Image Map

26 de abril de 2013

Piasa

۞ ADM Sleipnir

Arte de Asfodelo

Em agosto de 1675, uma expedição com sete membros remou oeste pelo Estreito de Mackinac, procurando na região do rio Mississippi por uma passagem para o Pacífico. A primeira exploração européia da área, eles foram conduzidos pelo padre Jacques Marquette, um missionário francês, e Louis Jolliet, um comerciante de pele e cartógrafo. Os exploradores partiram apesar de advertências de índios locais - de que havia um monstro alado na área que devorava todos que se aproximam dele.

Cerca de 15 milhas de onde os rios Mississippi e Illinois encontram-se, no alto do penhasco rochoso na margem leste do Mississippi, os aventureiros viram dois monstros horríveis pintados em amarelo, verde, vermelho e preto. O Padre Marquette descreveu o pictograma:
"Enquanto contornavamos algumas pedras que, pela sua altura e comprimento inspiravam temor a nós, vimos em cima delas dois monstros pintados que no início nos fez medo, e sobre a qual os selvagens mais ousados ​​não se atrevem descansar seus olhos. Eles são tão grandes como uma bezerro, pois eles têm chifres em suas cabeças, como os de um cervo, um olhar horrível, olhos vermelhos, a barba como um tigre, um rosto um pouco como um homem, um corpo coberto de escamas, e uma cauda que tão grande que ela enrola todo o corpo, passando por cima da cabeça e voltando entre as pernas, terminando em uma cauda de peixe. "

Ele estava descrevendo o pássaro Piasa (pronúncia pie-a-saw), lendário entre os índios Illini da área. Uma criatura híbrida peixe-mamífero-ave-réptil, Seu nome significa "o pássaro que come os homens". Os mitos indígenas descrevem-no como um grande, alado, comedor de carne animal que vivia em uma caverna acima do rio, milhares de luas antes de o homem branco chegar, quando o magolonyn e mastodonte ainda estavam vivos. Foi muito temido e voaria para baixo e levaria consigo qualquer um que chegasse muito perto dele . Seu reinado de terror terminou quando um chefe índio chamado Quatonga e vinte de seus guerreiros conseguiram trazê-lo para fora de sua caverna e mataram-no com flechas envenenadas.

O Professor John Russell de Bluffdale, Illinois, publicou um relato sobre o Piasa em 1836. Depois de ouvir as lendas, contada pelos índios, ele decidiu verificar a caverna por si mesmo:
"Perto do final de Março do presente ano, foi induzido a visitar os penhascos abaixo da foz do Illinois e acima do Piasa [Angra]. Minha curiosidade foi guiando-me principalmente à análise de uma caverna conectada com as tradições acima , como um daqueles em que a ave tinha levado suas vítimas humanas precedido por um guia inteligente, que carregava uma pá, eu parti em minha excursão. A caverna foi extremamente difícil de acessar, e em um ponto do nosso progresso, nos situávamos numa elevação de mais de 150 pés na face do penhasco, com pouco espaço para manter um pé. A massa inteira se elevou acima de mim, enquanto estava abaixo do rio. Após uma escalada longa e perigosa, chegamos à caverna que foi de cerca de 50 pés acima da superfície do rio. Com a ajuda de uma vara comprida colocada sobre uma rocha projetando e a extremidade superior tocar a boca da caverna, conseguimos entrar nela. 
O teto da caverna era abobadado, no topo da qual não era menos de vinte e cinco metros de altura. A forma da caverna era irregular, mas tanto quanto eu podia julgar, o fundo seria em média de vinte por 30 pés. O andar desta caverna em toda a sua extensão era uma massa de ossos humanos. crânios e outros ossos foram misturados juntos na maior confusão. Até que profundidade eles estenderam eu era incapaz de definir, mas nós cavamos até a profundidade de três ou quatro pés, a cada trimestre da caverna e ainda encontramos apenas ossos. Os restos mortais de milhares de pessoas devem ter sido depositados aqu. Como e por quem, e com que propósito, é impossível conjecturar".

fontes:
NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

Nenhum comentário:



Seu comentário é muito importante, e muito bem vindo, porém peço que evitem:

1) Xingamentos ou ofensas gratuitas ao autor e a outros comentaristas;
2)Comentários racistas, homofóbicos, xenófobos e similares;
3)Spam de conteúdo e divulgações não autorizadas;
4)Publicar referências e links para conteúdo pornográfico;
5)Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Comentários que inflijam um desses pontos estão sujeitos a exclusão.

De preferência, evite fazer comentários anônimos. Faça login com uma conta do Google, assim poderei responder seus comentários de forma mais apropriada, e de brinde você poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby