Demônio Bakasura, gostaria de saber mais sobre ele, parece ser uma figura interessante!
    Um ótimo trabalho como sempre, está de parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Obrigada pelo artigo!
    Estou tendo dificuldade em encontrar textos sobre Bhima (gostaria de saber se há relação entre esse personagem e o "O Pequeno Poderoso Bheem", protagonista do desenho que vi na Netflix).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Eu que agradeço. Sim, o Bheem do desenho é inspirado no Bhima da mitologia hindu.

      Excluir



Seu comentário é muito importante, e muito bem vindo. Porém pedimos que evitem:

1)Xingamentos ou ofensas gratuitas;
2)Comentários racistas, homofóbicos, xenófobos e similares;
3)Spam de conteúdo e divulgações não autorizadas;
4)Publicar referências e links para conteúdo pornográfico;
5)Desrespeitar gratuitamente o autor da postagem ou outro visitante. Mantenha a polidez;
6)Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Removeremos quaisquer comentários que se enquadrem nessas condições.

De preferência, evite fazer comentários anônimos. Faça login com uma conta do Google, assim poderemos responder seus comentários de forma mais apropriada, e você poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby