Image Map

12 de maio de 2014

Khnum

۞ ADM Sleipnir

Arte de PTimm

Khnum ( Khnemu , Khenmu , Khenmew , Chnum ) foi um dos mais antigos deuses do Egito, sendo originalmente um deus da água, que se acreditava governar sobre toda a água, incluindo os rios e lagos do submundo. Ele foi descrito como um carneiro, um homem com a cabeça de um carneiro ou um homem com os chifres de um carneiro. Ele era (muito raramente) representado com a cabeça de um falcão, indicando sua conexão com o deus Rá. Ele muitas vezes usa a coroa de plumas brancas do Alto Egito e era por vezes, representado segurando um jarro com água fluindo para fora. Ocasionalmente, Khnum é representado com quatro cabeças de carneiro (representando o deus sol Ra, o deus do ar Shu, o deus da terra Geb e Osíris, o deus do submundo). Nesta forma, ele era conhecido como Sheft -hat.

Khnum era uma divindade associada ao rio Nilo, e fazia com que a sua inundação depositasse lodo preto suficiente nas margens do rio para torná-las férteis. O lodo também formava o barro, a matéria-prima necessária para fazer cerâmica. Como resultado, ele estava intimamente associado com a arte da cerâmica. 

Khnum é responsável pela criação da raça humana e de todos os outros deuses, devido à sua grande habilidade na roda do oleiro, onde ele cuidadosamente criou e moldou cada ser.  Também é atribuída a ele a criação do "Ovo Primordial",  a partir do qual Rá surgiu. Além de criar o corpo e o "ka" (espírito) de cada recém-nascido, ele os abençoava para que fossem saudáveis. 


Khnum também era uma divindade protetora dos mortos, semelhante à Anúbis. Magias invocando a ajuda de Khnum podem ser encontradas no Livro dos Mortos e em muitas das coração- escaravelhos enterrados com os mortos, porque acreditava-se que ele poderia ajudar o falecido a obter uma sentença favorável no Julgamento de Ma'at .

Khnum é um dos deuses que auxiliavam Rá em sua jornada noturna através do submundo. Ele teria criado o barco que transportava Rá e ajudou a defender o deus do sol contra a serpente Apep. No entanto, ele às vezes era considerado o "ba" de Ra, porque a palavra para " carneiro " em egípcio também foi "ba" . Quando Khnum foi fundido com Ra para formar a divindade composta Khnum-Ra, esta divindade foi associada à Nun ( que representava as águas primevas) , e recebeu o epíteto Hap-ur (" grande Nilo " ou " Nilo do céu ") .



Culto

O culto de Khnum estava centrado na ilha de Abu ( Elefantina primeiro nomo do Alto Egito ), onde ele foi adorado desde o período Dinástico. Durante o Novo Império, ele era adorado lá como o líder de uma tríade formada por ele, sua esposa Satet e sua filha Anuket . Ele também era adorado em Esna (Iunyt), onde ele foi pensado ser casado com  Menhet e Nebtu ( uma deusa local) e era o pai de Heka (deus da magia conhecido como "Aquele que Ativa o Ka ") . Ele também foi pensado ser o marido de Neith em Esna. Em Antinoe (Her-wer), ele era casado com Heqet, a deusa-sapo associada ao parto e concepção. Ele foi associado com Her-shef em Herakleopolis Magna, e era frequentemente associado com Osíris. Khnum às vezes era associado com Isis para representar o Alto Egito, assim como Ptah- Tanen foi associado com Néftis para representar o Baixo Egito.

Arte de Rod Wong
NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

4 comentários:

  1. Não sou muito de comentar em blogs, mas o que falarei nesse post diz respeito a todos desse site. Parabenizo toda a equipe de administradores pelas postagens, pois imagino o trabalho que deve ser fazer toda a pesquisa a cerca dos mitos e crenças de diversas religiões. Muitas vezes são necessárias traduções a partir de vários idiomas e de um conhecimento específico sobre cada área mitológica. Me dispus a ler cada post desse blog e demorei um mês e meio para terminá-lo, e ao fim disso posso assegurar que esse é o melhor site sobre cultura e mitologia que já encontrei. Mais uma vez, toda a equipe está de parabéns.
    Um forte abraço a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelos elogios e por apreciar nosso trabalho. Pode ter certeza que dá muito trabalho fazer cada postagem e manter o blog atualizado. Espero que continue acompanhando o Portal dos Mitos.

      Excluir
  2. Muita boa essa matéria. a humanidade desconhece suas origens. Certamente esse era um dos nomes e faces de Enki/Ea, anunnaki criador da humanidade. Um dos símbolos de Enki também era o bode. Certamente o deus cornífero dos bruxos e bruxas é este. Heket a deusa sapo que também participava da criação certamente é Hécate incorporada na mitologia grega depois (também associada a partos e o punhal que corta o cordão umbilical). Um dia a humanidade vai se dar conta da farsa do monoteísmo e da desgraça do Cristianismo e voltar para seus verdadeiros pais.

    ResponderExcluir
  3. Vício é Experiência Do qual vc n consegue buscar mais o mesmo padrão do início. Preso na busca de um estado momentâneo de prazer que não se sustenta. Isso é a energia da sexualidade vinculado ao prazer orgânico. Quando a energia sacral é desperta, ele da um pico e sustenta um platô, depois vem o vale . Esse platô é a realização , que mais conteve no momento do pico, ocorre nas horas e dias depois com a satisfação do resultado alcançado . Sustenta mais tempo que o prazer orgânico. Sensação interna no peito de completude, complementaridade, sensação de fiz o que tinha que fazer, realizar o que tinha que realizar. Os egípicios olharam para esse contexto e viram energia de uma deusa Satet (satisfação) esposa do khnum (Deus Carneiro- as esfinges eram todas com cabeça de khnum, que representava o poder da matéria, do imperador , mandatário do material). Khnum é o Deus oleiro (de olaria), manipula o barro para dar forma as coisas. É o senhor da matéria, que da forma . É dessa energia que vem o conceito “do barro vieste do barro retornarei “ . Khnum sozinho gera matéria e estrutura por si só , padrão da materialidade. A sua esposa, sua energia de liga , Satet, faz com que a matéria tenha um propósito. “Agora eu vou ter a satisfação”
    Hoje luta pelo khnum… ter, ter,ter … e nunca está satisfeito.
    Satet que torna khnum sagrado.
    Logo, qualquer aquisição de matéria, seja de bens, títulos, vai te aprisionar. Todo trabalho da espiritualização, vai dar sentido/direção a matéria. Problema é ter, precisar ter e não saber para o que serve. O ter só traz sensação de garantia para o animal. Para a essência pensante o ter não garante nada. Sem energia de Satet o pensante não tem finalidade. Khnum-> protegido, isolado. Mas ele não te espiritualiza.
    Esse estado que me prepara para a sabedoria. Preciso ter esse estado de satisfação intento desperto para conseguir sustentar a energia de sabedoria

    ResponderExcluir



Seu comentário é muito importante, e muito bem vindo, porém peço que evitem:

1) Xingamentos ou ofensas gratuitas ao autor e a outros comentaristas;
2)Comentários racistas, homofóbicos, xenófobos e similares;
3)Spam de conteúdo e divulgações não autorizadas;
4)Publicar referências e links para conteúdo pornográfico;
5)Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Comentários que inflijam um desses pontos estão sujeitos a exclusão.

De preferência, evite fazer comentários anônimos. Faça login com uma conta do Google, assim poderei responder seus comentários de forma mais apropriada, e de brinde você poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby