Image Map

2 de junho de 2014

Kvasir

۞ ADM Sleipnir


Na mitologia nórdica, Kvasir é um deus membro da classe dos Vanir, e referido como um poeta e o "mais sábio dos deuses". A lenda conta que após a guerra Æsir-Vanir, todos os deuses juntaram suas salivas em sinal de paz, e desta junção surgiu Kvasir. Ele era um deus extremamente sábio, e vagava por Asgard ensinando e instruindo os deuses, nunca deixando de dar a resposta certa para uma pergunta. Porém sua vida foi encurtada pela ação de dois irmãos anões, chamados Fjalar e GalarOs irmãos cobiçavam as propriedades mágicas do corpo de Kvasir, e traçaram um plano para obtê-las.

A Morte de Kvasir 

Certo dia, enquanto dormia, Kvasir foi apunhalado pelos irmãos Fjalar e Galar. Os dois recolheram o sangue de Kvasir, o misturaram com mel, e o preservaram num caldeirão mágico chamado Odrörir. Após um tempo, a mistura fermentou, criando o Hidromel da Poesia e todos aqueles que bebessem dela se tornariam poetas inspirados.


Algum tempo depois, os dois irmãos assassinaram o gigante Gilling e sua esposa. O filho de Gilling, Suttungr, parte em busca dos algozes de seus pais e consegue capturá-los e prendê-los em um recife coberto pela maré alta, deixando-os lá para que morressem afogados. Os irmãos resolveram entregar o Odrörir contendo todo o hidromel da poesia para Suttung, em troca de suas vidas. Suttungr aceita a oferta, e após obter o Odrörir, o esconde dentro de uma montanha chamada Hnitbjorg e ordena a sua filha Gunnlod para vigiá-lo.

O Roubo do Hidromel por Odin

O hidromel da poesia era um bem precioso, e Suttungr se gabava de tê-lo em sua posse, mas tão logo o sábio deus Odin tomou conhecimento da situação, ele partiu para Jotunheim com a intenção de obter o hidromel para si. Disfarçado como um lavrador, Odin passou a trabalhar para o irmão de Suttungr, Baugi, durante todo um verão. Ao terminar o trabalho, Odin pediu para Baugi lhe dar um copo de hidromel. Baugi tenta convencer Suttungr a ceder uma taça mas não obtém sucesso, então ele decide perfurar um pequeno buraco ao lado da montanha, abrindo uma passagem para a câmara onde o hidromel era mantido.

Odin imediatamente transformou-se numa cobra e se esgueirou pelo buraco na câmara onde Gunnlod guardava o hidromel. Retomando a forma de um homem, Odin seduz Gunlod e a convence a lhe dar o hidromel. Durante três noites, Odin bebeu do hidromel, e na terceira noite, ele se transformou em uma águia para poder escapar. Suttungr descobriu o roubo, e também transformando-se em uma águia, foi atrás de Odin. Parte do hidromel escapava da boca de Odin enquanto voava, as vezes propositalmente, a fim de distrair Suttungr que estava em seu encalço. Parte do hidromel caiu sobre a terra, onde atingiu alguns dos seres vivos, tornando-os poetas. Quando Odin avistou seu palácio, deu um grito de alerta, e todos os deuses correram com jarros em suas mãos, permitindo que Odin regurgitasse todo o hidromel dentro deles. Quando Suttungr viu o hidromel ser recolhido pelos deuses, se deu por vencido e retornou para sua montanha. O Hidromel agora pertencia aos deuses.


NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante e ajuda a manter o blog ativo!

4 comentários:

  1. Mas Odim antes de roubar o Hidromel, ele não era um deus, ele era um demônio.
    No seu relato tu dizes que Odim era um deus.

    ResponderExcluir



Seu comentário é muito importante, e muito bem vindo, porém peço que evitem:

1) Xingamentos ou ofensas gratuitas ao autor e a outros comentaristas;
2)Comentários racistas, homofóbicos, xenófobos e similares;
3)Spam de conteúdo e divulgações não autorizadas;
4)Publicar referências e links para conteúdo pornográfico;
5)Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Comentários que inflijam um desses pontos estão sujeitos a exclusão.

De preferência, evite fazer comentários anônimos. Faça login com uma conta do Google, assim poderei responder seus comentários de forma mais apropriada, e de brinde você poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby