31 de março de 2013

Ishtar

۞ ADM Sleipnir


Ishtar era uma divindade da Acádia, e deusa mãe importante e amplamente adorada por muitos povos semitas. Os sumérios chamavam-na de Inanna, e outros grupos do Oriente Próximo se referem a ela como Astarte. É cognata também das deusas Afrodite, Easter, Asterote e Ísis.

Alguns mitos dizem que Ishtar era filha do deus lunar Sin e irmã do deus solar Shamash. Outros mencionam o céu deus Anu, o deus da lua Nanna, o deus da água Ea, ou o deus Enlil, o senhor da terra e do ar, como seu pai. A maioria dos mitos vinculam-na ao planeta Vênus.

Sendo uma divindade complexa, Ishtar tem combinadas as características, tanto o bem e o mal, de muitas deusas diferentes. Como uma figura materna benevolente, ela era considerada a mãe dos deuses e humanos, bem como a criadora de todas as bênçãos terrenas. Neste papel, ela sofria com as tristezas humanas e servia como protetora do casamento e da maternidade. As pessoas também adoravam Ishtar como a deusa do amor, da sexualidade e da fertilidade. O lado mau da natureza de Ishtar surgiu principalmente em conexão com as guerras e as tempestades. Como uma deusa guerreira, ela pode fazer até mesmo os deuses tremer de medo. Como uma deusa da tempestade, ela pode trazer chuva e trovão.



Ishtar aparece em muitos mitos, mas dois são especialmente importantes. O primeiro, do épico babilônico de Gilgamesh, conta como Ishtar se ofereceu para casar com o rei-herói Gilgamesh, porque ela era impressionada com a sua coragem e façanhas. De acordo com o épico de Gilgamesh, ele recusou a oferta e insultou Ishtar, lembrando a deusa de todos os amantes anteriores que ela havia prejudicado. Enfurecida, Ishtar enviou o Touro feroz do Céu para matar Gilgamesh, mas ele e seu amigo Enkidu mataram o animal. 

O segundo mito mais conhecido de Ishtar diz respeito a sua descida ao submundo e o sacrifício de seu marido Tammuz (também conhecido como Dumuzi). Nesta história, Ishtar resolveu visitar o submundo, que era governado por sua irmã Ereshkigal, talvez para tomar o poder lá. Antes de partir, ela instruiu seu seguidor, Ninshubur, de procurar a ajuda dos deuses, caso ela não voltasse.

Para chegar ao submundo, Ishtar teve que passar por sete portas e remover um símbolo do seu poder- como uma peça de roupa ou um pedaço de jóias - em cada um. No último portão, a deusa, nua e privada de todos os seus poderes, conheceu sua irmã Ereshkigal, que anunciou que Ishtar deve morrer. Ela morreu imediatamente, e seu corpo foi pendurado em uma estaca.

Enquanto isso, o deus Enki aprendeu com Ninshubur que Ishtar estava desaparecida e enviou dois mensageiros que restauraram-lhe a vida. No entanto, a fim de deixar o submundo, Ishtar tinha que substituir, conta própria, seu corpo por outro. A deusa ofereceu então seu jovem marido, Tamuz, para tomar seu lugar. Este conto de morte e renascimento foi associado com a fertilidade e ligados às estações do ano e os ciclos agrícolas, bem como a história de Perséfone na mitologia grega.

Ishtar era adorada como uma deusa tanto do bem quanto do mal pelas pessoas próximas do antigo Oriente. Eles honraram-na como a protetora do casamento e da maternidade, assim como uma guerreira e deusa da tempestade.

Templos e Rituais

Os templos de Ishtar foram construídos ao longo do antigo Oriente Próximo. Entre os mais famosos foram os nas cidades de Erech, Babilônia, Ur e Nínive. Seu culto era muito popular e alguns dos rituais tinham caráter sexual, enquanto outros rituais relacionava-se a libações e outras ofertas corporais.


Um ritual importante ocorria no equinócio da primavera, onde os participantes pintavam e decoravam ovos (símbolo da fertilidade) e os escondiam e enterravam em tocas nos campos. Um resquício por trás desse antigo ritual talvez seja o dos ovos de Páscoa, embora não exista uma prova concreta associando os dois rituais. De qualquer forma, em muitas culturas o ovo é considerado um símbolo de fertilidade.





Agradecemos sua visita e se gostou da leitura, deixe seu comentário! Compartilhe também nossos posts nas redes sociais!

Nenhum comentário:



Seu comentário é importante e muito bem vindo. Só pedimos que evitem:

-Xingamentos / Ofensas;
-Incitar o ódio e o preconceito;
-Spam;
-Publicar referências e links de pornografia;
-Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Reservamo-nos ao direito de remover qualquer comentário nessas condições.

De preferência, faça login com uma conta do Google, assim poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby