Image Map

11 de janeiro de 2022

Mayahuel

۞ ADM Sleipnir


Mayahuel (também Mayahual, Mayouel) é a deusa asteca do agave (conhecida como octli na língua nauátle), planta usada para produzir pulqueO pulque é uma bebida que era sagrada para os astecas e utilizada em muitos rituais. O agave é uma planta espinhosa, e os sacerdotes astecas usavam esses espinhos para cometer suicídio ritual. Além do agave, Mayahuel é associada com a fertilidade, o parto e a embriaguez. Ela é consorte do deus da cura Patecatl, que também é uma divindade associada ao pulque. 

No calendário asteca, Mayahuel é a governante do oitavo dia, Tochtli (coelho), e da oitava trecena, 1-Malinalli (grama). 

Representações

Mayahuel é normalmente representada como uma jovem mulher emergindo de uma agave, com um anel de jade perfurando o nariz e segurando um octecomatl (uma espécie de taça/jarra contendo pulque). Ás vezes é representada com uma pele de coloração azul com manchas amarelas, outras com o rosto tingido de preto e vermelho. Ela também costuma aparecer vezes representada com muitos seios com os quais, segundo os mitos, alimentava seus filhos, os Centzon Totochin (literalmente "400 coelhos") com pulque. Acreditava-se que os Centzon Totochin eram deuses responsáveis por provocar a embriaguez das pessoas.

Arte de  John-Paul Howard

Mitos

A criação da Agave

O mito mais conhecido sobre Mayahuel conta sobre como surgiu a primeira planta agave. Existem várias versões desse mito, sendo a seguinte uma delas:

Mayahuel vivia no céu com sua vó, uma das Tzitzimime (deusas estelares), e era mantida por ela sob severa vigilância. Um dia, porém, o deus do vento Ehecatl (um aspecto de Quetzalcoatl), vê Mayahuel pela primeira vez, e encantado com sua beleza, se apaixona perdidamente por ela. Percebendo que a única forma dos dois ficarem juntos seria afastar Mayahuel de sua avó, Ehecatl seduz a jovem deusa e a convence a fugir e ir com ele para a terra, onde poderiam ficar juntos.

Arte de mazzertecpatl

Quando a avó de Mayahuel tomou ciência de sua fuga, foi atrás dos dois acompanhada por suas irmãs tzitzimime. Na tentativa de escapar dessa perseguição, Ehecatl transformou a si próprio e Mayahuel em ramos de árvore As Tzitzimime acabaram desvendando o disfarce de Mayahuel, e ainda transformada em um ramo, a mataram despedaçando-a completamente e espalhando seus pedaços pelo chão.

Lamentando o triste fim de sua amada, Ehecatl recolheu os pedaços de Mayahuel e os enterrou. Para sua surpresa e felicidade, no local nasceram ramas de uma nova planta, o agave, e junto com ela, a própria Mayahuel também renasceu. Por esta motivo, acreditava-se que o aguamiel, a seiva doce coletada da agave, era o sangue da deusa.


A invenção do Pulque

Uma outra lenda conta que antes de ser uma deusa, Mayahuel era humana, sendo a modesta esposa de um lavrador chamado Pantecalt. Um dia, enquanto espantava os ratos que constantemente atacavam a plantação do marido, ela notou um deles agindo estranhamente. Ela notou também que no local havia uma planta desconhecida por eles, e que o seu caule estava todo roído. Do caule escorria uma seiva leitosa e ela resolveu coletá-la com uma cabaça e levá-la para casa, onde tentaria encontrar uma utilidade para ela.

Chegando em casa, Mayahuel resolveu provar um pouco da seiva, e tendo achado o sabor muito bom, logo provou mais um pouco. Quando Pantecalt chegou, a viu bebendo e pediu que lhe servisse um pouco também. Logo os dois acabaram com toda a seiva que Mayahuel havia coletado, ficando completamente extasiados e alegres.

Eles decidiram voltar até o local onde Mayahuel havia encontrado a planta, colhendo mais seiva e bebendo ali mesmo. Os dois cantaram e dançaram a noite toda até perderem os sentidos e apagarem. Quando acordaram, se surpreenderam ao descobrir que estavam na presença dos deuses, que queriam saber que bebida eles haviam consumido que os deixaram tão felizes. Mayahuel então ofereceu a eles a cabaça contendo a seiva, e os deuses beberam. Eles gostaram tanto da bebida que a batizaram de "pulque", passando a adotá-la em suas cerimônias. Como prêmio por terem feito a descoberta, Mayahuel e Pantecatl foram integrados ao panteão como deuses. Mayahuel tornou-se a deusa do pulque, enquanto Pantecatl tornou-se Xochipili, deus das flores, da poesia e das festas. 

Arte de Thor Odenson

fontes:
NÃO DEIXE O BLOG MORRER! Separe um minuto para comentar, elogiar ou criticar as publicações. Faça também sugestões. Sua interação é importante ajuda a manter o blog ativo!

Um comentário:



Seu comentário é muito importante, e muito bem vindo, porém peço que evitem:

1) Xingamentos ou ofensas gratuitas ao autor e a outros comentaristas;
2)Comentários racistas, homofóbicos, xenófobos e similares;
3)Spam de conteúdo e divulgações não autorizadas;
4)Publicar referências e links para conteúdo pornográfico;
5)Comentários que nada tenham a ver com a postagem.

Comentários que inflijam um desses pontos estão sujeitos a exclusão.

De preferência, evite fazer comentários anônimos. Faça login com uma conta do Google, assim poderei responder seus comentários de forma mais apropriada, e de brinde você poderá entrar no ranking dos top comentaristas do blog.



Ruby